Alienígenas do Passado: Linguagem usada pelos deuses??

 
 
 
Segundo os estudiosos antigos, haveria uma linguagem (agora esquecida) para se comunicar com os anjos vindos do céu, e eles a chamavam: 'Enochiano'.
 
Será que existiam outros planos com seres que habitavam eles? E, se assim fosse, a comunicação poderia ser estabelecida com eles?  Existem pessoas capazes de entrar em contato com seres ou entidades de outros planos ou dimensões? 
 
Isso é precisamente o que alguns ocultistas declararam ao longo da história e, apesar de, em última análise, não podermos ter certeza, há algumas informações que valem a pena ser pesquisadas. 
 
 
Este é o caso da suposta linguagem perdida dos anjos que foi compilada pelos ocultistas John Dee e Edward Kelley no século XVI, que lhe deu o nome "Enochiano" (ou Enoquiano), pois, de acordo com o que eles indicaram, a língua lhes foi transmitida pelos anjos a quem eles chamavam de anjos enochianos e o patriarca bíblico Enoch foi o último homem que conseguiu falar.
 
 
Mas... como eles conseguiram essa informação intrigante? Registraram que realizavam práticas relacionadas ao mundo do espiritualismo, utilizando técnicas como a 'cristaloscopia', que consiste em fixar o olhar em um objeto feito de material reflexivo e, para isso, acima de tudo, usavam um espelho de obsidiana, assim, invocando as entidades, eles tiveram revelações claras sobre o que lhes foi transmitido, mantendo um registro disso em seus diários.
 
Como eles relataram, eles obtiveram uma linguagem com um alfabeto composto por 21 símbolos nos quais cada um correspondia a um fonema e cuja escrita era realizada da direita para a esquerda.
 
Língua esquecida nos tempos antigos
 
Mas essas entidades, como observaram, indicaram mais detalhes sobre a história do Enochiano, por exemplo, que essa era a linguagem com a qual Deus criou o mundo e também a que Adão usou para se comunicar com seu criador e com seus anjos, mas que, após a expulsão do Éden e até o evento da confusão das línguas da Torre de Babel, a língua evoluiu gradualmente até se derivar ao que seria finalmente o hebraico e foi deliberadamente escondida por esses anjos, para que acabasse perdida.
 
 
Mas, além de tudo isso, os ocultistas disseram que haviam recebido mais informações adquirindo tabelas de letras enochianas, e chaves ou 'chamadas' capazes de abrir o que denominavam de "as portas do entendimento", que totalizariam 49, embora recebessem apenas 48 dessas invocações porque havia uma que sempre deveria permanecer fechada.
 
 
Obviamente, as alegações de Dee e Kelley têm muitos detratores, como o lingüista e antropólogo Donald Laycock, que estudou a língua, indicando que ela era inconsistente, mais semelhante ao inglês (a língua materna dos ocultistas) do que ao hebraico, entre outras coisas.
 
Caberá então ao leitor emitir sua própria avaliação, pois, nesse tipo de questão, no final depende de acreditar ou não no que os ocultistas em questão se referem...