A verdade sobre Nibiru: A casa dos antigos Anunnaki

01/12/2016 11:17

Diz-se que os antigos textos sumérios descrevem "deuses criadores" vindos de um planeta desconhecido chamado Nibiru, que entra e sai do nosso sistema solar em ciclos de 3.600 anos.

 
 
 
Atualmente, quando você pesquisa sobre Nibiru, você encontrará inúmeras alegações que detalham como um um dia o planeta maciço chamado 'Nibiru' colidirá com a Terra.
 
A verdade, no entanto, vai muito além disso. Segundo relatos Nibiru na astronomia babilônica é traduzido para  'Ponto de transição'.
 
Enquanto muitos novos sites relatam que Nibiru não é nada mais do que uma farsa, a verdade é que Nibiru é mencionado e descrito em detalhes na quinta tabua de argila do Enuma Elish.
 
Nibiru é mencionado no trabalho do controverso autor Zecharia Sitchin que tem reunido muita atenção entre ufólogos, teóricos da conspiração e teoricos do antigo astronauta.
 
De acordo com suas afirmações, através da interpretação dos antigos textos sumérios, há provas conclusivas de que a humanidade foi criada por uma avançada civilização alienígena de um planeta distante em nosso sistema solar chamado Nibiru.
 
No entanto, o trabalho de Sitchin em relação a Nibiru reside principalmente na interpretação astronômica do Enuma Elish, um antigo mito da criação. Sitchin substituiu os nomes dos deuses por planetas.
 
Então, por que as obras de Sitchin são bombardeadas por céticos? Bem, principalmente porque a evidência de Sitchin está em suas próprias traduções e não em interpretações acadêmicas concordadas. É por isso que a maior parte de seu trabalho - incluindo Nibiru - permanece como nada mais do que pseudociência.
 
Zecharia Sitchin descreveu Nibiru de acordo com a cosmologia suméria como o 12º planeta. Nibiru é o lar de uma raça alienígena chamada Anunnaki, uma civilização extraterrestre extremamente avançada. Nibiru também é chamado de Marduk, e chega ao nosso sistema solar com uma órbita elíptica no sentido horário.
 
O símbolo cuneiforme utilizado para descrever Nibiru era muitas vezes uma cruz ou vários discos alados. Além disso, para os antigos babilônios, Nibiru era um corpo celestial associado com o Deus Marduk. Marduk é uma palavra acadiana cuja tradução ainda não foi definida por acadêmicos.
 
Sitchin concluiu que Nibiru é um planeta gigante com uma órbita extremamente elíptica ao redor de nosso Sol. Nibiru é dito ter um período orbital de aproximadamente 2.700 anos, e Sitchin reivindica que Nibiru era a casa - ou ainda é - dos Antigos Anunnaki, que supostamente vieram à terra em busca do ouro, para reparar a atmosfera danificada de seu planeta. 
 
Embora o trabalho de Sitchin seja fortemente criticado, evidências de um planeta massivo nas bordas mais distantes do nosso sistema solar foi encontrado por astrônomos em 2016.
 
De fato, com base em inúmeras simulações e perturbações presentes nas órbitas de planetas anões em nosso sistema solar, os especialistas acreditam que um vasto mundo alienígena - com muitas vezes a massa da Terra - está localizado além da órbita de Plutão.
 
Em 13 de julho de 1987, um artigo apareceu na Newsweek, onde a NASA disse ter revelado que possivelmente poderia haver um planeta 10 orbitando nosso Sol. De acordo com o cientista John Anderson da NASA, o Planeta X pode realmente estar lá fora, mas longe de nossos planetas. O artigo da Newsweek afirma: "Se ele estiver certo, dois dos mais intrigantes enigmas da ciência espacial podem ser resolvidos: o que causou misteriosas irregularidades nas órbitas de Urano e Netuno durante o século 19 .... ? E o que matou os dinossauros há 26 milhões de anos ...?
 
No entanto, a "evidência" desse planeta pode ser encontrada até em um artigo muito interessante no "Astronomical Journal" em 1988 por R. Harrington que escreveu que um planeta três ou quatro vezes o tamanho da Terra existia, tendo uma posição três ou quatro vezes mais longe do sol do que Plutão. De acordo com modelos matemáticos que foram apresentados, acredita-se que o Planeta X ou Nibiru, tem uma órbita extremamente elíptica de 30 graus.
 
Um artigo da AP escrito em 23 de outubro de 1996 afirmou que: Um novo planeta que quebra todas as regras sobre como e onde os planetas se formam foi identificado em órbita de uma estrela gêmea a cerca de 70 anos-luz da Terra em uma constelação comumente conhecida como Cruz do Norte. O novo planeta tem uma montanha-russa como orbita (...).
 
Além disso, de acordo com uma equipe de pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), a inclinação incomum do Sol poderia ser atribuída a este planeta maciço não descoberto que está à espreita na borda do nosso Sistema Solar.
 
“Esse é um mistério tão antigo e tão difícil de explicar que simplesmente não falamos sobre ele”, explicou Brown, em um comunicado da Caltech.
 
Ao colocar o hipotético novo planeta como razão desse fenômeno, o astrônomo e sua equipe descobriram que, se ele for gigante como dizem as estimativas e tiver uma órbita inclinada cerca de trinta graus em relação ao plano do sistema solar, ele pode ser a explicação que faltava para a inclinação.
 
“Como o ‘Planeta Nove’ é tão massivo e tem uma órbita inclinada em comparação aos outros planetas, o sistema solar não tem outra opção a não ser ‘torcer’, lentamente, seu alinhamento”, afirmou Elizabeth Bailey, uma das autoras da pesquisa, publicada no periódico científico Astrophysical Journal.
 
Enquanto a maioria dos artigos lá fora, relacionados com Nibiru são descrições e informações falsas, poucos artigos oferecem informações reais sobre o que Nibiru poderia ser ou não ser. Nas últimas décadas, chegamos a aceitar que Nibiru está sempre presente na literatura alternativa, mas não conseguimos entender nada a respeito.
 

Poderia ser o resultado de interpretações errôneas de um autor, mas também poderia haver evidências de que tal planeta, pelo menos semelhante em descrição, esteja presente em algum lugar nas bordas mais externas do sistema solar.

 
"Diz-se que Nibiru irá aparecer a partir do Pólo Norte do Sol e da Terra, o que tornará o mundo alienígena amplamente visto no hemisfério norte."
 
No final, o que pode ser concluido é que sim, pode existir um planeta como é descrito em vários textos antigos, que ainda desconhecemos bem próximo de nós. Mas não da para provar ainda que tenha alguma relação com extraterrestres...