Três formas de tudo o que conhecemos chegar ao fim

31/08/2015 16:13

3 modos pelos quais tudo pode acabar

 

Nada dura para sempre, nem mesmo o nosso grande universo. Um dia ele irá acabar. Quando? Não sabemos. Como? Também não. Cientistas só sabem que ele irá acabar, mas há algumas hipóteses bem aceitas pela comunidade científica para explicar como isso irá ocorrer.
 
São elas: o Big Rip (Grande Ruptura), Big Freeze (Grande Congelamento) e o Big Crunch (Grande Colapso).
 
 

Big Rip

O universo está em constante expansão. As galáxias próximas ainda são mantidas juntas pela força gravitacional que exercem umas sobre as outras. No entanto, nesse cenário, conforme o universo vai se expandindo mais e mais, a gravidade já não é forte o suficiente para manter as galáxias unidas, e o espaço entre elas começa a aumentar. Cerca de 3 meses antes do fim, os sistemas solares vão perder sua coesão gravitacional. Nos últimos minutos, estrelas e planetas se despedaçariam. Nas últimas frações de segundo, todos os átomos se desintegrariam completamente. Fim.
Essa hipótese pode acontecer caso o universo tenha energia escura suficiente (energia escura é a suposta força misteriosa por trás da expansão do universo) para superar a força gravitacional do universo.
 

Big Freeze

Como o próprio nome sugere, nesse cenário, o universo vai ficar frio demais para continuar existindo. Pode acontecer caso a geometria do universo seja plana ou hiperbólica, o que também indica uma expansão até o fim dos tempos. Enquanto o universo cresce e se expande, a matéria decai e se espalha – graças a uma coisa chamada entropia. Aos poucos, as estrelas e buracos negros vão morrer, e não haverá nada para os substituir. Em determinado momento, toda a atividade cósmica irá cessar.
 

Big Crunch

 
Talvez o fim mais dramático possível. Oposto do Big Bang, esse cenário aconteceria caso não houver energia escura suficiente para conter a força gravitacional. Caso a força da gravidade um dia se torne maior que a energia escura, a expansão deve parar e o universo deve começar a se contrair. As galáxias irão se aproximar cada vez mais, até se fundir. Haverá inúmeras colisões de estrelas, planetas, buracos negros, etc. Enquanto se contrai, o universo vai ficando mais denso e quente, até um dia toda a matéria ficar novamente compactada em um único ponto infinitamente quente e denso, chamado singularidade. Um novo Big Bang, que talvez possa dar origem a um novo universo.