Civilizações Avançadas: Os misteriosos Chachapoyas ou Guerreiros das Nuvens e suas impressionantes estruturas

 

 

Uma das antigas culturas dos Andes peruanos foram os Chachapoyas, ou "Guerreiros das Nuvens". Seu território ocupava boa parte do vale do rio Utcubamba, dispersando-se ao sul até o rio Abiseo próximo à cidadela de Gran Pajatén. Esta comunidade deixou um grande número de monumentos de pedra e outras construções que permitem um vislumbre de seu modo de vida.
 
Os Chachapoyas e seu legado
 
Os Chachapoyas foram nomeados assim pelos Incas, que conquistaram o território dos Chachapoyas no final do século XV. Este nome significa "Povo das Nuvens" e se refere ao fato de que essa cultura se estabeleceu nas florestas tropicais cobertas de nuvens.
 
Nessas terras inóspitas, os Chachapoyas construíram cidades e edifícios de natureza cultural e religiosa. Grandes monumentos de pedra, cidadelas e paredes permitem-nos apreciar o nível de desenvolvimento presente na cultura e o seu caráter trabalhador. Um desses lugares remotos é conhecido pelo nome de Kuelap e foi descoberto sessenta anos antes do famoso Machu Pichu.
 
O estilo de vida autônomo e completamente isolado dos Chachapoyas é certamente a razão pela qual muitos desconhecem sua existência. Mas quando olhamos de perto seus assentamentos, percebemos seu rico legado. Sua cultura e religião ainda persistem em pequenas comunidades e cidades.
 
Um olhar mais atento sobre a cultura dos Chachapoyas
 
Um dos sítios arqueológicos mais fascinantes que permite ver de perto a cultura dos Chachapoyas é sem dúvida o Gran Pajatén. Nesta cidadela foram descobertas cerca de 26 estruturas circulares de pedra, conectadas por um conjunto de terraços e escadas.
 
Os edifícios circulares são habilmente decorados com frisos e altas paredes defensivas. A grande habilidade de seus construtores em construir em áreas de difícil acesso ainda deixa os visitantes impressionados. Você também pode visitar a Laguna de Los Cóndores que está localizada a uma altitude de 2.600 metros acima do nível do mar.
 
A Fortaleza Kuelap, uma obra de engenharia primitiva
 
Um dos edifícios mais surpreendentes que os Chachapoyas construíram foi chamado de La Fortaleza Kuelap. As paredes desta cidadela têm quase 600 metros de comprimento. Algumas das pedras usadas na construção pesam até 3 toneladas.
 
 
O que é mais surpreendente sobre este e outros edifícios é a enorme capacidade de seus construtores de trabalhar em grandes alturas. Eles até ergueram estruturas em plataformas e inclinações. Além de grande habilidade, foi preciso muita coragem e nervos de aço para chegar lá com a intenção de construir.
 
Seus costumes funerários
 
Um dos edifícios mais famosos dos Chachapoyas está diretamente relacionado aos seus costumes fúnebres. Estas são as tumbas dos antigos "Sabios", localizadas em um sítio arqueológico chamado Carajía cerca de 60 quilômetros a nordeste da cidade de Chachapoyas, Luya, Peru.
 
 
Os seis sarcófagos de pedra, com 2,5 metros de altura, estão dispostos no topo de uma superfície muito estreita e de difícil acesso. A área é projetada sobre uma falésia de calcário, onde existem confortáveis ​​sarcófagos sem membros e grandes cabeças. Eles lembram bastante os monumentos monolíticos da Ilha de Páscoa.
 
Seu respeito e veneração por seus ancestrais podem ser vistos nos ornamentos e detalhes dos sarcófagos. Alguns são embelezados com chifres de veado e outros são incrustados com crânios humanos.
 
O símbolo do Condor e da Serpente em ziguezague
 
 
Os Chachapoyas adoravam cobras, cujo símbolo era uma serpente em forma de ziguezague. Este desenho é considerado o mais difundido em toda a cultura, e aparece em várias gravuras de seus edifícios e utensílios. Por sua vez, o Condor era o deus principal, embora haja historiadores que insistem que foram os Incas que introduziram o Condor como um deus entre os Chachapoyas.
 
Uma cultura extraordinária com costumes e estilos de vida muito particulares, onde o trabalho árduo e a convivência pacífica eram comuns. Eles certamente continuarão a surpreender aqueles que dedicam tempo para mergulhar em seu grande legado.