O Demônio de Dover - Esse caso surpreende os investigadores até hoje

Esta entidade enigmática tem fascinado pesquisadores desde 1977, quando, em apenas dois dias, nada menos que seis testemunhas alegaram ter encontrado essa criatura desconhecida.

 
 
A extraordinária história começa em 21 de abril de 1977, quando por volta das 10:30, um jovem de nome Billy Barlett, juntamente com dois amigos, desciam de carro a Farm Street perto de Dover, Massachusetts, EUA. Quando os adolescentes passavam por um edifício de pedra (conhecido como o Muro Farm Street,) Barlett notou algum movimento com o canto do olho.
 
No começo, ele pensou que o movimento fora causado por um cão ou outro animal, mas, quando os faróis se abateram sobre a criatura, eles perceberam que não se parecia com nada que eles já haviam visto. Barlett viria a descrever esta enigmática entidade assim:
 
"Não era um cão ou um gato. Aquilo não tinha cauda. Tinha uma cabeça em forma de ovo. Parecia que o corpo era de um bebê com braços e pernas longas. Possuía uma cabeça grande quase do mesmo tamanho do corpo, era uma forma como a de uma espécie de melância. A cor era... A cor era das pessoas nas histórias em quadrinhos de domingo."
 
Barlett também afirmou que a criatura tinha grandes olhos alaranjados e um corpo sem pêlos, com o que parecia ser uma epiderme áspera com textura e uma barriga dilatada. Ele ainda esclareceu que o 'animal' possuía mãos e pés grandes, com dedos alongados, com os quais, Barlett afirmou que a criatura usava para agarrar as pedras soltas ao longo da parede. Mais tarde Barlett desenhou a coisa ao lado da parede e anotou na ilustração:
"Eu Bill Barlett juro sobre uma pilha de Bíblias, de que eu vi essa criatura."
 

Outra pessoa vê a criatura 2 horas depois

 
Como se essa narrativa não fosse fascinante o suficiente, apenas duas horas depois - e cerca de um quilômetro de distância - John Baxter de 15 anos de idade, viu o que ele descreveu como a figura de uma criança se movendo em direção a ele, enquanto caminhava solitário pela estrada, a caminho da casa da sua namorada. Quando a figura notou a Baxter, aparentemente, ela fugiu para as matas próximas da estrada.
 
Baxter, temendo pelo bem-estar do que ele pensou ser um menino do bairro, infelizmente, deformado, perseguiu o enigmático ser através do conjunto denso de árvores, ao longo de um riacho raso e através de um campo. Não demorou muito para Baxter perdê-lo de vista e finalmente, deteve-se na margem de uma vala rasa para recuperar o fôlego.
 
De acordo com seu próprio relato, foi então que Baxter teve a sua primeira visão clara da criatura, que estava supostamente encostada em uma árvore sobre a abertura. Baxter descreveu mais tarde os seguintes momentos angustiantes:
 
"Como eu estava lá olhando muito perto, eu pude ver os seus olhos que estavam olhando para mim. Eu apenas fixei o olhar naquilo por mais alguns minutos, e então eu tive todos aqueles pensamentos de que talvez fosse algo realmente estranho. Porque, nunca aconteceu nada assim comigo antes, então eu não sabia o que pensar. 
 
Então, finalmente eu tive o pensamento de que talvez não fosse tão seguro quanto parecia, porque a forma como aquilo estava olhando para mim, ou parecia que estava - Eu não sei. Eu tive todos aqueles sentimentos de que aquilo estava pensando consigo mesmo, ou esperando para saltar, ou o que quer que fosse, entende? E assim eu recuei da margem de modo rápido, e meu coração começou a bater muito rápido! "
 
 
Baxter, deixou a floresta em pânico, desenhou o animal naquela noite e mais tarde descreveu a criatura às autoridades, dando uma descrição que combinava com o relato de Barlett até o último detalhe, incluindo os enormes olhos alaranjados. Baxter insistiu que ele havia relatado seu encontro sem qualquer conhecimento prévio do avistamento de Barlett.
 
