Arqueologia Proibida: manuscritos antigos teriam revelado que a Arca de Noé tinha a forma de pirâmide

O projeto ‘Leon Levy Dead Sea Scrolls Digital Library’ tem se dedicado a digitalizar e analisar milhares de pequenos fragmentos dos manuscritos do Mar Morto.
 
 
 
Para isso, foi utilizada uma tecnologia de visualização que registra detalhes textuais impossíveis de ver a olho nu. Depois de concluir a varredura, foi feita uma interpretação preliminar que está rendendo mais do que informações interessantes.
 
Os resultados foram anunciados em um simpósio internacional, e entre eles está uma referência à arca de Noé descrevendo-a como um vaso em forma de pirâmide, o que sem dúvida gerará polêmica entre os estudiosos da Bíblia.
 
Há mais de 50 anos, uma pedra atirada por um pastor beduíno em uma caverna levou a uma das descobertas arqueológicas mais importantes do século XX.
 
O beduíno ouviu como a pedra quebrou um jarro de barro e ao entrar para investigar, ele encontrou o primeiro daqueles conhecidos como Manuscritos do Mar Morto, cerca de 800 manuscritos dos quais um quarto são cópias de partes do texto hebraico da Bíblia.
 
 
Atualmente, um laboratório estabelecido pela Autoridade de Antiguidades de Israel como parte do projeto "Biblioteca Digital de Manuscritos do Mar Morto de Leon Levy", digitalizou milhares de fragmentos desses manuscritos.
 
Cada um deles foi fotografado 28 vezes em alta resolução usando diferentes niveis de onda de luz, permitindo aos pesquisadores ler letras e palavras que antes eram ilegíveis.
 
Portanto, muitos desses fragmentos ofereceram novas interpretações de histórias bíblicas conhecidas. Entre eles está o entendimento que tivemos sobre a Arca de Noé.
 
 
Graças às imagens de alta resolução, foi possível decifrar uma palavra que até agora era ilegível "altura da arca", que significaria "reunida".
 
Isso, na interpretação, se refere ao fato de que as 'costelas' da arca estavam unidas no topo, formando uma pirâmide.
 
Algo que já foi encontrado em fontes antigas como a 'Septuaginta', uma tradução grega da Bíblia do século 3 aC. que usa um verbo com significado semelhante para descrever a Arca em forma de pirâmide.
 
O trabalho de digitalização continuará e espera-se que os pergaminhos do Mar Morto ainda revelem muitos segredos, sobretudo informações históricas altamente relevantes sobre o que aconteceu há 2.000 anos naquela região.