Arqueologia Proibida: O vaso gigante de 2.400 anos!!

Este achado levantou inúmeras questões. Até hoje, pouca ou nenhuma informação sobre o enorme vaso ou outros artefatos semelhantes foi disponibilizada para o publico

 

 

É um dos artefatos unicos escavados pelos arqueólogos, não muito longe das famosas linhas de Nazca e dos famosos crânios de Paracas, no Peru.
 
Em 27 de outubro de 1966, o Museu Regional de Ica encontrou um objeto incrivel de proporções inacreditaveis: um vaso enorme, até então o maior vaso pré-hispânico encontrado no Peru.
 
As dimensões do vaso de argila queimada eram de 2 metros de diâmetro, 2,8 metros de altura...
 
Dentro os arqueólogos encontraram sementes de feijão, mandioca, lucuma e goiabas. Não foram encontrados restos de possiveis fornos nas proximidades, razão pela qual os arqueólogos acreditam que o vaso gigante tenha sido transportado no passado distante, cerca de 2.400 anos atrás, de outro lugar para onde foi originalmente descoberto.
 
O vaso de barro gigante foi descoberta na região de Paracas, no Peru, no vale do Pisco.
 
Único, duradouro e de proporções nunca antes vistas, este achado levantou inúmeras questões. Até hoje, pouca ou nenhuma informação sobre o enorme vaso ou outros artefatos semelhantes foi disponibilizada para o publico, forçando-nos a pensar mais sobre a região em que o vaso foi encontrado.
 
"Paracas, Ica, Nazca"
 
O titulo acima (Paracas, Ica, Nazca) menciona três nomes que, se você conhece alguma coisa sobre a história antiga do Peru, sem duvida deve acender uma luz de alerta em sua cabeça.
 
Paracas
 
A cultura Paracas era uma cultura andina antiga que existia no Peru há cerca de 2.100 anos, desenvolvendo um amplo conhecimento em irrigação, gerenciamento de água, produção têxtil e artefatos de cerâmica. 
 
Eles são famosos principalmente pela deformação craniana artificial, pela qual as cabeças de bebês foram alongadas e deformadas, produzindo crânios bem alongados e com certeza únicos.
 
Nazca
 
Nazca é talvez a mais famosa. Lar das incriveis Linhas de Nazca, essa região é uma das mais famosas do Peru. 
 
As Linhas de Nazca são um grupo de geoglifos maciços esculpidos no deserto de Nazca, no sul do Peru. Provavelmente criadas por volta de 500 a.C., as enormes linhas cobrem um comprimento combinado de 1.300 km.
 
O vaso de barro
 
 
O Museu Regional de Ica descreve claramente o vaso de argila como um pote de celeiro; um objeto dentro do qual os povos antigos armazenariam sementes ou alimentos.
 
É o maior encontrado no Peru, mas não é necessariamente o único. Datado de 2.400 anos, o enorme pote foi produzido por volta de 400 a.C.. Se dermos uma olhada na divisão introduzida pelo arqueólogo peruano Julio C. Tello, O ENORME vaso de barro foi feito durante o período da necrópole de Paracas, que durou entre 500 a.C. e 200 d.C..
 
O período Paracas-Necrópole recebeu esse nome pelo fato de seus cemitérios retangulares, descobertos em Warikayan, serem divididos em vários compartimentos ou câmaras subterrâneas, que para Julio C. Tello remontaram uma ‘cidade dos mortos’ (ou necrópole). Cada câmara grande teria sido propriedade de uma família ou clã, que enterrou seus ancestrais por muitas gerações.
 
Se o vaso de barro se originou de Warikayan, que era um grande assentamento antigo, ou de um assentamento próximo, permanece uma questão sem resposta. Como objetos de proporções semelhantes não foram encontrados na região, os arqueólogos acreditam que o antigo recipiente de argila foi trazido até onde foi encontrado no passado distante, talvez como um comércio ou um presente de assentamentos vizinhos.
 
Antes de ser deixado, sabemos que, era usado pelos antigos para armazenar alimentos. Sabemos que foi produzido inteiramente de argila. Seu tamanho incomum sugere que quem quer que o construiu queria armazenar grandes quantidades de material.
 
O gigante vaso de argila Ica é um dos artefatos mais interessantes, porém menos conhecidos. Isso é uma prova que há mais na região do que as pedras de Ica, as linhas de Nazca e os estranhos crânios de Paracas. Também nos diz que artefatos incríveis ainda podem permanecer enterrados sob nossos pés, escondidos da história, enterrados por milhares de anos e esperando serem escavados e restaurados à sua antiga glória.