Estrela que pode explodir em breve seria capaz de iluminar o céu terrestre por semanas

 
 
A comunidade científica acompanha de perto o errático comportamento da estrela Betelgeuse, categorizada como uma supergigante vermelha. Trata-se de um astro que esgotou seu combustível interior e que por isso cresceu até alcançar enormes dimensões. Suas características, somadas ao seu estado evolutivo, dão a entender que ela poderia explodir a qualquer momento, espetáculo que seria visto da Terra por mais de duas semanas. 
 
Recentemente, os astrônomos detectaram que a Betelgeuse, que supera os 8,5 milhões de anos de vida, está perdendo brilho de maneira acelerada, a tal ponto que deixou o posto número 9 entre as estrelas mais brilhantes do firmamento e passou a ser a número 23.  "Vamos continuar a monitorar a estrela. Se ela continuar a seguir esses padrões, deve atingir o mínimo de luz em breve", disse Edward Guinan, professor do Departamento de Astronomia e Astrofísica da Universidade Villanova.
 
Se Betelgeuse (que é 700 vezes maior do que o nosso Sol) não demonstrar uma recuperação na intensidade de seu brilho, ela será candidata a se transformar em uma próxima supernova. A explosão estelar poderia ser avistada da Terra, inclusive em plena luz do dia, e iluminaria o céu durante pelo menos 15 dias.  Estrelas se transformam em supernovas quando estão no final de suas vidas e ficam sem combustível depois de milhões de anos. Quando isso acontece, elas implodem, entrando em colapso sob sua própria força gravitacional até que explodam de forma espetacular.
 
 
A última ocorrência de uma supernova visível a olho nu foi em 1604, quando a estrela de Kepler morreu. Sua explosão produziu uma luz brilhante que pôde ser vista durante o dia por três semanas.