O Projeto Gênesis

05/09/2016 11:28

O Projeto Gênesis: Trazendo vida e acelerando a evolução em outros planetas

 
 
 

Em um artigo pronto para ser publicado na "Astrofísica e Ciência Espacial", Claudius Gros um físico teórico da Universidade Johann Wolfgang Goethe levanta a possibilidade de levar a vida para outros planetas.

 
E se pudéssemos semear vida em outros planetas e ajudar a acelerar a evolução?
 
Do ponto de vista científico, esta possibilidade é emocionante, mas como é o ponto de vista social? Será que algo assim é "certo"?
 
Muitas vezes, foi presumido, que a vida evoluiria relativamente rápido em planetas com condições apropriadas, pelo menos nas suas formas mais básicas, e que longos períodos de habitabilidade são extremamente necessários para que a evolução atinja formas de vida mais complexas. Porem existem muitos planetas habitados onde as condições não são muito apropridas para o desenvolvimento ou evolução da vida por conta propria, diferente do que se viu na Terra com a explosão cambriana.
 
Uma explosão cambriana poderia, contudo, ter a chance de se desdobrar em planetas habitáveis "transitoriamente" se fosse possível avançar a evolução em 3-4 bilhões de anos (com respeito a prazos terrestres). Defendemos aqui, que isto é realmente possível quando semearmos o planeta candidato com as formas de vida microbianas, bactérianas e eucariotas unicelulares, "caracterizando" a Terra antes da explosão cambriana. Uma missão interestelar deste tipo, como o projeto Gênesis, poderia ser realizada por um robo de custo relativamente baixo equipado com um "laboratório de gene" a bordo para a síntese dos micróbios.
 
Nos últimos anos, nós identificamos muitos diferentes tipos de exoplanetas, alguns  relativamente próximos, enquanto outros a centenas, e até milhares de anos-luz de distância.
 
"Portanto, é certo que vamos descobrir um grande número de exoplanetas que são habitáveis de forma intermitente, mas não permanentemente. A vida seria realmente possível nesses planetas, mas não teria o tempo necessario para crescer e se desenvolver de forma independente", diz Gros.
 
Acontece que já temos tecnologia que poderia nos ajudar a alcançar algo como isto.
 
De um ponto de vista técnico, a missão Genesis poderia ser alcançada em poucas décadas, com a ajuda de micro naves espaciais não-tripuladas que poderiam ser aceleradas e desaceleradas passivamente.
 
Após a chegada - em um mundo alienígena - um laboratório de genética automatizado iria sintetizar uma variedade de organismos unicelulares com o objetivo final de estabelecer esses organismos no exoplaneta escolhido.
 
Após um tempo, estes organismos se desenvolveriam de forma autonoma e possivelmente até mesmo evoluir para formas de vida complexas.
 
"Dessa forma, poderíamos saltar cerca de quatro bilhões de anos que tinham sido necessários na Terra para chegar à fase pré-cambriano de desenvolvimento a partir do qual o mundo animal se desenvolveu cerca de 500 milhões de anos atrás", explica Gros.
 
O pesquisador explica ainda que, a fim de não pôr em perigo potenciais formas de vida em outros planetas, a nave espacial Gênesis só seria enviada para planetas que estão desabitados.
 
Além disso, Gros explica que a duração real da missão é totalmente irrelevante para o projeto uma vez que as escalas de tempo para um desenvolvimento evolutivo de um planeta pode variar de algumas dezenas de milhões de anos para centenas de milhões de anos.
 
Em outras palavras, o projeto Gênesis não teria qualquer benefício - atualmente - para a humanidade e nossa civilização.
 
"No entanto, gostaríamos de devolver algo à vida", diz Gros.
 
Mas se já estamos pensando em 'semear' vida e acelerar a evolução em planetas alienígenas atualmente desabitados, não seria possível que a dezenas de milhões de anos atrás, uma raça alienígena altamente sofisticada fez a mesma coisa aqui na terra?
 
Como podemos ter certeza de que não somos parte do resultado de um projeto similar feito por extraterrestre?
 
É interessante, na verdade. Se olharmos para o projeto Gênesis do Professor Gros a partir de um nível científico, é um projeto emocionante que poderia expandir a vida em todo o universo.
 
Se nós conseguirmos fazer algo assim hoje, é perfeitamente possível - e não se pode excluir essa possibilidade - que no passado distante, avançadas civilizações alienígenas semearam a vida na Terra e ajudaram vida a evoluir para nosso estágio atual.