É descoberto um 'oásis de vida' sob a plataforma de gelo "Ekström" da Antártica com vermes incomuns

21/12/2021

Uma equipe de cientistas descobriu o que eles chamam de "oásis da vida" de 6.000 anos sob a plataforma de gelo Ekström da Antártica. Entre as espécies encontradas estão animais musgos e vermes incomuns.

Nas profundezas das plataformas de gelo da Antártica, o meio ambiente é o mais hostil possível. Extremamente frio, perpetuamente escuro e com fontes de alimento quase inexistentes. Não é exatamente um lugar propício à vida, mesmo que a Terra seja o lar de algumas criaturas notavelmente resistentes que existem em todos os cantos do mundo.

Ainda assim, surpreendentemente, um grupo de cientistas descobriu 77 espécies que vivem lá, incluindo evidências de que esse "oásis de vida" remonta a cerca de 6.000 anos.

Entre as espécies encontradas estão animais musgos em forma de sabre e vermes incomuns, de acordo com pesquisadores na Alemanha.

Perfurando a plataforma de gelo Ekström da Antártica

Usando água quente, a equipe do Alfred Wegener Institute (AWI) perfurou dois buracos da plataforma de gelo de Ekström perto da Estação Neumayer III no sudeste do Mar de Weddell em 2018.

Apesar de estar a vários kms do mar aberto, a biodiversidade dos exemplares que coletaram era extremamente rica. Mais rico, na verdade, do que muitas amostras de águas abertas encontradas na plataforma continental, onde existem fontes de luz e alimentos.

Grande variedade de vida encontrada

Os fragmentos de vida coletados no fundo do mar foram extraordinários e completamente inesperados, disseram os pesquisadores.

Eles descobriram 77 espécies, incluindo briozoários em forma de sabre (animais musgosos), como Melicerita obliqua, e vermes em forma de serpente, como Paralaeospira sicula. O principal autor da pesquisa, Dr. David Barnes, biólogo marinho do British Antarctic Survey, disse em um comunicado:

"Esta descoberta de tanta vida vivendo nessas condições extremas é uma surpresa completa e nos lembra como a vida marinha da Antártica é tão única e especial. É surpreendente que tenhamos encontrado evidências de tantos tipos de animais, muitos dos quais se alimentam de microalgas (fitoplâncton), mas nenhuma planta ou alga pode viver neste ambiente. Portanto, a grande questão é como esses animais sobrevivem e prosperam aqui?"

A equipe concluiu que deve haver algas suficientes transportadas sob a plataforma de gelo de águas abertas para alimentar uma forte teia alimentar.

"Oásis de vida"

O co-autor do artigo, Dr. Gerhard Kuhn da AWI, que coordenou o projeto de perfuração, disse em um comunicado:

"Outra surpresa foi saber há quanto tempo ele existe aqui. A datação por carbono dos fragmentos mortos desses animais no fundo do mar variou dos dias atuais até 5.800 anos".

Portanto, apesar de estar a 3 a 9 km do mar aberto mais próximo, um oásis de vida pode ter existido continuamente por quase 6.000 anos sob a plataforma de gelo.

Kuhn adicionou:

"Apenas amostras do fundo do mar abaixo da plataforma de gelo flutuante nos contarão histórias de sua história passada."

Estudos anteriores encontraram alguns pequenos necrófagos e predadores móveis, como peixes, vermes, águas-vivas ou krill, nesses habitats extremos.

Os pesquisadores acrescentaram que, com as mudanças climáticas e o colapso dessas plataformas de gelo, o tempo está se esgotando para estudar e proteger esses ecossistemas.