Perigo no céu do Alasca : O caso do voo 747 da Jal

13/08/2015 13:24

Em 17 de Novembro de 1986, o Boeing 747 da Japan Airlines foi de encontro a 3 objetos não identificados enquanto sobrevoava o Alasca. Este é um dos casos mais importantes já registrados isso porque um dos envolvidos é um piloto profissional. 

 

 

 O boeing 747 seguia de Paris á Tóquio, voando a 1000 Km/h, a uma altitude de 11.000 metros. Ele faria uma parada de reabastecimento em Anchorage, Alasca em breve.
 
  As 17:11 Kenju Terauchi, um piloto com 29 anos de experiencia, avistou três objetos grandes não identificados voando 600 metros abaixo de seu avião. Segundo o piloto o maior dos objetos tinha o formato de uma casca de noz. Ele também descreve a nave principal como tendo o dobro do tamanho de um porta aviões americano.
 
 O copiloto que estava presente no momento da aparição, confirmou o evento como sendo muito real. O 747 não era nada comparado á esse enorme UFO que estava voando junto com eles durante a viajem. 
 
 Após vários minutos observando o enorme UFO, eles notam que os objetos estavam na mesma velocidade que eles, exatos 1000 Km/h.
 
 De acordo com o comandante, as naves começaram a fazer manobras que eram impossíveis para uma aeronave fabricada pelo homem. 
 
Então sem aviso os 2 objetos menores subiram em direção a janela do piloto, e chegaram tão perto que deixo o rosto dos pilotos quentes, pelo forte brilho que era emanado dos objetos.
 
 De repente as naves começaram a avançar na direção do avião de Kenju Terauchi.. Os objetos oscilavam para frente e para trás quando se moviam, eles pareciam estar apenas 300 metros do avião.
 
 
 
 Durante esses incríveis eventos a comunicação por radio ficou muda, deixando o boeing 747 em um voo cego.
 
 Um quase impacto acontece, mas os óvnis sobem e desviam para a esquerda, antes de um impacto fronta com o 747.  Kenju Terauchi é obrigado a solicitar permissão para se afastar dos objetos. E momentos depois o desvio é aprovado caso fosse necessário para o trafego. 
 Em um relatório Kenju Terauchi diz que foi obrigado a desviar dos objetos para evitar uma enorme catástrofe aérea. 
 
 Após o desvio, os objetos desaparecem do campo de visão dos pilotos. Mas uma mensagem urgente foi enviada da base para eles " .. O objeto não identificado ainda aparecia no radar .."
 
 
 O voo 747-246F JAL ainda estava sendo seguido por objetos não identificados, talvez com intenções hostis. Radares militares confirmam que existe um alvo primário intermitente atrás do avião na trilha. E após essa assustadora confirmação a FAA requisita o auxilio de jatos da Força Aérea, isso porque o piloto já estava sendo seguido por um longo tempo por objetos não identificados pondo em risco a vida de varias pessoas no avião.
 
 Embora os militares não tenham feito nada, o voo 747-246F JAL aterriza no aeroporto de Anchorage às 18:20.
 
 Com a grande cobertura da imprensa, esse acontecimento se tornou um dos casos de óvnis mais divulgados da historia. Apesar das intenções dos UFOs não terem ficado muito claras, já que um acidente grave podia ter ocorrido, esse acontecimento continua sendo um mistério na ufologia.
 
 Após esse incrível evento, os documentos sobre o caso desapareceram misteriosamente do escritório da FAA .... 
 

  Incidente 2#

 
  Em 30 de Janeiro de 1987, 2 meses após o caso da Jal, um evento similar ocorreu novamente no Alasca com as forças armadas. Boeing KC-135 das forças armadas que partiu de Anchorage, fez contato com um OVNI a 6.000 metros de altitude. 
 
 O piloto do KC-135 entrou em contato com a torre de radio perguntando se existia um possível trafego na mesma altitude que seu avião, e a resposta foi negativa avisando que não existia trafego nessa posição.
 
 Segundo os pilotos, o objeto era bem parecido com o que foi relatado pelo voo 747 da Jal. Era grande e silencioso, em forma de disco, maior que um porta aviões. 
 
 Momentos depois o controle aéreo perguntou se o KC-135 continuava vendo o objeto. O pilote disse que sim, e que estava apenas 12 metros de sua aeronave...
 
 30 minutos depois a torre de controle de Anchorage passou uma mensagem do escritório regional da FAA, alertando para o piloto ligar para eles quando pousasse, afim de passar por uma bateria de perguntas sobre o objeto que tinha relatado momentos atrás. 
 
 Uma entrevista sobre ovnis com pilotos são extremamente importantes, pois são as pessoas mais experientes para relatar algo que nunca viram em sua carreira como piloto sobrevoando os céus.
 

Incidente 3#

 
31 de Janeiro de 1987 menos de 24 horas após o avistamento KC-135 mais um incidente ocorreu nos céus do Alasca. Os pilotos do voo 53 da 'Alaska Airlines' relataram um objeto em formato de disco, grande, e brilhante seguindo a aeronave. O radar de terra nada indicava, mas a velocidade da nave estranha deixou os pilotos bem preocupados.
 
 Em uma mensagem por radio o piloto enfatizou a grande velocidade do objeto que seguia o avião : "Ele se movia a 2 quilômetros por segundo".
 
 A nave repentinamente acelerou na frente do avião, e desapareceu em altíssima velocidade, perdendo o objeto de vista rapidamente. 
 
 Mas a grande realidade nos avistamentos no Alasca é que a FAA, os militares, e autoridades civis, não querem saber de ovnis, e não dão importância para esse tipo de relato. Já que muitos pilotos acabam não relatando seus avistamentos para a FAA, com medo de perder seus empregos e arruinar sua reputação. 
 
 

Fonte : History \ Caçadores de Mistério