Queda da Historia Mainstrem : De acordo com textos antigos, a civilização egípcia é, pelo menos 40.000 mais antiga do que se pensava

16/09/2016 16:27
 
 
 
Pouco foi dito sobre a origem e idade verdadeira da antiga civilização egípcia. A história desta grande civilização parece estar fragmentada em duas peças que são, respectivamente, consideradas como mito e história real. Para os historiadores o Egito pré-dinástico (a era em que deuses reinavam) é totalmente um mito, enquanto tudo, desde o primeiro oficial faraó Menes-Narmer até o período greco-romano é considerado um fato histórico.
 
No entanto, o estranho aqui é que se você olhar para os egiptólogos de hoje, vamos descobrir que eles fazem uso da datação de Manetho considerando como uma ferramenta muito confiável quando se estuda as dinastias oficialmente reconhecidas, mas por alguma razão, os mesmos egiptólogos decidiram evitar qualquer coisa relacionada as dinastias pré-históricas, selecionando cuidadosamente alguns detalhes e adotando como seus próprios, rejeitando qualquer coisa que não se encaixa em sua visão da história. Muitas pessoas consideram esse comportamento como um sinal de uma ideologia seletiva presente entre os historiadores e pesquisadores que estenderam a sua própria versão da história, rejeitando textos antigos que mencionam explicitamente eventos históricos que contradizem os seus próprios pontos de vista.
 

Traçando a idade do Egito Antigo

 
 
Enquanto muitas pessoas acreditam que é difícil de rastrear a data histórica de quando a antiga civilização egipcia passou a existir, há aqueles que acreditam que só temos que olhar para antigos textos egípcios, para descobrir o que queremos saber.  É por isso que de acordo com os pesquisadores, se estudarmos cuidadosamente o Papiro de Turim, - ou Cânone Real de Turim, também conhecido como Lista de Reis de Turim ou Papiro Real de Turim - vamos descobrir o período inicial da antiga civilização egípcia.
 
A Pedra de Palermo (The Palermo Stone) é um valioso documento antigo egípcio, e sem duvida é mais uma peça extremamente crítica se quisermos resolver o mistério por trás da idade real da antiga civilização egípcia. A Pedra de Palermo atualmente é exibida no Museu de Palermo. Na realidade, há sete pedaços que estão distribuídos em museus ao redor do mundo. O documento, na escrita hieroglífica, é responsável por 120 reis pre-dinásticos que reinaram antes dos antigos egípcios existirem oficialmente como uma civilização.
 
Ao analisar o Papiro de Turim, podemos aprender que a cerca de 39,000 anos atrás, o Reino de Ptah, criador e primeiro governante do Egito Antigo, ocorreu.  É a mesma fonte que indica um momento em que "deuses" governaram sobre as terras do Egito Antigo por mais de 20.000 anos. Após o reinado dos deuses chegar ao fim, semideuses chegaram, conhecidos como os "seguidores de Horus".
 
Curiosamente, se compararmos o trabalho de Manetho, e a sua datação, com a Lista dos Reis de Turim, vamos encontrar semelhanças incríveis que não podem, e não devem ser ignoradas pela maioria dos historiadores. Embora Manetho não mencione o Shems Hor (os "seguidores de Horus"), ele menciona governantes pre-dinásticos que reinaram por centenas e milhares de anos antes da chegada do primeiro faraó mortal, Menes.
 
Curiosamente, Manetho não é o único estudioso antigo a falar de um tempo onde os deuses governaram sobre as terras do Egito Antigo. Eusébio de Cesaréia um historiador romano, afirma que uma dinastia de deuses governou o Egito por 13,9 mil anos: o primeiro era o deus Vulcan, o deus que descobriu o fogo, depois dele Sosis do Sol, Isis e Osiris de Saturno, Typhoon irmão de Osíris e Horus, filho de Ísis e Osíris. Eles foram seguidos por uma dinastia de heróis e semideuses que governaram por 11.025 anos. Isto o torna um total de 24.925 anos de reinado. A aproximadamente cerca de 3000 aC, o primeiro "humano" Faraó iria tomar domínio como o faraó egípcio....