O Mundo sem Ninguém: O que Aconteceria com o Planeta?

04/04/2015 17:14

Imagine que todos os habitantes simplesmente desaparecem de uma hora para outra. O que aconteceria com o mundo? Descubra neste especial.
 
Assombrados, podemos desaparecer de vários maneiras, seja uma epidemia, um asteroide, ataque alienígena etc... Mas agora pense no mundo sem nós. Quanto tempo demoraria para as cidades voltarem a ser floresta? O que aconteceria com os bichos de estimação, como cães e gatos? Alguma coisa feita pelo homem sobreviveria milhares de anos depois do nosso desaparecimento? E mais, visite um local onde aconteceu isso a mais de 20 anos...
 
Neste post, não vamos discutir como o homem desapareceu, mas sim partir do ponto que de uma hora para outra todos os habitantes do planeta simplesmente desaparecessem sem aviso prévio. A dona de casa que estava pegando comida na geladeira desaparece, deixando ela aberta. Quem estava andando de carro some, deixando eles no local, e assim por diante. O que aconteceria? Para responder a esta questão, vamos dividir por tempo de desaparecimento.
 
1 Dia sem Ninguém
 
- Colapso da Eletricidade. Horas após o homem desaparecer, as luzes começam a se apagar ao redor do planeta. Iria apagar inicialmente naqueles locais onde a energia vem através da queima de combustíveis fósseis, o que requer combustível. Como não tem ninguém para fornecer o combustível...
 
Agora, com as usinas nucleares é diferente. O reator tem combustível para funcionar por 2 anos, mas sem pessoas para consumir a energia, ele entraria em modo de segurança e desligaria automaticamente os reatores em 2 dias.
 
Depois de algumas semanas, o planeta estaria em total escuridão. Nem todo, pois talvez no sudoeste dos EUA pode haver luz, uma vez que a usina hidrelétrica da barragem Hoover não precisa do ser humano. A sua fonte de energia é a água represada no lago Mid atrás da barragem, e enquanto tiver água, os geradores que funcionam automaticamente vão continuar trabalhando. 
 
- Inundação do subterrâneo das cidades: Agora que o mundo está sem eletricidade, as grandes cidades vão começar a ter o seu subterrâneo inundado. É o caso dos túneis de metro. Muitos ficam sob lençóis freáticos e para mantê-los secos, é preciso ligar um sistema de bombas para drená-los. Como exemplo, em Nova York, mas de 700 bombas fazem esse serviço. Sem ninguém para ligar as bombas, em 36 horas eles estariam inundados.
 
 
10 Dias sem Ninguém
 
- Morte de Cães de Estimação: a comida apodreceu e a geladeira derreteu, o que fez água espalhar pelo chão e ajudou os animais a ficar vivos. Mas agora acabou. Qual o destino de cachorros? Muitos morreriam de fome, presos em suas casas, pois não sabem abrir latas, geladeiras, portas. Os que conseguissem sair, teriam que se virar para comer. Eles voltariam a se alimentar de animais mortos. Mesmo assim, sobreviveriam por pouco tempo. Os cães pequenos não viveriam nem por uma semana, seriam mortos pelos maiores. 
 
Adivinha qual cão tem as melhores chances de sobreviver? O vira lata comum. Eles sofreriam, mas sobreviveriam.
 
- Pragas domésticas: pragas dependentes de nossos estoques de comida, como o camundongo e o rato pardo, são muito dependentes de nós. Quando acabar os alimentos, eles comem papelão, tecido e cola. Depois, teriam de voltar para a selva e competir por alimento. Só que eles são presas fáceis para os predadores, mas sobreviveriam, apesar das grandes perdas.
 
6 Meses sem Ninguém
 
- Invasão de animais nas cidades: as cidades começam a ser tomadas por predadores. Coiotes e linces sempre viveram nos arredores de concentrações humanas e seriam os primeiros a invadir as cidades.
 
 
1 Ano sem Ninguém
 
- Destruição da Pavimentação: ainda é possível reconhecer bem onde um dia existiu uma cidade, mas a natureza começa a reclamar o território para si. Áreas impermeáveis, como ruas e avenidas, seriam completamente tomadas pela vegetação. Pequenas sementes ficam presas nos vãos e começam a germinar. Ervas daninhas, como o Dente de Leão começam a brotar nas fendas do calçamento. Quando elas morrem, seus resíduos se misturam com musgo e liquem, criando uma camada de solo sobre o calçamento. O solo é pobre, e apenas plantas capazes de retirar o nitrogênio do ar pode crescer nele, como os trevos. 
 
Uma planta que faria um grande estrago é a Árvore do Céu. gosta de se enraizar em locais inóspitos e se prender em frestas de construções, causando grandes danos. As raízes se expandem pressionando o cimento e os tijolos, fazendo com que a fachada desmorone. 
 
