Os Gigantes do Antigo Egito: Um Legado Perdido dos Faraós..

Gigantes no Egito.. Evidencias incríveis!!
 
 
 
Como os humanos moveram blocos de toneladas de peso ao construir as pirâmides? Essa e outras questões levram muitos teórico a questionar a existência de gigantes no Antigo Egito.
 
A história levou a pensar muitas vezes que os governantes do antigo Kemet não eram seres humanos comuns: Crânios alongados, outros descritos como seres quase espirituais e outros como gigantes. 
 
Representação de um gigante em Saqqara
 
 
terceira dinastia foi responsável pela construção da Pirâmide Escalonada de Saqqara, construída com outros templos do complexo.
 
Djoser, que estava encarregado de enterrar Khasekhemui, governou Saqqara durante a construção da pirâmide.
 
Dentro desse complexo era possível observar a pintura de um gigante que claramente parecia ter um crânio alongado.
 
No entanto, isso pode ser uma representação de esqueletos que foram escavados na década de 1930 de indivíduos com crânios grandes (ou alongados).
 
Cemitério de Milhões de Múmias e o esqueleto de mais de 2 metros..
 
 
 
Fag el-Gamous é um cemitério próximo a uma pirâmide que tem sido explorada por arqueólogos da Universidade Brigham Young nos últimos 30 anos.
 
O número de enterros em um lugar tão pequeno levantou muitas questões, especialmente porque a pirâmide é mais antiga que o cemitério.
 
Quem eram e por que foram enterrados permanece um mistério e levou a várias hipóteses diversas. Da mesma forma, é impossível investigar novamente já que os arqueólogos que estavam trabalhando nele tiveram sua licença revogada sem motivo aparente.
 
Muitos dizem que a escavação foi interrompida porque descobriram o corpo de um gigante e estavam revelando informações.
 
Gigantes na arte egípcia
 
 
A arte egípcia tem muitas referências do seu dia a dia; de guerras a simples refeições familiares. É por isso que não é surpreendente que, se eles representavam gigantes neles, é porque viviam com eles.
 
Além da arte, segundo vários pesquisadores, os caixões gigantes são a prova mais confiável de sua existência.
 
No Serepeum Saqqara existem 25 caixões feitos de granito e diorito pesando até 70 toneladas cada e neles touros Apis mumificados foram selados como parte de algum culto antigo.
 
 Isso levou à especulação de que esses caixões pertenceram a gigantes. Da mesma forma, outro grande sarcófago foi encontrado, que se encontra sob o planalto de Gizé, em um lugar chamado "poço de Osíris" (Tumba).
 
 
É parcialmente coberto por água e raramente é visitado ou fotografado. O caixão da alabarda de Seti I tem 2,84 metros de comprimento..
 
O Templo de Ísis
 
Em 1895 e 1896, os jornais mundiais publicaram uma estranha história sobre uma fotografia do Templo de Ísis.
 
A primeira vez que o artigo apareceu foi no Cinturão de Prata do Arizona sob o título "Gigantes egípcios pré-históricos".
 
O artigo dizia o seguinte:
 
 “Em 1881, quando o professor Timmerman saiu para explorar as ruínas de um antigo templo de Ísis nas margens do Nilo, 16 milhas abaixo de Najar Djfard, ele abriu uma fileira de tumbas nas quais alguma raça pré-histórica de gigantes havia sido enterrada. O menor esqueleto de cerca de 60 esqueletos, que foi examinado durante o tempo em que Timmerman estava escavando em Najar Djfard, media 2,10 metros de comprimento e o maior, onze metros e meio. As lápides foram descobertas em grande número, mas não houve registro que sequer sugerisse quem eram. Acredita-se que as tumbas datem de 1043 aC. "
 
Eram os gigantes "Seguidores de Hórus"?
 
Os Seguidores de Hórus, que teriam criado o monte primordial em Gizé, muito antes de os Faraós construírem as primeiras pirâmides, às vezes são registrados como gigantes. As primeiras escavações arqueológicas no Egito apontam para essa realidade:
 
“No final do IV milênio aC, o povo conhecido como os Discípulos de Hórus aparece como uma aristocracia altamente dominante que governava todo o Egito. A teoria da existência desta raça é apoiada pela descoberta nos túmulos Predinásticos, na parte norte do Alto Egito, de vestígios anatômicos de indivíduos com crânios e constituição maiores que os da população nativa (...).
 
 
O professor Walter B. Emery (1903-1971) foi o egiptólogo que escavou Saqqara na década de 1930 e descobriu vestígios pré-dinásticos lá. Estes tinham crânios dolicocéfalos, maiores do que os do grupo étnico local, cabelos louros e constituição mais alta e pesada. 
 
 
Emery anunciou que esse estoque não era nativo do Egito, mas havia desempenhado um importante papel sacerdotal e governamental no país. Este grupo manteve distância das pessoas comuns, misturando-se apenas com as classes aristocráticas e era considerado parte do Shemsu Hor, os "discípulos (ou seguidores) de Horus".
 
O autor Freddy Silva também descobriu uma descrição tentadora desses "deuses gigantes" nos Textos de Prédios de Edfu:
 
"O conselho para iniciados no templo de Edfu oferece um vislumbre de como os deuses construtores podem ter se parecido, uma vez que os iniciados foram instruídos a" levantar-se com os Ahau "('Deuses que se levantam') que mediam 9 côvados de altura. Isso é aproximadamente 15 pés ou 4,6 metros! ”