Depois de ter sido esquecido por 150 anos, esqueleto completo de dinossauro 'ganha vida'!!

25/08/2021

Uma equipe de cientistas ingleses enfim desempacotou o primeiro esqueleto completo de dinossauro já encontrado e, depois de mais de 150 anos, os restos mortais foram devidamente estudados e registrados.

Traços previamente desconhecidos foram descobertos, além de dar a ele um novo lar na linha do tempo evolucionária.

Ascensão do primeiro lagarto terrível

Sir Richard Owen (1804 - 1892) foi um importante biólogo inglês, anatomista comparativo e paleontólogo que passou a vida inteira interpretando fósseis. Ele eventualmente auxiliou Benjamin Waterhouse Hawkins (1807 - 1894), o escultor inglês e historiador natural, na criação das primeiras esculturas em tamanho real representando esses seres pré-históricos.

Essas incríveis esculturas foram feitas para a Grande Exposição de 1851 no Crystal Palace de Londres e puderam ser observadas por mais de seis milhões de pessoas naquele ano. Foi realmente um grande sucesso!!

Lagartos Terríveis

A pesquisa de Owen rastreou várias semelhanças anatômicas entre répteis modernos e os esqueletos de criaturas antigas gigantes que estavam sendo escavadas na Inglaterra vitoriana, e foi ele quem publicou e divulgou o primeiro trabalho sobre répteis terrestres do Mesozóico, que chamou de 'Dinosauria', das palavras gregas "deinos", que significa" terrível, poderoso ou maravilhoso", e" sauros "que significa" lagarto ": traduzido diretamente para "Lagartos Terríveis".

A história do lagarto perdido

De acordo com um relatório do Science Daily, em 1850 James Harrison, dono de uma pedreira no oeste da Inglaterra, enviou para Richard Owen no Museu Britânico uma pedra curiosa que encontrou com a impressão de ossos fossilizados de uma perna e um crânio. Quando Owens concluiu seu estudo, ele anunciou ao mundo que os fósseis nesta pedra representavam o primeiro esqueleto de dinossauro praticamente completo já encontrado.

E por causa de suas pernas traseiras extremamente bem desenvolvidas em 1859, Owen chamou essa criatura ancestral de "Scelidosaurus", o "limb lizard".

Nas décadas seguintes fósseis de dinossauros muito maiores e mais interessantes foram descobertos, e o "limb lizard" de Owen caiu em relativa escuridão e tornou-se quase esquecido nos cofres do Museu de História Natural de Londres. Isso é, até agora...

Ressuscitando o primeiro esqueleto de dinossauro completo

Marcel Proust disse: "A verdadeira viagem de descoberta consiste, não em buscar novas paisagens, mas em ter novos olhos", e esse sentimento se aplica diretamente ao paleontólogo David Norman, do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Cambridge.

O professor Norman e sua equipe estudaram o esquecido espécime de dinossauro de Owen e um novo artigo detalha como o celidossauro viveu por volta de 194 milhões de anos atrás em regiões florestais que agora estão submersas no antigo mar britânico.

Os resultados desse incrível trabalho de Norman, publicados como quatro estudos separados no Zoological Journal of the Linnean Society of London, não apenas reconstroem a aparência do celidossauro em vida, mas demonstram que ele foi um dos primeiros ancestrais dos anquilossauros, os verdadeiros "tanques" blindados do período cretáceo tardio.

* O anquilossauro foi um dinossauro herbívoro que viveu durante o período Cretáceo, no território que corresponde hoje à América do Norte. .

A nova análise mostra que, o celidossauro era uma criatura de movimento relativamente lento, medindo cerca de 4 metros (13 pés) de comprimento, e todo o seu corpo estava protegido dentro de uma grossa 'caixa' de armadura, composta de pontas ósseas. Os dentes e a mandíbula da criatura indicavam que era um herbívoro que se alimentava principalmente de vegetação rasteira. E também foi descoberto que a criatura provavelmente ficava de pé nas patas traseiras para alcançar a folhagem baixa que crescia nas árvores, mas seus braços relativamente longos indicavam que ela tinha uma postura bastante quadrúpede.