- Destruição da Represa Hovers: O lago da represa é infestado por um organismo forasteiro chamado Mexilhão Zebra, nativa do leste europeu. Ela não possui  predadores na América do Norte. Eles se fixam dentro do cano e se reproduzem, crescendo uns sobre os outros, até bloquearem totalmente a passagem de água. Os canos de resfriamento seriam entupidos, o que impediria os geradores de serem resfriados, acionando o alarme de superaquecimento e automaticamente seriam desligados. Las Vegas, que estava acessa ainda graças a usina, ficaria as escuras. A Terra está totalmente escura agora.
 
- Incêndios: sem o controle do homem, incêndios causados por raios, antes controlados por nós, agora se espalham por quilômetros. Nas cidades as estruturas abandonadas e casas de madeiras alimentam as chamas, devastando as cidades pelas chamas. 
 
- Nova Geração de Plantas: As estruturas de madeira incendiadas, caem no chão liberando o nitrogênio necessário para a próxima geração de plantas se desenvolva.

 

5 Anos sem Ninguém
 
- Pavimentação desaparece: ruas, rodovias, avenidas e outras vidas pavimentadas desaparecem completamente.
 
- Central Park Vira uma Selva: Cinco anos após desaparecermos, o famoso Central Park em Nova York explode em vida vegetal e animal
 
- Animais de Zoológicos: é incerto o que vai acontecer com eles. Os que escaparem, vão andar pelas cidades, que agora são como uma selva. Tigre e leões vivem tranquilamente sem nós.
 
 
20 Anos sem Ninguém
 
Sem reparos, prédios de concreto começa a desmoronar. A falta de manutenção transforma as antigas fervilhantes cidades em locais fantasmas, habitados por animais que antes evitam contato com os humanos.
 
Como sabermos disso? Porque em um lugar isso já aconteceu: Prypiat, na Ucrânia. Faz mais de 20 anos que os 50 mil moradores foram evacuados todos em ônibus por causa do desastre nuclear de Chernobyl.
 
No início, uma floresta severamente afetada, que foi apelidada de floresta vermelha de tanta radiação que as árvores ficaram, morreram, mas em seguida novas árvores nasceram. Os animais prosperaram. Em Prypiat a 15 a 20% mais animais que em outros locais da Ucrânia.
 
O desastre mostrou que na ausência do homem, a vida continuará a florescer e a natureza vai continuar a prosperar.
 
Tenho uma especial feito Chernobyl pone você pode ver muitas imagens e conhecer a história completa.
 
 
25 Anos sem Ninguém
 
- Rastros do homem começam a ser apagados: a natureza começa a destruir o que sobrou de nossas cidades. 
 
- Inundações: Várias cidades do mundo estão abaixo do nível do mar ou são protegidas por barragens como por exemplo Londres, que era protegida por 10 comportas de aço retratir erguidas durante a chuva, impredindo o rio Tâmisa de transbordar. Amsterdãm também é inundada
 
- Vidros dos Prédios estouram: algumas vidraças de prédios começam a se soltar das armações, caindo. O selador que prendia o vidro a janela, sem a manutenção adequada, endureceu, prendendo o vidro diretamente na janela, que expande e contrai, quebrando o vidro. O vento que entra começa a quebrar mais vidraças. Os buracos nos prédios ficam cheios de entulhos trazidos pelo vento.
 
- Para-raios deteriorados. A falta de manutenção corroeu o cobre dos para-raios e agora um raio inicia um incêndio, que consome o prédio.
 
- Pombos prosperam: Os pombos sobreviveram muito bem a nossa ausência e transformaram esses prédios agora todo aberto em seu lar. São como penhascos artificias para eles.
 
- Baratas: elas sentirão nossa falta, pois adoram nossa comida. Elas passam a comer livros, papelão, folhas e raízes mortas em decomposição. Eles vão migrar para regiões quentes, pois agora não existam mais sistemas de aquecimento. Elas iriam prosperar :)
 
- Lobos: Quase foram exterminados no EUA. Agora, em um mundo sem ninguém a população cresce 6x por ano. Haveria 500 mil lobos vivendo novamente nos EUA. Isso já aconteceu quando em 1995 biólogos soltaram algumas dúzias de lobos em Yellowstone e foi um sucesso.
 
- Urso Pardo: Severamente afetados por estradas, que limitam seus locais de migração com elas. Eles ficaram confinados a bolsões isolados, mas agora sem estradas, elas não são mais barreiras e eles as usam como trilhas.
 
 
40 Anos sem Ninguém
 
- Construções de Madeira Acabam: Os edifícios de aço e concreto continuam de pé, mas as de madeira são destruídas. Nos EUA, 90% das casas possuem estrutura de madeira. Umas foram incendiadas, outras foram devoradas pelos cupins e muitas entraram naturalmente em decomposição, enfraquecendo as vigas que sustentam o teto, fazendo-as desabar.
 
