Arqueologia Proibida: Construção artificial de 200.000 anos encontrada em Oklahoma..

Em 1969, trabalhadores de uma construção civil em Oklahoma encontraram uma estrutura que muitos autores dizem que poderia reescrever a nossa história. A equipe de trabalhadores descobriu os restos de uma estrutura de 200.000 anos. O jornal de Oklahoma cobriu a história em 1969, criando um debate acalorado entre especialistas.
 
 
 
O "Old Tile Floor" de Oklahoma poderia reescrever a história não apenas da América do Norte, mas também de todo o planeta? De acordo com uma reportagem de jornal publicada em 1969, a estrutura encontrada pelos trabalhadores da construção civil em Oklahoma data de aproximadamente 200.000 anos.
 
Em quase todos os cantos do mundo, pesquisadores e arqueólogos se deparam com coisas que não conseguem explicar. Uma dessas descobertas foi feita em Oklahoma, em 1969, quando um arqueólogo encontrou o que é descrito como "um enorme piso de mosaico com buracos estranhos".
 
 
Logo surgiram perguntas e os cientistas iniciaram um grande debate. Quantos anos tinha o piso? É artificial ou é uma formação natural?
 
Apareceram muitas perguntas que os cientistas não conseguiram responder, alguns especulando que o piso enigmático foi datado de impressionantes 200.000 anos. Muitos estavam absolutamente convencidos de que o piso de cerâmica era o resultado de uma construção artificial, mas, quem poderia tê-lo criado? E se o solo enigmático for o único remanescente de uma estrutura muito maior?
 
Vamos ver todos os detalhes ... Obviamente, a parte mais assustadora da descoberta é a idade da estrutura. As primeiras menções à descoberta enigmática datam de "The Oklahoman", o maior jornal de Oklahoma.
 
Em junho de 1969, "The Oklahoman" escreveu: "Em 27 de junho de 1969, trabalhadores que nivelavam uma prateleira de rochas (...) descobriram uma formação rochosa que causou muita controvérsia entre as autoridades investigadoras. O local parecia ter um piso de mosaico incorporado."
 
"Tenho certeza de que isso foi feito pelo homem, porque as pedras foram colocadas em conjuntos perfeitos de linhas paralelas que se cruzam para formar um diamante, todas apontando para o leste", disse Durwood Pate, geólogo de Oklahoma City que estudou o sítio arqueologico.
 
“Encontramos buracos de postes que medem duas hastes perfeitas. O topo da pedra é muito liso (...). Tudo está muito bem colocado para ser uma formação natural ".
 
O Dr. Robert Bell, arqueólogo da Universidade de Oklahoma, expressou sua opinião de que a descoberta era uma formação natural. Bell disse que não podia ver nenhuma evidência de sinais de argamassa. Mas Pate, por outro lado, conseguiu distinguir um tipo de lama ou argamassa entre cada pedra. Delbert Smith, geólogo, presidente da 'Oklahoma Seismograph Company', disse que a formação, que foi descoberta a cerca de 0,9 metros abaixo da superfície, parecia cobrir vários milhares de metros quadrados.
 
 
 
"O Tulsa World (jornal) citou Smith dizendo: 'Não há dúvida sobre isso. Foi colocado lá, mas não tenho idéia de quem.'"
 
Segundo o jornal, Delbert Smith, presidente da Oklahoma Seismograph Co. e ex-presidente da Sociedade Geofísica da Cidade de Oklahoma, e Durwood Pate, geólogo independente do petróleo, foram ao local para estudar a área e colher amostras.
 
"Estou convencido de que não é uma formação natural e que foi feita pelo homem", disse Smith mais tarde.
 
Delbert Smith resumiu o mistério sobre o piso de cerâmica ao jornal (Tulsa World), em 29 de junho de 1969: “Sem dúvida. Foi colocado lá, mas não tenho ideia de quem. Existem opiniões diferentes quanto à geologia envolvida, mas a melhor estimativa coloca os ladrilhos em 200.000 anos".
 
Em 1º de julho de 1969, 'The Oklahoman' relatou sobre a descoberta de um segundo buraco através dos estratos rochosos. As medições revelaram que os dois orifícios tinham exatamente 16,5 pés de distância, ou precisamente uma haste. Segundo Pate, a rocha é calcária do Permiano ligada a grãos de quartzo.
 
Dois dias depois, em 3 de julho, 'The Oklahoman' continuou sua cobertura e relatou que os arqueólogos descobriram um antigo martelo de pedra no local.
 
"O mistério de uma formação dolomítica de calcário desenterrada entre Oklahoma City e Edmond foi agravada na quarta-feira pela descoberta de um objeto no local que lembra um martelo de pedra. Geólogos que concentraram sua atenção na formação incomum não conseguiram explicar a origem da formação ou do artefato. John M. Ware, geólogo de Oklahoma City, disse: "Simplesmente não pode ser explicado no campo da geologia - precisamos de um arqueólogo para dar uma opinião final"....
 
No entanto, sua idade e origem podem permanecer um mistério, a menos que um arqueólogo possa ser persuadido a assumir o projeto em breve. Outro ponto intrigante sobre a rocha é que ela contém depósitos marinhos, indicando que ela já foi colocada no oceano.
 
 
 
No entanto, existem outras coisas curiosas que foram encontradas em Oklahoma. Uma dessas coisas foi descoberta em 1912 em uma mina em Wilburton, Oklahoma, por Frank J. Kennard; se trata de um copo de ferro embutido em um pedaço de carvão com 300 milhões de anos. Kennard, que trabalhava na Benton Co em 1948, disse: 
 
“Enquanto trabalhava na Usina Municipal de Thomas, Oklahoma em 1912, me deparei com um sólido pedaço de carvão que era grande demais para ser usado. Eu quebrei com um martelo. Esta panela de ferro caiu do centro, deixando o molde de impressão da panela na peça de carvão. Jim Stall (funcionário da empresa) testemunhou a quebra do carvão e viu a panela cair. Encontrei a fonte do carvão e descobri que ele vinha das minas de Wilburton, Oklahoma. ”
 
O carvão que se originou das minas de Wilburton, Oklahoma, foi estimado em aproximadamente 300 milhões de anos.

 

Fonte\Fonte\Fonte