Ex-militar fala sobre OVNIs: Tinha 60 metros de altura, e uns 30 metros de largura

No documento eles são claros em dizer que não existe nenhuma explicação para isso; que os objetos são uma ameaça e exigem maiores esforços de identificação e interceptação.

 

 

Por 8 anos, Luis Elizondo liderou o programa secreto de OVNIs para o exercito dos EUA. Agora ele faz parte de um grupo de elite de ex-membros do governo na qual a missão deles é mostrar toda a verdade sobre os OVNIs!!
 
Condado de Sheridan, Dakota do Norte..
 
Luis Elizondo (Ex-diretor do programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais): Hoje vou me encontrar com um ex-xerife, de uma pequena cidade em Dakota do Norte. O nome dele é Larry Gessner. Ele teve um encontro interessante há alguns anos atrás. O que eu acho que torna esse incidente interessante é que, ele é um ex-policial experiente, ele é um ex-militar e por fim tinha outras testemunhas. Não quero especular, mais parece que muitas coisas foram avistadas..
 
Larry Gessner serviu por 11 anos como especialista em armas na Base da Força Aérea de Minot, ele era o responsável por carregar armas nucleares em bombardeiros. Depois de se aposentar da Força Aérea ele se tornou xerife. 
 
Esta é a primeira vez que ele fala em publico sobre seu encontro com OVNIs. 
 
Larry Gessner (Ex-militar \ Ex-xerife): Eu esperei por 15 anos para poder contar este evento. 
 
Luis Elizondo (Ex-diretor do programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais): Me conte como tudo aconteceu!! 
 
Uma noite em 2003, ele e uma outra testemunha viram alguma coisa que não podiam explicar próximo ao quintal de sua casa.
 
Imagem tirado do History Channel, usada para ilustrar o caso.
 
Larry Gessner (Ex-militar \ Ex-xerife): Ele (o OVNI) estava indo direto para sudoeste. A coisa que mais me chamou atenção é que, ao invés de ter um plano horizontal de luzes, como o que veríamos em um avião, eram verticais. E eu fiquei pensando: "não faço nem ideia que avião é esse". Era confuso, eu só pensava que aquilo não fazia sentido. Quando se aproximou, as luzes ficaram mais distintas. Podíamos ver diferentes tipos. Quando o objeto ficou ainda mais perto, eu consegui ver que ele tinha janelas, e notei que tinha o formato de diamante. Ele então ficou parado, as luzes se apagaram, e surgiu um brilho branco, bem na parte traseira da nave, e de repente ele disparou em direção ao céu e sumiu em 1 segundo.
 
 
 
Luis Elizondo (Ex-diretor do programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais): Sabe o que parece um diamente para mim? O F 117, ele tem o formato de diamante.. Será que não foi isso que você observou?
 
Larry Gessner (Ex-militar \ Ex-xerife): Não. O tamanho dessa nave que observei provavelmente tinha uns 60 metros de altura, e uns 30 metros de largura. 
 
Luis Elizondo (Ex-diretor do programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais): Ok, então era algo de tamanho bem diferente..
 
Larry Gessner (Ex-militar \ Ex-xerife): Sim, isso mesmo. Não era um F 117.
 
Luis Elizondo (Ex-diretor do programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais): Segundo os dados que você me passou, o objeto estava indo na direção de Minot. 
 
 
Desde o começo da guerra fria, a Base da Força Aérea de Minot é um dos lugares com mais armas nucleares do mundo. Ela é a unica base americana que pode tanto lançar misseis nucleares quanto bombas nucleares de longa distancia. 
 
Luis Elizondo (Ex-diretor do programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais): Existe um monte de bases nucleares entre onde você esta (morando) e Minot, quer dizer acho que tem 30 ou 40, então tem muita coisa nuclear só nesses pontos
 
Esta não é a primeira vez que a investigação de Elizondo encontra uma ligação entre OVNIs e armas nucleares. 
 
Luis Elizondo (Ex-diretor do programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais): É comum ver OVNIs próximos de equipamentos nucleares americanos: Usinas nucleares, armas nucleares e tecnologia nuclear. Para mim parece claro que existe algum tipo de ligação. E se eu vejo algo que pode desativar nossa capacidade nuclear estratégica, eu tenho que considerar isso uma ameaça. 
 
Em seguida, Elizondo vai para Las Vegas para se encontrar com o jornalista investigativo George Knapp. Knapp descobriu documentos que podem relevar uma ligação entre os avistamentos de OVNIs e o arsenal nuclear americano. 
 
Knapp usou a lei de acesso a informação para solicitar documentos ao departamento de defesa e energia. Ele também entrevistou testemunhas oculares do governo. 
 
Luis Elizondo (Ex-diretor do programa avançado de identificação de ameaças aeroespaciais): Se existe alguém que pode ser capaz de esclarecer isso e me ajudar a entender melhor essa ligação é você..
 
 
Durante os anos 50 a Força Aérea detonou mais de 100 bombas atômicas em testes de superfície no deserto de Nevada... 
 
George Knapp (Jornalista Investigativo): Eu falei com mais de uma dezena de pessoas que trabalharam no centro de testes (de bombas atômicas) e que falaram que OVNIs eram muito comuns. Havia funcionários designados para monitorar as atividades de OVNIs enquanto ocorriam os testes. As vezes eles apareciam antes dos testes, muitas vezes apareciam depois dos testes assim como durante os testes. Todas as instalações nucleares tiveram incidentes com OVNIs. No documento eles são claros em dizer que não existe nenhuma explicação doméstica; que os objetos são uma ameaça e exigem maiores esforços de identificação e interceptação. Pense nessa situação, nas instalações onde começamos a desenvolver e a fazer armas nucleares havia OVNIs, nas instalações onde testávamos essas armas avistaram OVNIs, nas bases em que instalávamos estas armas, nos navios, nos submarinos nucleares e em todos esses lugares, todos que trabalham neles viram OVNIs.. Será que todas essas pessoas imaginaram isso?
 
Fonte: History Channel - ÓVNIS: INVESTIGAÇÃO SECRETA - Alienígenas e armas nucleares