UKU PACHA; Antigas construções subterrâneas de origem desconhecida...

 
 
Embora as origens do Império Inca não pareçam representar muitos mistérios, com crônicas perfeitamente documentadas, existem certas histórias dos chamados tempos míticos, com dados nem sempre esclarecidos, e que geralmente são deixados de lado, marcados como meras lendas.
 
Um desses casos é pressuposto pelo chamado mundo subterraneo, tema recorrente em nossos artigos.
 
Uku Pacha - O Reino Interior 
 
Quando, muitos anos atrás, fui apresentado ao mistério do submundo andino, imediatamente soube que estava tocando em um segredo de grande importância e misterio.
 
Demorei a entender que, para enfrentar um enigma dessa natureza, precisava trabalhar certas qualidades, como a paciência. 
 
Na cosmogonia inca, o conceito de mundo subterraneo recebe outra conotação, a de Uku Pacha, apresentando o termo, "como o mundo dos mortos, dos não nascidos e de tudo o que se encontra sob a superfície terrestre ou aquática".
 
Segundo o dicionário Runasimi (Quechua), 'Uku' admite várias outras interpretações, como profundo, abaixo, oco, interior e parte interna.
 
Uku também é descrito como um sinônimo do corpo humano. A Pacha, por outro lado, engloba espaço e tempo. Também se refere ao oculto, misterioso e secreto. Também faz alusão à Terra. Vemos que após a união de Uku e Pacha se evoca uma realidade mais profunda emoldurada pela espiritualidade, sede de uma antiga tradição primordial, e por sua vez paralela a uma realidade viva, que analisaremos.
 
Ambos coexistem e se entrelaçam... Outro ponto necessário para atender, já que como admite a cosmovisão inca antiga, o mundo aparece dividido em quatro regiões: Hakak Pacha (mundo além), Hanan Pacha (o mundo acima, ou celestial), Kay Pacha (o mundo daqui, ou terrestre) e o Uku Pacha (subterrâneo ou mundo inferior).
 
Cada uma dessas quatro linhas imaginárias constitui o coração do Tahuantinsuyo, uma geografia sagrada que governou os destinos incas, e onde se esconde um segredo de grande importância para nosso estudo.
 
 
Uku Pacha (Mundo Inferior) se liga com o Kay Pacha (Mundo Terrestre), através de cavernas, lagos, fontes e qualquer abertura da crosta terrestre. O Uku Pacha é geralmente simbolizado por uma serpente alada e que o ocultismo registra como homens-cobra.
 
Levando em conta o que foi afirmado na passagem anterior, podemos avançar no enigma a ser discutido. Explicamos a existência de um mundo espiritual corporificado no Uku Pacha, mas também dissemos que ele oculta outras mensagens, aquela que indica sua intermediação entre os mundos celestial e terrestre.
 
Essas vias de comunicação ou passagens para aquele outro lado (portais), funcionariam através da pedra e das artérias subaquáticas, onde o elemento aquoso também desempenha um papel importante.
 
Sob esses acessos existiriam passagens, mais conhecidas como túneis, e que outrora teriam servido de refúgio após, segundo crônicas antigas, um terrivel cataclismo ocorrido no passado, e cujos efeitos devastadores estavam prestes a fazer desaparecer a vida em todo o planeta..
 
Sobre esses túneis, muito se tem discutido e várias interpretações surgem. Existem hipóteses que promulgam que estes acessos internos são obra da natureza, outras sugerem, pelo contrário, sendo obra de uma humanidade milenar ou mesmo extraterrestre..
 
Algumas referências:
 
Em 'A Mensagem do Sol', o estudioso bolivariano Guillermo Lange Loma, é quem dá essas primeiras pistas
 
Ele escreve:
 
“Desta forma estão muitos povos distantes uns dos outros, que se lembram ou são enviados do céu para conformar e salvar o Povo Eleito. Conformar-se pela difusão e prática de um saber esquecido como La Puerta del Sol de Tiahuanaco e o Lago Titicaca, e salvar quem o pôs em prática para ser digno do refúgio ou Paucartambo, palavra que se traduz como refúgio dos escolhidos , do precioso, do delicado, do belo, do agradável ”.
 
Joseph Acosta , membro da Companhia de Jesus, em História Natural e Moral das Índias (século 16), relata o seguinte. 
 
“Da grande lagoa do Titicaca veio Wiracocha , que fez sede em Tiahuanaco , onde hoje se vêem ruínas, e pedaços de construções antigas e muito estranhas, e que dali vieram para Cuzco , e assim a raça humana se multiplicou. Eles mostram uma ilhota na mesma lagoa onde fingem que ele se escondeu e observou o sol, e por isso fizeram muitos sacrifícios não só de ovelhas, mas também de homens. Outros dizem que de uma certa caverna, seis ou não sei quantos homens saíram de uma janela, e que estes começaram a propagação dos homens, e por isso chamam Pacaritampo”.
 
“Fingindo que alguns vieram de si próprios e outros da Lagoa do Titicaca , de onde escaparam do Dilúvio , o Criador do Mundo os trouxe pelas cavernas da Terra até saírem por aquela caverna do Pacaritampu , que com as sementes de milho, e outras para seu sustento, que o Criador lhes deu, partiram para o vale de Cuzco.
 
O Inca Garcilaso de la Vega , em seus famosos Comentários Reais, acrescenta sua posição sobre o assunto, demonstrando certa desconfiança na versão recolhida.
 
 “Dizem que no começo do mundo quatro homens e quatro mulheres, todos irmãos, saíram por algumas janelas de umas pedras que ficavam perto de uma cidade chamada Paucartampu , e que saíram pela janela do meio, dessas são três, que eles chamaram de janela real ”.
 
 
Esta janela real mencionada por Garcilaso, conforme inferido por Guillermo Lange Loma, ligaria à janela de uma arca ou refúgio, uma esplêndida abertura, seria nada menos que o Lago Titicaca, que durante o Dilúvio protegeu os Fundadores do Mundo, aqueles que, de acordo com Lange, são os "Iniciados do Círculo Interno da Humanidade". 

 

Fonte site: Ancient Code