Algo desconhecido estava cruzando os céus em 16 de dezembro de 1742!!

 
Quatrocentos anos atrás aproximadamente, nenhum veículo voador como o conhecemos estava presente no céu por tecnologia humana, e ainda assim, algum tipo de OVNI (objeto voador de origem desconhecida) apareceu de repente e pairou sobre o Lago Robozero, na Rússia, em 1663 por uma hora e meia.....
 
O fenômeno OVNI não é algo moderno ou recente. Foram achados após pesquisas inúmeros exemplos de misteriosos objetos voadores não identificados relatados nos tempos antigos, e podemos mostrar alguns deles.
 
Avistamentos de OVNIs antigos
 
 
Um avistamento ufológico ocorreu durante a noite de 24 de setembro de 1235, no Japão. Enquanto o General Yoritsume e seu exército estavam acampados, eles avistaram luzes não identificadas de origem desconhecida no céu. As luzes foram vistas no sudoeste por muitas horas, voando, circulando e movendo-se em loops. (Jacques Vallée, Passaporte para Magonia)
 
Em 1361, outro objeto voador descrito como tendo “a forma de um tambor, com cerca de seis metros de diâmetro” ascendeu do mar interior do oeste do Japão, e um objeto escuro, que fez um “som como o de uma roda”, voou do Monte Kasuga em direção ao oeste à meia-noite.
 
Outro avistamento muito interessante ocorreu na primeira hora da noite de 4 de novembro de 1322 d.C.:
 
"Foi visto no céu sobre Uxbridge, Inglaterra, uma pilha (coluna) de fogo do tamanho de um pequeno barco, pálido e lívido na cor. Ele surgiu do sul, cruzou o céu com um movimento lento e foi para o norte. Na frente da pilha, uma ardente chama vermelha irrompeu com grandes raios de luz. Sua velocidade aumentou e ele voou pelo ar…"
 
Em 85 a.C, o historiador romano Plínio mencionou um “escudo em chamas espalhando faíscas pelo céu”. e em 398 d.C., no Império Bizantino, as pessoas observaram:
 
"Se trata de uma coisa como um globo em chamas, apresentando uma espada; brilhava intensamente no céu sobre a cidade. Parecia quase tocar a terra desde o zênite."
 
Um avistamento em 16 de dezembro de 1742, Inglaterra:
 
Uma chama leve foi virada para trás pela resistência do ar feita a ela. De uma das extremidades, ele emitiu um brilho intenso e fogo como o de carvão em brasa.
 
Em 1º de novembro de 1461 d.C., uma coisa ígnea como uma barra de ferro de bom comprimento e tão grande quanto a metade da Lua foi vista no céu, sobre Arras, França, por menos de um quarto de hora. Este objeto também foi descrito como tendo a “forma de uma nave da qual o fogo foi visto fluindo”. Jacques Vallee escreveu em seu “UFO’s in Space: Anatomy of a Phenomenon“, e o mesmo fez Harold T. Wilkins em seu “Flying Saucers on the Attack“.
 
Estranho avistamento de OVNIs em 1742
 
Um estranho avistamento de um objeto voador não identificado ocorreu na Inglaterra, na quinta-feira, 16 de dezembro de 1742, por volta das 20h40. Uma testemunha – um membro da Royal Society em Londres – estava voltando para casa de uma reunião quando de repente avistou uma luz misteriosa surgindo de trás das árvores e casas. Sua experiência aconteceu nas proximidades do Middle of the Parade no St. James’s Park.
 
A testemunha assinou como CM e seu nome real permanece desconhecido, provavelmente porque ele queria evitar o ridículo por parte dos membros da Royal Society. Quase três séculos atrás, a ovnilogia e avistamentos de objetos voadores não identificados não eram assuntos para discussões públicas...
 
No entanto, a questão ainda permanece: quem e o que poderia atravessar o céu em 1742?
 
O objeto misterioso (a testemunha descreveu este objeto voador desconhecido como “celestial”) era muito grande, brilhante e se movia lentamente. Algum tipo de chama saía de suas costas e tinha uma moldura em uma das extremidades, “como faixas de ferro”, conforme descrito pela testemunha:
 
"Quando eu estava voltando para casa da Royal Society para Westminster na terça-feira, 16 de dezembro de 1742, às 20h40, estando mais ou menos no Middle of the Parade no St. James’s Park, observei uma luz surgir por trás das árvores e casas no ponto 'S.' pelo 'O.', que considerei a princípio um grande foguete celeste; mas quando atingiu a altura de cerca de 20 graus, fez um movimento quase paralelo ao horizonte, mas ondulou dessa maneira e seguiu para o 'N.' pelo ponto 'L.' sobre as casas.
 
"Parecia estar muito perto, que pensei que passou pela Praça da Rainha, a ilha do Parque, cruzou o Canal e o perdi de vista no Haymarket. Seu movimento era tão lento que eu o tive mais de meio minuto em vista; e, portanto, tive tempo suficiente para contemplar sua aparência por completo." (imagem e descrição abaixo)
 
 
" “A” parecia ser uma chama leve, voltando-se para trás com a resistência que o ar fazia a ela. “BB”, um carvão em brasa brilhante, semelhante a um fogo, encerrado por assim dizer em uma caixa aberta, cuja moldura “CCC” era bastante opaca, como faixas de ferro. Em “D” saiu um trem ou cauda de chama leve, mais brilhante em “D”, e brilhando gradualmente mais fraca em “E”, de modo a ser transparente em mais da metade de seu comprimento."