Possível base alienígena: Ufólogos registram grande atividade de OVNIs sobre vulcão no México

26/11/2018 17:16

Testemunha: Vimos que passou um objeto por cima das arvores no meio da floresta e alguns minutos depois passou outro.

 
 
Em 12 de dezembro de 2012, Arturo Sarabia acompanhado de uma equipe de resgate e pesquisadores do fenômeno OVNI, resolveram subir o vulcão Iztaccihuatl, para estudar uma das áreas com mais ocorrências de aparições de OVNIs na região. 
 
A equipe tinha que subir mais de 4000 metros. O frio, e a falta de oxigênio seriam seus maiores inimigos. 
 
Ernesto Franco (testemunha): Naquele dia, nós tínhamos decidido ir para fazer o monitoramento do vulcão Iztaccihuatl. E registrar qualquer outro objeto que conseguíssemos captar. Marco Antonio Rodrigues tinha filmado um objeto cilindrico enorme sobre o vulcão. 
 
 
Após duas horas de caminhada o grupo chegou ao ponto onde levantariam o acampamento. Mas logo o frio seria a menor das preocupações do grupo. 
 
Ernesto Franco (testemunha): Começamos a procurar lenha, troncos, qualquer coisa para fazer uma fogueira. 
 
Arturo Sarabia (testemunha - advogado): Montamos o acampamento e depois de 15 minutos as barracas estavam parecendo iglus. Elas ficaram totalmente cobertas de gelo e neve.
 
O frio era impiedoso, e todos ficaram próximos da fogueira...
 
Arturo Sarabia (testemunha - advogado): Começamos a ver luzes similares as de uma lanterna, mas muito forte. Chegamos a pensar que fossem outras equipes e pessoas acampando por lá.
 
Ernesto Franco (testemunha): Achamos tudo aquilo muito estranho porque não era uma região turística. Principalmente naquele período da noite. As luzes não pareciam ser uma fogueira. Eram simplesmente pontos de luz.
 
 
Embora ninguém tenha falado nada no momento da aparição, todos sabiam que havia algo de estranho nas luzes presentes perto do local. As luzes permaneceram durante varios minutos, e a equipe de resgate não conseguia entender do que se tratava. 
 
Arturo Sarabia (testemunha - advogado): A surpresa da equipe de resgate foi que eles não tinham nenhum registro de alguem que pudesse estar na montanha, o que é incomum... As luzes acendiam e de repente se apagavam e isso se seguiu por vários minutos. Parecia que estavam fazendo sinais para nós. 
 
As luzes começaram a demonstrar um comportamento cada vez mais estranho... 
 
Arturo Sarabia (testemunha - advogado): Como as luzes não pararam, todos quiseram ir ver do que se tratava. Fomos até lá com as lanternas, e com as câmeras infravermelhas para ver onde estávamos pisando. Até que uma hora, quando chegamos mais perto, as luzes que até então eram brancas ficaram vermelhas de um tom muito forte. 
 
Decididos a descobrir do que se tratava o fato estranho, o grupo se aproximou ainda mais do local onde as luzes emanavam. 
 
Arturo Sarabia (testemunha - advogado): Quando enfim chegamos no locol as luzes se apagaram totalmente e não ouvimos ou vimos absolutamente mais nada. Então nos dividimos em dois grupos para tentar cercar o que quer que seja. No entanto alguns minutos depois nós nos reencontramos e não encontramos ninguém que tivesse passado por lá. Não haviam vestígios que alguém tivesse estado no local. Não havia nenhuma marca de pegada. Quando é uma área muito úmida é bem fácil ficarem marcas dos pés, no entanto não havia nada. Era impossivel que alguém conseguisse se esconder, porque usamos o infravermelho das câmeras para ver com mais clareza. 
 
Ernesto Franco (testemunha): Então o que era aquilo se não era uma pessoa?? O que eram aquelas luzes?? 
 
Sem nenhuma possibilidade de entender o que estava acontecendo, eles resolveram  retornar ao acampamento. Ao retornar, preocupados em se proteger do frio, ninguém percebeu algo incomum que estava começando acontecer. 
 
Ernesto Franco (testemunha): Nós começamos a escutar um barulho parecido com o de tambores ou som de impacto. Isso ocorreu a 4000 metros de altitude sem uma possível ideia da origem do som. 
 
A fonte do barulho não tinha explicação. De um lado havia o paredão da montanha, e no outro a área examinada minutos antes, onde já sabiam que não havia ninguém. Os sons ficavam cada vez mais altos, e ao mesmo tempo um estranho fenômeno físico aconteceu. 
 
Arturo Sarabia (testemunha - advogado): Ao mesmo tempo que o fenômeno acontecia, percebemos que nossas bússolas analógicas rodavam sem parar. Elas não detectavam o Norte magnético. Os dispositivos digitais que funcionavam como bussolas travaram com uma mensagem que dizia "interferência eletromagnética" 
 
O grupo percebeu que alguma coisa realmente estranha estava acontecendo e começaram a se preparar para o pior. Após um momento de puro panico no grupo, eles acharam melhor descobrir a origem do barulho. Cada um carregando uma câmera entrou na floresta para uma rapida verificação. Mas  eles novamente não encontram nada. 
 
Nervosos o grupo permaneceu em vigília constante até o Sol nascer. Mas algo ainda mais surpreendente acontece ao amanhecer. 
 
 
Ernesto Franco (testemunha): Vimos que passou um objeto por cima das arvores no meio da floresta e alguns minutos depois passou outro.
 
O fenômeno foi registrado em foto veja abaixo:
 
 
Após esse incrível registro o grupo resolve voltar, já que havia reunido informações realmente incríveis sobre o que acontece no local, encerrando as investigações no Vulcão. 
 
History Channel (Documentario - Contato Extraterrestre 2014)