Arqueologia Proibida: A antiga cultura mesoamericana conhecia o magnetismo e o usava em suas esculturas

Inexplicavel: Anormalidades magnéticas significativas foram descobertas em esculturas da Mesoamérica. E aparentemente isso foi feito intencionalmente por seus criadores.
 
 

A descrição mais antiga do magnetismo foi feita pelo filósofo grego Tales de Mileto no século VI aC, no entanto, agora evidências circunstanciais sugerem que os mesoamericanos o conheciam e o incorporaram em suas construções muitos séculos antes.
 
Por exemplo, uma barra magnetizada de aproximadamente 1400 anos foi desenterrada no local olmeca de San Lorenzo, no sul do México; outra anomalia magnética no focinho de uma escultura de animal em Izapa também parece ter sido deliberadamente incluída durante sua fabricação; e, finalmente, um forte magnetismo foi medido na superfície de um grande grupo de esculturas conhecidas como "cabeças grandes" e "barrigas de panela" em Monte Alto, Guatemala.
 
Décadas atrás (Malmström, 1997), o que chamou a atenção dos arqueólogos é que algumas esculturas de Monte Alto pareciam ter anomalias magnéticas nas mesmas áreas do corpo. No entanto, não houve uma investigação científica exaustiva das esculturas.
 
Isso mudou recentemente, quando um grupo de pesquisadores de Harvard, Yale e MIT, entre outras instituições, examinaram as esculturas com equipamentos de medição mais profissionais e precisos. 
 
Seus resultados, descritos em um artigo publicado no Journal of Archaeological Science, são surpreendentes: anormalidades magnéticas significativas foram descobertas em duas regiões particulares das esculturas. E aparentemente isso foi feito intencionalmente por seus criadores.
 
 
 
“Confirmamos observações anteriores de que as três cabeças colossais com anormalidades magnéticas exibem sinais mais altos na têmpora direita e nas áreas da bochecha. Da mesma forma, descobrimos que as esculturas de corpo inteiro têm um sinal magnético maior no umbigo - entre as pontas dos dedos das mãos que envolvem as partes mais arredondadas do abdômen - ", diz o artigo científico.
 
 
Mas há mais, as análises dos padrões indicaram que a magnetização foi "causada por uma corrente elétrica induzida por raios na superfície da rocha e antes da fabricação das esculturas".
 
Segundo os pesquisadores, "a colocação intencional de certas características anatômicas e regiões magnetizadas pré-existentes" implica que os escultores estavam cientes do magnetismo e que possuíam algum tipo de método e / ou ferramenta que lhes permitia detectar a presença de campos magnéticos anomalos
 
 
 
As medidas dos campos magnéticos nas esculturas mostraram que "as áreas anômalas eram suficientes para desviar visivelmente a agulha de uma bússola suspensa a 10 centímetros da superfície". Mas que ferramentas tecnológicas eles puderam usar nos tempos antigos?
 
Fonte: Daily Grail. \ Edição: Caçadores de Mistérios