O piloto que entrou para historia por atirar em um OVNI: Percebi que não era um dispositivo espião, mas um OVNI, algo totalmente desconhecido

 
 
Os disparos não tiveram efeito no OVNI. Segundo as declarações do tenente-coronel, o objeto parecia "absorver" as balas.
 
Oscar Santa Huerta viveu um evento bastante surpreendente que se tornou um dos poucos casos registrados de um avião militar atirando em um OVNI.
 
Na manhã de 11 de abril de 1980, o ex-tenente-coronel da Força Aérea Peruana, de apenas 23 anos, Oscar Santa María Huerta, estava se preparando para realizar os exercícios diários com 1.800 soldados e civis na Base da Força Aérea de la Joya, a cerca de 1.000 quilômetros de Lima, capital do Peru.
 
Algo não identificado é registrado!!
 
Huerta, que pilotava caças desde os 19 anos, estava se preparando para decolar com seu jato Sukhoi-22 para interceptar um possivel OVNI.
 
O objeto estranho foi avistado a cerca de 5 quilômetros de distância da base, cerca de 600 metros de altura e sem responder a nenhum dos avisos anteriores.
 
Segundo declarações de Santa María, o misterioso "OVNI" estava em uma aérea restrita sem autorização, o que poderia representar um perigo para a nação.
 
Juntamente com Santa Maria, outros investigadores e ex-oficiais testemunharam o evento. Depois de decolar, Huerta voou para bem próximo do alvo - ainda sim mantendo uma distancia segura - e se posicionou para realizar o ataque.
 
O contato
 
Huerta afirma que, uma vez que teve o alvo em sua mira, ele disparou 64 projéteis de 30 mm, o que seria suficiente para abater qualquer tipo de aeronave grande ou pequena.
 
No entanto, os disparos não tiveram efeito no OVNI. Segundo as declarações do tenente-coronel, o objeto parecia "absorver" as balas.
 
 
 
Logo após ser atacado, o estranho objeto voou para o céu em alta velocidade, afastando-se rapidamente.
 
Santa María rapidamente o perseguiu, conseguindo se localizar a uma distância de aproximadamente 500 metros e chegaram imediatamente à cidade de Camaná, a 84 quilômetros da base. Nesse instante, o objeto parou repentinamente, forçando o piloto a desviar-se do rumo e retornar.
 
Huerta virou à direita e conseguiu se posicionar para disparar; disparou o canhão, mas mais uma vez o OVNI realizou outra manobra impossível, subindo rapidamente e evitando o ataque.
 
Huerta tentou usar a mesma tática várias vezes, mas toda vez o objeto escapava facilmente.
 
Confirmado: É um OVNI
 
Em uma manobra final, o homem decidiu se aproximar o máximo possível para ver seu alvo e poder ver claramente o que estava enfrentando.
 
Santa Maria disse:
 
"Fiquei surpreso ao ver que o 'balão' não era um balão. Era um objeto com cerca de 10 metros de diâmetro e uma cúpula brilhante de cor creme no topo, semelhante a uma lâmpada cortada ao meio.
 
O fundo era uma base circular mais larga, de cor prateada, e parecia algum tipo de metal. Faltava todos os componentes típicos da aeronave. Não tinha asas, correntes de jato, escapamentos, janelas, antenas, nada. Não tinha sistema de propulsão visível.
 
Naquele momento, percebi que não era um dispositivo espião, mas um OVNI, algo totalmente desconhecido. Eu estava quase sem combustível, então não pude atacar, manobrar meu avião ou fazer uma fuga em alta velocidade. De repente, fiquei com medo. Eu pensei que poderia ter acabado."
 
Huerta voltou à sua base, fazendo movimentos de esquiva no ar por medo de ser atacado, sempre checando seu radar e retrovisores em caso de ser perseguido.
 
 
 
Quando pousou, o objeto permaneceu no mesmo local e permaneceu assim por mais de 2 horas, sendo visível para todos na base. Este evento foi registrado pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos com um documento intitulado "OVNI avistado no Peru". 
 
Fonte: https://codigooculto.com/2020/06/piloto-que-disparo-a-ovni-vivio-para-contar-historia/