Esse caso, é o avistamento mais importante de uma superestrutura de origem desconhecida já registrada na Espanha

12 de março de 1997: O piloto Juan Reyes, que estava no 118º vôo da Air Europa de Nova York para Madri, foi notificado por seu co-piloto: "Olhe mais adiante!"

 
 
O OVNI teria o tamanho e formato parecido com o de uma grande ilha; "O objeto foi observado e confirmado por pilotos e comissários de bordo de 2 aviões"
 
A 92 quilômetros a oeste de Vigo, eles viram uma estrutura gigantesca que lembrava o piloto, devido ao seu tamanho e formato circular, à ilha de Gran Canaria. Os comissários de bordo e outro piloto voando atrás dele corroboraram o que haviam visto. 
 
OVNI significa objeto voador não identificado. Não se refere necessariamente a uma estrutura extraterrestre, embora Juan Reyes, o piloto que viu algo sem explicação ao amanhecer em 12 de março de 1997 no Atlântico, a apenas 92 quilômetros de Vigo, não tenha dúvida de que era uma tecnologia alienígena.
 
Para Jiménez, esse caso, não publicado até o momento, é o avistamento mais importante de uma superestrutura de origem desconhecida já registrada na Espanha.
 
Na época, ele escreveu um relatório à Air Europa, sua companhia aérea, na qual descreveu "um objeto não identificado realmente estranho". "Até hoje isso não foi divulgado, o relatório está parado", diz ele.
 
 
 
Eram 4:14 da manhã de 12 de março de 1997. Juan Reyes pilotou o voo da Air Europa AEA 118 entre Nova York e Madri. É um Boeing 757-200. Reyes é notificado por seu co-piloto, Tomeu Salvá, muito nervoso... "Olhe mais a diante!!"
 
Não era outro avião, nem mesmo terra. O que eles vêem é uma megaestrutura circular com duas luzes muito fortes no centro. A estrutura tem duas luzes que iluminam tudo com uma luz branca, e um tipo de nuvem é percebida ao redor.
 
Ilha de Gran Canaria
 
Eles estavam a 11.000 metros acima do mar e 92 quilômetros a oeste de Vigo. Essa estrutura circular gigante lembra o piloto das Canárias da imagem aérea da ilha de Gran Canaria, que tem uma área de 1.560 quilômetros quadrados.
 
Um objeto enorme que não apareceu no radar. "Nunca vi nada parecido", resume o comandante. "As anfitriãs também o viram e todos ficaram surpresos."
 
Juan Reyes, totalmente incrédulo, entrou em contato com o Centro de Controle de Tráfego Aéreo de Madri para receber algumas explicações sobre o caso. A resposta que recebeu confirmou o enigma: não havia operação marítima na área.
 
 
Eles chamam o voo da Iberia 6010, um DC10 que viajou de Montreal para Madri na mesma rota e que passou pelo mesmo local cerca de 10 minutos depois. O comandante da Iberia diz que ouviu o que seu colega disse e se ofereceu para fazer uma passagem pelo local onde estaria a possivel estrutura.
 
Confirmando o relato de Juan Reyes, o comandante da Iberia liga pelo rádio às 4h30 e diz que "todas as informações fornecidas pelo voo 118 estão 100% corretas".
 
"Ficamos calados", diz Juan, que admite que hoje não sabe nada sobre o comandante da Iberia que corroborou seu avistamento. "Ele fez seu relatório, semelhante ao nosso", diz ele.