Arqueologia Proibida: O Império Subterrâneo do Paraguai

A laje de concreto da estrutura, não podia sequer ser arranhada pelo equipamento de perfuração ou pelos explosivos e era descrita como “um material definitivamente artificial mais duro que o concreto armado e desconhecido pela ciência”
 
 Cerro Guazu, é uma montanha que faz parte da cordilheira do Amambay, no território do Paraguai
 
 
O Império Subterrâneo do Paraguai, os vikings na América antes dos espanhóis..
 
"Nos dias passados, um rei poderoso e sábio chamado IPIR reinou nesta região. Ele era um homem branco e tinha uma longa barba loira. Com homens e guerreiros indígenas leais a ele, ele vivia em um grande assentamento no topo de uma pequena montanha. Ele possuía armas temíveis e grandes riquezas em ouro e prata. Um dia, no entanto, ele foi atacado por tribos selvagens e desapareceu para sempre". (O grande rei de Amambay, uma antiga lenda guarani. Jacques de Mahieu. O rei viking do Paraguai, 1979).
 
Fritz Berger era um engenheiro alemão, que na década de 1940 estava em turnê na América do Sul. Sem lugar fixo, o alemão decidiu, depois de um tempo, se estabelecer no Paraguai, onde acreditava ter feito importantes descobertas arqueológicas.
 
Suas descobertas interessaram ao governo paraguaio, que criou a Associação Geológica e Arqueológica, mais conhecida pela sigla AGA, que contratou Berger.
 
No mesmo ano em que ingressou na AGA, ele relatou às autoridades os resultados de uma de suas investigações, declarando vestígios de uma construção subterrânea, dentro de Cerro Ipir, departamento de Amambay, noroeste do Paraguai.
 
Por três anos, ele trabalhou com a equipe arqueológica, desenterrando a fabulosa descoberta, embora fosse impossível trazê-la à superfície devido à falta de recursos tecnológicos mais avançados, uma vez que os materiais de construção de sua descoberta apresentavam uma dureza desconhecida, que nem com dinamite, ele poderia ser quebrado. No entanto, alguns objetos puderam ser desenterrados.
 
Em uma carta enviada a um amigo que reside em Munique, podemos ter uma idéia desse mundo esquecido, ela narra "uma placa de 14 × 10 cm - pedra ou metal, brilhante como um diamante"; várias representações de cabeças, ânforas e outros artefatos, "todos de alto valor artístico, alguns misturados com os escombros e outros expostos como em um museu", a imagem enterrada de uma mulher de alabastro, com 1,20 m de comprimento, sugerindo uma tumba medieval reclinada; dois dados, cheios de caracteres não identificáveis, "como diamantes lapidados".
 
 
 
Sobre a instalação subterrânea, ele escreveu na carta: "O edifício é muito grande e ainda não consegui estimar completamente o tamanho. Provavelmente existem 800 peças (no local), talvez mais. Achei polígonos tão exatos, do ponto de vista aritmético, que os melhores engenheiros não conseguiram. (...) Tudo é tão exato sem que nada seja intercambiável ”.
 
Em outra carta de 1940, ele aponta conhecer túneis com 130 km de comprimento, apresentando alguns esboços como sinais de evidência. 18 m de profundidade foram escavados; no entanto, em 1945, o trabalho foi interrompido para sempre e a AGA foi dissolvida. Desanimado e doente, Fritz Berger permaneceu no Amambay com o exército até a guerra civil de 1947. Depois foi para o Brasil, morrendo no ano seguinte. Esta parte de Amambay atualmente é uma área militar e inacessível.
 
Jacques de Mahieu, antropólogo francês simpático ao nazismo, instalado na Argentina após a Segunda Guerra Mundial, foi quem deu origem a essa história em El Rey Vikingo del Paraguay (livro). Ele argumentou que a descoberta de Berger estava relacionada aos vikings, pois na área das descobertas ele alegou localizar a escrita rúnica, embora essa última referência nunca tenha recebido a atenção de acadêmicos.
 
Capa do livro "El Rey Vikingo del Paraguay", de Jacques de Mahieu. Crédito: Débora Goldstern (Archivo personal)
 
 
Obs: Em 2016, foi anunciada a descoberta de uma cidade esquecida no departamento de Amambay, onde foi feita referência a um assentamento calculado com cinco mil anos de idade.
 
Observações importantes..
 
* Terceiro Reich se envolveu e parece ter concordado em enviar ao Paraguai um tipo especial de perfuratriz pneumática.
 
* A laje de concreto, não podia sequer ser arranhada pela perfuratriz (equipamento de perfuração) ou pelos explosivos e era descrita como “um material definitivamente artificial mais duro que o concreto armado e desconhecido pela ciência”
 
*Fritz Berger nunca revelou a fonte de suas informações sobre a Montanha e a rede de túneis que se estendem por baixo dela, mas quando ele atravessou para o Paraguai vindo do Brasil ele sabia exatamente para onde estava indo e o Exército paraguaio também sabia.
 
*O autor, antropólogo/arqueólogo Jacques de Mahieu, um foragido da fraternidade científica por ter sido um oficial da divisão francesa Waffen-SS, talvez tenha revelado muita “história oculta”, da qual prefeririam que ele não tivesse mencionado. Décadas depois da guerra, do juramento das SS que ele havia feito, ainda havia segredos oficiais alemães a respeito dos quais ele era obrigado a permanecer em silêncio. Portanto, em seu livro, ele omitiu qualquer menção ao ano de 1942 e detalhes de onde a broca pneumática havia vindo.
 
O Terceiro Reich estava no meio de uma grande guerra, que já corria o risco de perder. Seu desfecho dependia da Batalha do Atlântico, mas eles poderiam poupar um submarino para desviar para a Argentina com uma furadeira pneumática para uma escavação arqueológica no Paraguai. Provavelmente seu interesse estava em duas coisas:
 
(i) Eles precisavam de uma lasca do supostamente impenetrável teto e paredes de concreto do refúgio subterrâneo para a análise científica para obter sua fórmula.
 
(ii) Eles precisavam saber para onde o túnel sob a 'Montanha Calva' levava? A montanha era um dos portais para um local secreto ou similar?

 

Fonte: El Rey Vikingo del Paraguay (Livro) \ Código Oculto \ Wiki \ Socientifica