A Biblioteca de Alexandria: perda do conhecimento original da humanidade

A Biblioteca de Alexandria era conhecida nos tempos antigos como o centro do conhecimento humano...
 
 
 
Considerada como um todo a "Biblioteca Universal" do mundo antigo. Chegou a abrigar mais de 900.000 manuscritos que foram destruídos por uma série de desastres e guerras. Pensa-se que todo o conhecimento científico dos gregos se tenha perdido. Alguns pesquisadores dizem que sua destruição foi proposital.
 
"A Biblioteca de Alexandria (em grego clássico: Βιβλιοθήκη τῆς Ἀλεξάνδρειας; em latim: Bibliotheca Alexandrina) foi uma das mais significativas e célebres bibliotecas e um dos maiores centros de produção do conhecimento na Antiguidade. Estabelecida durante o século III a.C. no complexo palaciano da cidade de Alexandria, no Reino Ptolemaico do Antigo Egito, a Biblioteca fazia parte de uma instituição de pesquisa chamada Mouseion."
 
Biblioteca de Alexandria: biblioteca universal de conhecimentos originais
 
O museu era um centro de culto com santuários para cada uma das nove musas, mas também funcionava como um local de estudo com áreas de leitura, laboratórios, observatórios e habitações. Alexandria era uma cidade cultural e um centro de pesquisa científica.
 
Entre suas áreas estavam: retórica, direito, épico, tragédia, comédia, poesia lírica, história, medicina, matemática e ciências naturais. Acredita-se que todo o trabalho da Grécia Antiga tenha estado lá, incluindo os trabalhos de Homero, Sócrates, Platão e até a coleção particular (supostamente) de Aristóteles.
 
 
Mais de 100 acadêmicos se mantinham no Museu, realizando pesquisas científicas, publicando, traduzindo e compilando manuscritos de todo o mundo: da Grécia, Egito, Assíria, Pérsia, Israel, budista, hindu, etc. Eruditos gregos, como Platão, Heródoto, Teofrasto ou Eudoxo de Cnido, foram a Alexandria para pesquisar.
 
Sua destruição foi planejada?
 
O infame incêndio foi causado por Júlio César, durante sua batalha em Alexandria. Embora o que poderia ter destruído completamente o local tenha sido uma série de desastres do segundo e terceiro século, como a Guerra de Kitos (115-117), na qual os rebeldes judeus destruíram boa parte da cidade.
 
O mais misterioso é que não foram encontrados restos arquitetônicos da Biblioteca de Alexandria. Segundo Helena Blavatsky, em seu livro Isis Unveiled, rabinos da Palestina e os chamados "homens sábios" disseram a ela que bibliotecários e centenas de escravos conseguiram salvar muitos dos manuscritos (e rolos).
 
Segundo o autor, Manly P. Hall, muitos desses livros que foram salvos teriam sido enterrados no Egito e na Índia. Ele também disse que eles (os livros) permaneceriam ocultos e que a humanidade ainda não iria descobrir "muitas das grandes verdades místicas". 
 
Esse conhecimento estaria relacionado a uma "continuidade dos mistérios pagãos do cristianismo". Para Hall, esses mistérios representam o verdadeiro cristianismo, inclusive mencionando que Jesus visitou a Grécia e a Índia.
 
Para o autor, Lucio Russo, grande parte da pesquisa científica dos gregos foi perdida. Por exemplo, conhecemos o nome de Posidonius, um polímata que estudou várias áreas da ciência, mas todo o seu trabalho também está perdido. Nem os escritos de Herófilo, fundador da medicina científica, nem de Ctesibius, inventor e engenheiro de Alexandria, foram encontrados.
 
 
Acredita-se que a Biblioteca de Alexandria tenha sido propositadamente destruída, para ocultar esse conhecimento, até para fazer algum tipo de "reinicio" dele. Talvez por causa de temas como astronomia e vida em outros planetas. Outro exemplo crucial é que quase todos os escritos de Hiparco de Nicéia ("pai da astronomia") estão perdidos até hoje.
 
Links das fontes usadas:
*https://www.ancient.eu/article/207/what-happened-to-the-great-library-at-alexandria/
*https://www.collective-evolution.com/2017/12/08/why-men-with-dark-intentions-destroyed-the-library-of-alexandria/
*https://history.stackexchange.com/questions/677/what-knowledge-may-have-been-lost-at-the-library-of-alexandria