Pesquisadores encontram uma cidade maia com pirâmides, terraços, canais, diques, além da primeira rede de antigas super-rodovias do mundo

13/12/2016 16:43

Pesquisadores encontram uma cidade maia com pirâmides, terraços, canais, diques, paredes e uma rede de estradas que se estendem por mais de 240 quilômetros de área

Foto cedida pelo Projeto Arqueológico Cuenca Mirador. Tecnologia LIDAR.
 
 
 
O mapeamento LIDAR permitiu que os especialistas descobrissem uma sofisticada rede de antigas super estradas, além de uma Acrópole inteira pertencente à antiga civilização Maia.
 
Pesquisadores do Projeto Arqueológico de 'Cuenca Mirador' descobriram recentemente construções sob a selva que constituem de "achados de grande importância" para o estudo da cultura Maia.
 
Esta descoberta inacreditavel foi realizada por varreduras feitas com um laser de alta precisão do terreno em torno da cidade Maia de 'El Mirador', localizado no coração da selva Peten, na fronteira com o México.
 
O mapeamento LIDAR, permitiu identificar características arqueológicas únicas em imagens 2D e 3D que constituem "achados importantes" para o estudo da cultura Maia .
 
A topógrafa Josephine Thompson diz que esta tecnologia ajudou a fazer inúmeras descobertas em dois anos, do que levaria cerca de quarenta anos sem a tecnologia.
 
Os pesquisadores observaram uma Acrópole inteira, pirâmides, terraços, canais, diques, paredes e uma rede de estradas que se estendem por mais de 240 quilômetros de área.
 
Estas infra-estruturas, são consideradas como "a primeira rede de auto-estradas do mundo" e foram utilizadas principalmente para o transporte de mercadorias, segundo relatos da EFE.
 
Segundo Hansen, esta investigação nos permitiu chegar à conclusão de que os Maias Antigos tinham um sofisticado sistema de currais, e podemos considerar isso uma evidencia do primeiro sistema de produção de carne a nível industrial. Mais estudos são necessários para confirmar esta teoria.
 
Estima-se que pelo menos 1 milhão de pessoas habitavam a área antes de seu colapso em 150 aC.