Especialistas acreditam ter decifrado sinal de origem alienígena!! Um alerta e uma aviso para o futuro da humanidade..

 
 
 Em relação a um programa para a busca de civilizações alienigenas e a decodificação do sinal cósmico ‘Wow!’, especialistas em tópicos a respeito de contatos extraterrestres, Yuri Grigoryev e Anna Azhazha, disseram à editora-chefe do 'Pravda.ru', Inna Novikova, como lidar com o assunto alienígena.
 
Entrevista
 
– Você criou um programa para buscar civilizações extraterrestres. Conte-nos, por favor...
 
Anna Azhazha: O programa de busca de civilizações extraterrestres não foi criado por nós, mas pelos EUA. Em Nova Iorque, está em curso um programa de astrofísica relacionado ao SETI que procura seriamente sinais do espaço. Aproximadamente 400 sinais foram recebidos nos últimos tempos, mas o SETI não conseguiu descriptografá-los…
 
O sinal mais intrigante foi recebido nos EUA em 1977 – é o ‘Wow!’. Utilizando criptografia, descobrimos seu significado:
 
– Aviso de uma catástrofe global iminente
– Uma dica de que o nível de inteligência humana ainda não corresponde ao contato com uma civilização mais desenvolvida.
 
– O sinal ‘Wow!’ é bastante pequeno. Como poderia obter tanta informação?
 
Yuri Grigoryev: Usando criptografia de um pequeno volume, você pode retirar muitas informações (informações arquivadas). Além disso, as informações já disponíveis estavam vinculadas a esse sinal.
 
A principal mensagem foi a de que a humanidade está sendo testada por sua capacidade de manter contato. Naturalmente, em 1977 os terráqueos não passaram neste desafio. Desde então, o sinal não foi descriptografado.
 
Só conseguimos fazer isso em 2010. A descriptografia ainda está em andamento, mas a mensagem principal é conhecida: um teste para a capacidade de comunicação e um aviso sobre um desastre iminente..
 
– Quem recebeu esse sinal, onde foi gravado e onde está localizado? Com o que se parece? São ondas de rádio ou algo mais?
 
Anna Azhazha: Sim, ondas. Os cientistas acreditam que o sinal era da constelação de Sagitário, ou seja, do centro de nossa galáxia.
 
 
Yuri Grigoryev: O sinal foi recebido usando um radiotelescópio no Observatório da Universidade de Ohio. Agora há um museu desse sinal. O filme “Contato” foi feito sobre esse assunto com base no romance de Carl Sagan, que participou do envio de um sinal ao espaço em Arecibo em 1974.
 
A resposta veio em 1977, após apenas três anos. Quando apresentamos nosso trabalho em uma conferência científica, nossos colegas duvidaram dos resultados de nosso estudo, porque os cientistas acreditam que uma resposta deveria ocorrer em nada menos que 50 mil anos.
 
– Nos tempos soviéticos, os cientistas estavam envolvidos em desenvolvimentos secretos sobre o tópico dos UFOs. Embora, é claro, essas informações não tenham sido anunciadas de forma oficial. E na Rússia de hoje ninguém está lidando com esse problema?
 
Anna Azhazha: Nos anos 60, foram criados institutos de pesquisa após o interesse em questões espaciais. Nosso pai, fundador da ufologia soviética, Vladimir Azhazha, costumava falar em institutos físicos.
 
Nos anos 90, o centro OVNI foi criado, chefiado por Vladimir Azhazha. Meu pai tinha laços estreitos com os militares soviéticos: naval, forças terrestres, defesa aérea. Chegaram a ele sacos de cartas de toda a União e de outros países, neles as pessoas conversavam sobre encontros com OVNIs. Era uma questão de discos e bolas, que influenciavam os impulsos eletromagnéticos da tecnologia da Terra, podiam parar os motores das máquinas, influenciar a consciência humana. 
 
Nos anos 90, foram publicados livros sobre essas reuniões, conferências foram realizadas, mas não tiveram sucesso, e o tema OVNI foi transferido para o gênero mitológico.
 
De fato, tudo o que ocorre no planeta, inclusive essa séria questão de saude, tem uma raiz na raiz – a falta de contato completo com mundos extraterrestres. Representantes de outra civilização estão tentando entrar em contato conosco, mas não estamos abrindo a porta. Eles, por sua vez, não podem abri-la à força.
 
– Como podemos fazer contato e abrir a porta? Como podemos dar uma resposta?
 
Yuri Grigoryev: Em 1974, cientistas do Observatório de Arecibo enviaram um sinal de rádio à constelação de Hércules com informações sobre uma pessoa, a Terra, a tecnologia – esse era um pedido como “se alguém estiver lá, responda”.
 
 
Três anos depois, a resposta veio. É lógico que agora uma resposta é esperada de nós. Ao mesmo tempo, representantes de outra civilização estão assistindo como reagimos: eles nos veem ao vivo. E não fazemos nada, continuamos a chamá-los de homenzinhos verdes, rimos e brincamos sobre isso.