O inexplicável artefato das Montanhas Coso: Antigas civilizações avançadas usaram eletricidade há cerca de 500.000 anos?

 
 
"Em uma declaração anterior, em 1961, o objeto teria propriedades magnéticas, magnetismo que alguns anos depois, em 1969, não estava mais presente."
 
Várias descobertas de objetos misteriosos, envoltos em pedaços de rocha ou carvão, oferecem evidências tangíveis muito sedutoras de que, no passado distante, a humanidade era significativamente mais avançada tecnologicamente do que poderíamos sequer compreender.
 
Em 13 de fevereiro de 1961, Wallace Lane, Virginia Maxey e Mike Mikesell, proprietários de uma loja de presentes em Olancha, Califórnia, entraram nas montanhas Coso para abastecer o estoque de minerais de sua loja.
 
Para sua surpresa, eles não encontraram apenas minerais, eles acharam algo que poderia alterar totalmente o curso que a história humana tomou. 
 
Em sua busca por minerais, eles encontraram alguns fósseis incrustados bem incomuns. Depois de capturar seu interesse e atenção, Mike Mikesell decidiu fazer mais pesquisas sobre a estrutura do Geodo.
 
 
 
No processo de abertura do Geode, Mike Mikesell descobriu que ele continha algo estranho. No meio do geodo, ele descobriu um núcleo metálico, com cerca de 2 milímetros de diâmetro.
 
O núcleo era o que parecia ser um colar de cerâmica forrado com uma manga ou capa hexagonal esculpida em madeira que provavelmente teria sido petrificada em uma data posterior.
 
Em torno da 'concha' de madeira fossilizada, a camada externa do geodo era composta de argila solidificada, seixos, pedaços de conchas fósseis e dois elementos de metal não magnéticos que pareciam idênticos a um prego e uma arruela.
 
Testes de raios-X do elemento mostraram um objeto que se assemelha muito às velas de ignição de hoje. Levando em consideração a sobreposição aproximada e a estrutura da crosta externa, o objeto foi datado em 250.000 a 500.000 AC. 
 
Em uma declaração anterior, em 1961, o objeto teria propriedades magnéticas, magnetismo que alguns anos depois, em 1969, não estava mais presente.
 
Apesar de suas supostas origens extraterrestres, o artefato de Coso não é apenas uma "vela de ignição" em um fóssil. A sua construção revela claramente que é muito semelhante aos primeiros supercondutores.
 
Após uma série de testes exaustivos e análises meticulosas de raios-x do artefato de Coso, foi revelado que o Geodo era de fato uma forma de dispositivo mecânico. Tinha uma haste de metal enferrujada em uma extremidade, mas a outra extremidade estava amarrada a uma mola de metal.
 
O acabamento em cerâmica e as partes internas de cobre sugerem algum tipo de aparelho elétrico. Embora seja muito semelhante a uma vela de ignição, é bem diferente em questão de constução das velas de ignição atuais - algo nunca antes visto.
 
Para adicionar mais mistério ao artefato de Coso, alguns geólogos afirmam que a rocha onde este artefato foi encontrado embutido tinha pelo menos 500.000 anos de idade e que teria sido fossilizada em rochas sedimentares depositadas durante o grande dilúvio.
 
Este artefato extremamente importante para arqueólogos e geólogos revela que os antediluvianos teriam feito avanços impressionantes além de nossas expectativas: eles descobriram e aprenderam a manipular a eletricidade muitos milhares de anos antes da reintrodução desse conhecimento em nosso tempo.
 
Como outros artefatos antigos que podem conter pistas para nossa enigmática história antiga, o artefato desapareceu três anos depois de ter sido exibido por apenas três meses no Museu da Independência do Leste da Califórnia.
 
 
 
Em setembro de 1999, em uma tentativa de rastrear o artefato Coso, foi investigado o paradeiro das primeiras pessoas que o descobriram, infelizmente algumas das pessoas envolvidas na descoberta haviam morrido antes. Apenas Virginia Maxey foi encontrada, mas ela se recusou a comentar publicamente sobre o artefato.
 
Fonte: History Channel