Estudo confirma enormes construções feitas pela civilização maia... São mais de 60.000 edificações

 
 
Pesquisadores da Universidade de Tulane, nos EUA, documentando a descoberta de dezenas de cidades antigas no norte da Guatemala através do uso da tecnologia LiDAR (detecção e variação de luz) que penetra na selva, publicaram seus resultados na prestigiosa revista Science.
 
O artigo inclui o trabalho de Marcello Canuto, diretor do Middle American Research Institute em Tulane, e Francisco Estrada-Belli, professor assistente de pesquisa em Tulane e diretor do Projeto Arqueológico Holmul desde 2000. Eles trabalharam com o professor assistente de antropologia Thomas Garrison da Faculdade Ithaca, assim como outros estudiosos, para fazerem suas descobertas na floresta de Petén, na Guatemala.
 
Um consórcio de 18 acadêmicos das instituições americanas, europeias e guatemaltecas, incluindo o Ministério da Cultura e Esportes, foi capacitado pela Fundação PACUNAM (Heritage Mayan and Nature Foundation) para analisar dados que cobrem mais de 2.100 quilômetros quadrados da Reserva da Biosfera Maia.
 
Canuto disse:
 
Como a tecnologia LiDAR é capaz de perfurar densamente a cobertura da floresta e mapear recursos na superfície da Terra, ela pode ser usada para produzir mapas de solo que nos permitam identificar recursos feitos pelo homem no solo, como paredes, estradas ou edifícios.
 
A PACIAM LiDAR INITIATIVE (PLI), é a maior pesquisa individual sobre o assunto na história da arqueologia mesoamericana. O esforço científico colaborativo forneceu dados quantitativos refinados de alcance sem precedentes, para refinar os debates de longa data sobre a natureza do antigo urbanismo maia das terras baixas. Especificamente, as principais identificações deste estudo são:
 
*61.480 estruturas antigas na região pesquisada, resultando em uma população estimada de 7 a 11 milhões na altura do período clássico tardio ( 650-800 d.C.). As estruturas incluem casas isoladas, grandes palácios, centros cerimoniais e pirâmides.
 
 
*362 quilômetros quadrados de terraços ou terrenos agrícolas, modificados, e outros 952 quilômetros quadrados de terra viável, demonstrando uma paisagem fortemente modificada para a agricultura intensiva necessária para sustentar as populações em massa durante muitos séculos.
 
*106 quilômetros quadrados de estradas dentro e entre os centros urbanos e numerosas e consideráveis ​​plataformas defensivas. Esse investimento substancial em infra-estrutura destaca a interconectividade das cidades e do interior, bem como a escala da guerra maia.
 
 
 
Ambos Canuto e Estrada-Belli notaram que as descobertas foram feitas em questão de minutos, comparado com o que levaria anos de trabalho de campo sem a tecnologia LiDAR.
 
Estrada-Belli disse:
 
Visto como um todo, os terraços e canais de irrigação, reservatórios, fortificações e caminhos revelam uma incrível quantidade de modificações feitas pelos maias em toda a paisagem, em uma escala inimaginável…
 

 

Fonte\Fonte