 

Outro Encontro na Noite Seguinte

 
O terceiro e último encontro que os moradores de Dover teriam tido com essa criatura, ocorreu na noite seguinte, quando a coisa foi vista por Abby Brabham de 15 anos e Will Taintor de 18 anos de idade. Eles alegaram que a criatura em questão era magra e estava sentada sobre quatro patas ao lado da estrada, perto da borda de uma ponte. Brabham comparou a besta com um primata de cabeça bulbosa e sem pêlos:
 
"Quando olhei para aquilo, me pareceu por um minuto ser como um macaco. Então eu olhei para a cabeça que era muito grande e tambem muito estranha. Aquilo tinha olhos verdes brilhantes e os olhos brilhavam como se estivessem apenas olhando exatamente para mim. "
 
 

Investigação

 
 
Quase todas as testemunhas oculares foram questionadas (separadamente, é claro) para esboçar a criatura que haviam visto. Os resultados foram surpreendentes para dizer o mínimo. A única discrepância entre os relatos de Brabham e Taintor, com aqueles que foram dados na noite anterior, foi o fato de que Brabham insistiu que os olhos da criatura não eram cor de laranja, como descrito anteriormente, mas verdes.
 
Alguns pesquisadores têm apontado que a luz que reflete dos olhos de um animal (especialmente faróis), muitas vezes criam todo um espectro de matizes e que esta pequena diferença, de forma alguma desvaloriza o relato das testemunhas.
 
Este é um problema enfrentado pelos investigadores do SKUNK APE, que frequentemente, precisam contar com os depoimentos prestados por motoristas que passam por essas criaturas, na calada da noite.
 
Quase tão logo a notícia deste acontecimento foi relatado, o investigador LOREN COLEMAN, Ed Fogg e Walter N. Webb, desceram na região, a fim de recolher o máximo de provas possíveis. Todos os três investigadores chegaram à conclusão de que não havia nenhuma evidência de ser uma farsa:
 
''Temos um caso credível, com mais de 25 horas de relatos por pessoas que viram alguma coisa. Nada como o 'Demônio de Dover' parece ter sido relatado antes ou depois. A criatura de Dover não corresponde às descrições do chupacabras, ou dos alienígenas de Roswell. A criatura não se encaixa em nenhum lugar.  É extremamente original, não possuindo conexões reais com quaisquer outros fenômenos inexplicáveis. Eu acho que o mistério de o 'Demônio de Dover' vive. ''
 
O resumo de todo o evento por Coleman:
 
"A curta história, é que durante um período de dois dias, em abril de 1977, quatro pessoas viram uma criatura pequena, de 4 patas com pele de tubarão alaranjada em três aparições separadas, em Dover, Massachusetts, zona rural perto de Boston. 
 
O caso ficou como inexplicável. Eu não sei a resposta para 'o que realmente aconteceu', mas todas as testemunhas foram checadas e encontradas como credíveis pela aplicação da lei e de outras pessoas em Dover. "
 
 

Mas Afinal, o que é o Demônio de Dover?

 
Qual seria a identidade do Demônio de Dover, é difícil especular. Embora seja muitas vezes associado com ufologia - devido em grande parte ao fato de que a fisiologia de tais criaturas é vagamente semelhante à notória raça de extraterrestres comumente referidas como Greys - o fato é que não houve avistamentos de OVNIs na área naquele tempo. Dito isto, há um consenso entre a maioria dos investigadores de que essa entidade não identificada, fosse muito provavelmente um visitante de fora deste mundo.
 
Não importando o que essa criatura fosse ou não, este estranho caso tem intrigado criptozoólogos, ufólogos e investigadores "forteanos" por décadas. Agora firmemente arraigado no folclore paranormal, o Demônio de Dover se tornou um ícone.
 
 
Carl Sheridan, que era o chefe de polícia durante o agito do "demônio" e se lembra bem de todo o frenesi da mídia que o cercava, afirmou que as pessoas da região ainda não tem certeza do que fazer com este relato incomum:
 
''Essa coisa tem me assombrado por 29 anos. Eles eram bons garotos... Muito confiáveis. Só Deus sabe (o que viram) ... Eu ainda não sei. Coisas estranhas aconteceram. A coisa toda foi incomum.''