Alienígenas do Passado: Não apenas uma, mas varias múmias alienígenas teriam sido encontradas no Egito Antigo por pesquisadores e ocultados da população por arqueólogos egípcios...

02/10/2018 09:07

Uma inspeção mais aprofundada da câmara teria revelado pistas sobre a identidade de seu ocupante milenar, quando os arqueólogos encontraram um rolo de papiro. De acordo com inscrições hieroglíficas no pergaminho, a criatura era de fato um mensageiro extraterrestre que havia chegado ao Egito antigo, durante o reinado do faraó Khufu.

 
 
Na edição de março de 2000 da revista egípcia Rose al-Yūsuf, um artigo estranho teria anunciado uma descoberta sem precedentes.
 
Como diz o artigo, no ano de 1988, um egiptólogo francês chamado Louis Caparat estava explorando o interior da Grande Pirâmide, quando descobriu acidentalmente uma câmara secreta. A sala fora lacrada logo após a conclusão da pirâmide, há mais de 4.500 anos, e continha “uma caixa transparente cristalina”.
 
Aparentemente, o caixa cristalina servia de suporte à vida de um pequeno alienígena humanoide, ou híbrido humano-alienígena, que, segundo ele, estava em hibernação ou em um estágio de animação suspensa. A descoberta de uma câmara anteriormente desconhecida dentro da Grande Pirâmide parece intrigante, mas encontrar um alienígena real dentro dela seria um evento extraordinário.
 
Uma inspeção mais aprofundada da câmara teria revelado pistas sobre a identidade de seu ocupante milenar, quando os arqueólogos encontraram um rolo de papiro. De acordo com inscrições hieroglíficas no pergaminho, a criatura era de fato um mensageiro extraterrestre que havia chegado ao Egito antigo, durante o reinado do faraó Khufu.
 
Sua missão era anunciar a chegada de seus irmãos, que expressaram seu interesse pelo povo egípcio.
 
 
Aparentemente, o Faraó manteve o visitante em alta consideração, uma vez que o papiro alegou que a Grande Pirâmide foi realmente construída como um receptáculo para a cápsula de cristal contendo o pequeno humanóide.
 
O fato do sistema de suporte à vida ainda funcionar após milhares de anos sustenta a teoria de que as pirâmides foram construídas com o auxílio de tecnologia alienígena avançada, e também dá crédito à ideia de que as pirâmides agiam como receptores de energia.
 
Logo após sua descoberta, Caparat chamou seu amigo e colega, o biólogo F. de Braga, que estava na Espanha naquela época. Ele embarcou no próximo avião para o Cairo, na esperança de obter amostras de sangue, tecido e DNA do alienígena que estava hibernando. Mas quando seu avião pousou, Braga foi prontamente enviado de volta a Madri pelas autoridades egípcias. O alienígena e seu caixão de cristal foram finalmente confiscados pelo Serviço de Investigações de Segurança do Estado e levados para um local não revelado, e é onde a trilha termina.
 
Nenhuma outra menção de Caparat ou das câmaras secretas é feita e o Egito não ofereceu nenhuma declaração oficial sobre este episódio.
 
Mas este não é o primeiro nem o único incidente quando um corpo decididamente não humano foi encontrado em uma pirâmide.
 
Segundo a lenda, o primeiro homem a invadir a Grande Pirâmide de Gizé foi um poderoso califa chamado Abdullah al-Ma’mun, filho de Harun al-Rashid. Em 813 d.C., depois de semanas de árdua perfuração manual, sua equipe de trabalhadores egípcios contratados rompeu vários blocos de granito e chegaram a uma câmara funerária que continha os restos de um alienígena humanóide. O alienígena teria sido enterrado com grande respeito e estava cercado por itens preciosos.
 
Outra múmia misteriosa de um ser sobrenatural foi supostamente descoberta em uma pequena pirâmide em El-Lahun, ao sul do túmulo do Faraó Senusret II. Como conta a história, Viktor Lubek, professor aposentado da Universidade da Pensilvânia, fez essa descoberta em 1997, mas há muito pouca informação disponível.
 
A múmia era de uma criatura frágil, medindo cerca de 1,5 metro de comprimento. Ela havia sido enterrada com honras especiais, e vários objetos intrigantes foram encontrados dentro do túmulo.
 
De acordo com um artigo publicado em uma edição de 2003 da Weekly World News:
 
"A múmia data de 1880 a.C., e é humanoide, mas não claramente humana. Não está claro o seu sexo, mas sabemos que tem uma pele semelhante a reptilianos, sem orelhas e com o grandes olhos amendoados."
 
Inscrições dentro do túmulo diziam que a múmia pertencia a um ser importante que havia sido nomeado conselheiro do rei. Seu nome era Osirunet, ‘estrela significante – ou enviado pelos céus’.
 
O corpo de Osirunet tinha sido preservado de uma maneira muito incomum, e estava coberto por envoltórios de linho e uma mistura de argila e ouro.
 
 
Quanto aos objetos desconhecidos encontrados dentro da pirâmide, eles foram descritos como “dispositivos feitos de um material resistente do tipo sintético, que ninguém foi capaz de identificar, e os usos desses estranhos itens semelhantes a máquinas são um completo mistério”.
 
 
 
Essa descoberta foi particularmente perturbadora para muitos oficiais egípcios, os quais insistiram em permanecer em segredo até que uma explicação plausível fosse encontrada. A múmia foi supostamente levada para a Flórida, para uma análise profunda, mas essa foi a última vez que alguém ouviu falar de Osirunet.
 
Um incidente semelhante envolveu um dedo mumificado de 38 centímetros, descoberto em 1988.
 
Mesmo que essas histórias pareçam absurdas ou ofereçam poucas evidências para sustentar suas alegações, ao considerar o quadro maior apresentado pelos muitos mistérios do Egito, elas parecem possíveis . Alguns diriam improváveis, mas possíveis.
 
Quando (e se) os antigos egípcios construíram as Pirâmides de Gizé, eles exibiram grandes habilidades de engenharia, matemáticas e astronômicas e podemos facilmente ver como a magnificência e a precisão de seus monumentos poderiam ser atribuídas à influência externa.
 
Mas, no final, você poderia dizer que tudo é realmente uma questão de perspectiva.