É encontrada uma nova Esfinge enterrada no Egito

07/08/2018 09:27

As autoridades explicaram que a estátua está localizado abaixo da superfície, e tem a forma de um leão e a cabeça de um humano, parecendo ser similar em desenho à Grande Esfinge. de Gizé

 
 
Outra descoberta extremamente interessante foi feita no Egito.
 
Durante a reparação de uma estrada na cidade egípcia de Luxor, trabalhadores da construção civil descobriram o que parece ser uma estátua completamente nova de uma Esfinge localizada abaixo da superfície, disse o chefe do Departamento de Antiguidades, Mohamed Abdel Aziz. De acordo com o site Youm7, a estrada sob a qual a estátua da Esfinge foi descoberta conecta os templos de Karnak e Luxor. Embora ainda pouco ou nenhuma informação a respeito da descoberta esteja disponível, as autoridades explicaram que a estátua está localizado abaixo da superfície, e tem a forma de um leão e a cabeça de um humano, parecendo ser similar em desenho à Grande Esfinge. de Gizé.
 
No entanto, a esfinge recém-descoberta não verá luz tão cedo.
 
Como observado pelos especialistas, os trabalhos de escavação não serão feitos às pressas, a fim de evitar possíveis danos à antiga estátua. Todas as precauções necessárias para preservar a estátua localizada abaixo da superfície serão tomadas pelos arqueólogos.
 
A Grande Esfinge de Gizé é considerada uma maravilha antiga não apenas por causa de seu tamanho e desenho confuso, mas por causa dos incontáveis ​​mistérios que cercam esta estrutura antiga.
 
Juntamente com as três pirâmides, a Grande Esfinge encontrada no planalto de Gizé – a cerca de 500 km do local onde a nova estátua foi encontrada – é um dos monumentos mais emblemáticos do Egito. Ela é também um dos mais controversos, uma vez que tanto a idade da Esfinge como a sua forma misteriosa e a sua cabeça humana têm sido objecto de intensos debates entre especialistas há décadas.
 
 
A Grande Esfinge de Gizé foi curiosamente também descoberta quase completamente enterrada sob a areia.
 
Foi em 1817, quando a primeira escavação arqueológica moderna, liderada por Giovanni Battista Caviglia, conseguiu desenterrar completamente o peito da Esfinge.
 
Este monumento antigo conquistou a imaginação de não apenas arqueólogos, mas também de cientistas e turistas que visitaram esta antiga estátua desde tempos imemoriais.