Pode existir um local secreto embaixo da Grande Esfinge, onde estariam guardados túmulos alienígenas

28/04/2018 09:49

Varios relatórios iniciais da Esfinge incluíam detalhes incriveis de aberturas (entradas) ao redor do monumento, levando a complexos sistemas de túneis, contendo túmulos com artefatos alienígenas.

 
 
Muitos pesquisadores propuseram há muito tempo que existem muitas câmaras localizadas dentro da Grande Esfinge e abaixo dela. Alguns até sugeriram que o mítico ‘Salão de Registros’ está localizado logo abaixo deste misterioso monumento antigo.
 
Diz-se que o Salão de Registros detém a chave para entender nossa civilização e a história real da humanidade. E há ainda afirmações mais estranhas de que existe até mesmo túmulos de alienígenas sob a Grande Esfinge, mas isso tudo ainda está para ser comprovado. A falta de investigação leva muitos a acreditar que isso é porque eles já sabem o que existe oculto no local, e aqueles que estão no poder colocaram limites em todas as tentativas de investigar a Esfinge ou abaixo dela.
 
Foto 1
 
Foto 2
 
 
Observe a abertura no alto da cabeça na fotografia 1. Muitos relatórios iniciais da Esfinge incluíam detalhes de 3 ou 4 aberturas (entradas) ao redor da esfinge, levando a complexos sistemas de túneis, contendo túmulos com artefatos alienígenas. Algo dentro desses sistemas de túneis levou o governo egípcio e até mesmo a CIA a intervir e restringir o acesso em razão da “segurança da nação”.
 
A segurança da nação? De que nação eles estão falando? Egito ou Estados Unidos? E mais ainda, desde quando a CIA tem estado remotamente incomodada com a segurança nacional do Egito? 
 
A CIA interveio e impediu que as próprias autoridades do Egito investigassem. Eles bloquearam qualquer porta ou abertura escondida que levasse a algum lugar que tivesse coisas que eles não queriam que ninguém visse… Algo como artefatos alienígenas.
 
Em um livro “The Message of the Sphinx” (A Mensagem da Esfinge), Graham Hancock e Robert Bauval relatam o uso da tecnologia moderna para investigar o terreno em torno da Esfinge: Em 1973-4, o primeiro de uma série de projetos pioneiros sérios foi lançado, usando penetração no solo, radar e outro equipamento de sensoriamento remoto de alta tecnologia para localizar ‘anomalias’ sob o leito de rocha abaixo da Esfinge. Esses projetos foram canalizados por meio de instituições acadêmicas bem estabelecidas – a Universidade Ain Shams, no Cairo, e o prestigioso Stanford Research Institute (SRI), nos EUA. Em 1977, a National Science Foundation dos EUA financiou um projeto em Gizé envolvendo novamente o SRI. Desta vez, foram utilizadas várias técnicas novas, como medidas de resistividade (de hastes de metal impulsionadas na rocha através das quais uma corrente elétrica foi passada), magnetômetro e também as mais recentes técnicas de fotografia aérea e infravermelho térmico.
 
 
De acordo com o relatório oficial da equipe do SRI:
 
"Várias anomalias foram observadas como resultado de nossa pesquisa de resistividade na Esfinge… Atrás das patas traseiras (extremidade noroeste) encontramos duas travessas. A anomalia poderia ser devido a um túnel alinhado de noroeste a sudeste.
 
Duas outras anomalias foram observadas, no fundo da rocha, na frente das patas da Esfinge."

 

*Fonte

*Fonte Imagem Ilustrativa