Inexplicável: Cinco relatos impressionantes de crianças que relembram suas vidas passadas

Embora algumas ciências se oponham a essa crença, os depoimentos das crianças podem eliminar quaisquer dúvidas ou ceticismo em relação ao assunto.
 
 
 
Durante anos, cientistas e pesquisadores tentaram provar a existência da reencarnação. Muitas pessoas afirmam ter tido vidas passadas e se lembram de algumas coisas delas. Apesar do ceticismo em relação ao assunto, as coisas mudam quando se trata de crianças...
 
Décadas de estudos, análises e pesquisas levaram a pensar sobre a possibilidade de que a reencarnação seja real. Que o ser humano, ao morrer, de uma forma ou de outra, inicia um novo ciclo de vida, como mandam algumas religiões.
 
Embora algumas ciências se oponham a essa crença, os depoimentos das crianças podem eliminar quaisquer dúvidas ou ceticismo em relação ao assunto. Isso é o que Jim Tucker diz.
 
O psiquiatra da Universidade da Virgínia publicou com a universidade um estudo de vidas passadas de crianças que ele realizou por 45 anos completos.
 
Tucker diz que as crianças geralmente descrevem vidas recentes e comuns, com detalhes suficientes, de uma pessoa específica que faleceu.
 
Pode-se acreditar ou não na reencarnação, mas os seguintes relatos nos farão pelo menos pensar:
 
Caso Ryan Hammons
 
 
Ryan Hammons, desde que aprendeu a falar, disse uma frase que surpreendeu muito seus pais; "Quero ir pra casa". 
 
Acontece que ele queria ser levado para Hollywood, dizendo que ali era sua casa. Aos 4 anos começou a ter pesadelos frequentes e, aos 5, garantiu que "era outra pessoa".
 
Foi lá que ele começou a compartilhar detalhes de sua suposta vida passada. Detalhes impossíveis de serem inventados por uma criança.
 
Sua mãe contatou Tucker para estudar o caso. Durante a investigação, sua equipe conseguiu rastrear um ex-arquivista de Hollywood que identificou a "pessoa", ou vida, a que Ryan estava se referindo.
 
O nome era Marty Martyn. Após investigação, foi constatado que ele havia vivenciado coisas que estavam em perfeita concordância com as histórias do menino.
 
Caso Sam Taylor
 
 
Jim Tucker garante que o caso de Sam Taylor é algo especial. Com pouco mais de um ano de vida e apenas começando a falar, ele começou a contar anedotas de uma vida passada.
 
Com um ano e meio de idade, disse ao pai, enquanto trocava a fralda, que "quando ele tinha a idade dele, eu trocava as fraldas dele". Ele começou a falar como se fosse seu avô.
 
Ele contou coisas sobre a vida de seu avô que muitas pessoas desconheciam e apenas as mais próximas sabiam. Uma dessas anedotas é, sem dúvida, o assassinato da irmã de seu avô.
 
Ele também se lembrou de como sua avó usara um processador de alimentos para fazer smoothies para seu avô até que ele faleceu. Algo que nem mesmo seus filhos sabiam.
 
Caso Barbro Karlén
 
 
 
Nascida na Suíça em 1954, ela se lembra de uma vida anterior como a própria Anne Frank, a vítima judia do Holocausto e autora de um dos livros de maior sucesso de todos os tempos.
 
Barbro garantiu que durante sua infância teve pesadelos muito fortes e, a partir dos 2 anos, começou a comentar com os pais que seu nome não era Barbro, mas Ana.
 
Ambos os adultos estavam obviamente céticos. Na verdade, eles se preocuparam a ponto de querer levá-la aos especialistas. No entanto, as descrições muito precisas e vívidas da menina sobre a vida de Anne Frank começaram a mudar sua percepção.
 
Aos 10 anos seus pais puderam levá-la para a famosa casa de Anne Frank. Lá, a garota estava muito animada; Mesmo sem ter percorrido todo o local, ela começou a explicar a todos cada detalhe, decoração, fotos. Na verdade, ela percebeu que alguns detalhes da casa haviam sido alterados.
 
Caso Chanai Choomalaiwong
 
 
Com apenas 3 anos de idade, este pequeno tailandês começou a ter memórias de uma vida passada como Bua Kai Lawnak, um professor que foi assassinado enquanto se dirigia a escola onde trabalhava.
 
O jovem Chanai pediu à avó que o levasse para visitar os pais do professor, dando-lhe o endereço exato, segundo Tucker.
 
O jovem guiou sua avó até a casa de um casal mais velho, que ele imediatamente reconheceu como os pais de Bua Kai Lawnak.
 
É necessário ressaltar que o assassinato do professor ocorreu anos antes do nascimento da criança. Além disso, ele nasceu com duas marcas, uma nas costas e outra na frente da cabeça, exatamente onde as balas que acabaram com a vida de Lawnak o acertaram.
 
Caso James Leininger
 
 
Originário da Louisiana, o jovem, como todos os casos anteriores, começou a ter pesadelos com um acidente de avião e um avião em chamas.
 
Aos 4 anos, ele começou a contar histórias altamente detalhadas sobre um piloto que foi abatido na ilha japonesa de Iwo Jima durante a Segunda Guerra Mundial.
 
 
Surpresos, eles começaram a ouvir mais histórias contadas de seu filho, até que descobriram que seu filho estava recontando passagens da vida de James Huston, um piloto que serviu na Segunda Guerra Mundial a bordo do USS Natoma Bay até sua morte.
 
James, com a habilidade de desenhar, desenhou cenas sobre as batalhas aéreas contra os japoneses, além de ser capaz de identificar vários companheiros que serviram ao seu lado.