- Construções de Rocha: com a manutenção correta, duram centenas de anos, tanto que são usados até hoje aquedutos romanos na Europa. Agora, como nós desaparecemos, um inimigo começa a acabar com a rocha: o sal e cristais de sal. Ele se infiltra nas rochas através do mar, ar poluído ou fezes de pássaros.
 
As pirâmides são muito grandes para serem destruídas dessa forma e sobreviveram desde 5.000 anos atrás. A Esfinge, caso não tivesse manutenção, desaparecia por completo em 1000 anos.
 
50 Anos sem Ninguém
 
- Pontes começam a ser corroídas: as pontes atualmente duram tanto porque tem a manutenção humano que faz os reparos necessários. Agora, sem nós, expostas ao tempo, muitas começam a ser corroídas. Vamos falar de uma ponte pênsil. A região mais vulnerável são os cabos de aço de sustentação. Na verdade são o material do cabo, o aço, o ponto fraco. Ele tem de 95 a 98% de ferro. Exposto a umidade, ele vai entrar em processo de corrosão. As pontes precisam ser pintadas constantemente para evitar a corrosão. A famosa ponte do Brooklyn desaba.
 
 
75 Anos sem Ninguém
 
- Carros Desaparecem: os 600 milhões de carros que haviam no planeta são apenas resquícios do que foram um dia. Tudo vai depender do ambiente onde ele está. Se for num deserto, vai durar mais tempo. Agora se o carro estiver numa região litorânea, já era.
 
Primeiro, os pneus ficariam vazios em alguns anos, mas a borracha ficaria intacta por séculos. Depois a tinta descascaria, expondo a lataria que seria corroída rapidamente. Depois de 75 anos, ele não passa de um amontoado de metal irreconhecível.
 
 
100 Anos sem Ninguém
 
- Pontes Caem: O processo de corrosão chegou a tão ponto que as pontes pênseis desabam. Os cados de sustentação não precisam estar totalmente corroídos. Basta apenas 1/3 de desgaste para ele romper. Um efeito cascata começa quando o primeiro fio de aço que compõe o cabo de aço cede até ocorrer o rompimento do cabo, levando a ponte para o fundo do rio. A famosa Golden Gate em São Francisco, Califórnia, um das maiores estruturas já construídas pelos humanos, desaba.
 
Em apenas 100 anos, não tem mais carro, as cidades viraram selva, casas desaparecem, as pontes caíram, Será que alguma estrutura humana vai sobreviver?
 
O papel e a película guardados em condições ideais de temperatura e umidade tem uma vida útil de 200 a 300 anos. Agora, expostos ao calor e umidade...
 
- Rolos de filme de máquina e câmeras. O acetato de celulose, o material mais comum usado em filmes e fotografias durante o século XX, começaria formar bolhas e se deformar quando exposto a umidade. Todos os filmes históricos, como registros das guerras mundiais, filmes de Hollywood, fotos e registros familiares não durariam um século sem nosso cuidado!
 
- Os livros também estariam condenados. Os esporos de fungos, estão em toda parte e permanecem adormecidos esperando condições ideais para atacar: a umidade. O mofo vai se espalhar.
 
Alguns livros e documentos poem escapar desse destino, como ocorreu com os Pergaminhos do Mar Morto, que sobreviveram 2000 anos em Quram na Judéia. Lá é um deserto, o que afastou a umidade.
 
- Mídias Digitais: A expectativa de vida de CDs e DVDs pode variar de algumas décadas a alguns séculos, dependendo as condições de armazenagem
 
Só sabemos que os Egípcios existiram porque eles escreviam talhando a pedra, milhares de anos atrás, agora nós registramos tudo em papel ou mídia digital.
 
É irônico, mas não criamos nada mais durável que blocos de argila e tábuas de pedras!
 
 

150 Anos sem Ninguém
 
- Estruturas Subterrâneas Colapsam: As galerias que começaram a inundas nas primeiras 36 horas agora são rios subterrâneos. Vigas e arcadas que sustentam os tetos desses túneis, estão prestes a desabar. A corrosão atacou as colunas, causando grandes desabamentos. As ruas acima são tragadas pela terra.
 
- Ecossistemas Verticais: No topo dos prédios a vida está ainda mais agitada. Os aranha-céus abandonados estão invadidos por trepadeiras adaptadas para usar a água da chuva que se acumulam em vãos e rachaduras. Se tivesse árvores frutíferas, haveriam animais e pássaros, o que criaria um ecossistema vertical. Depois que ele se estabelecesse surgiriam os gatos! O Colisseu, tumbas e catacumbas abandonadas estão repletos de gatos, que vivem por lá. Esses gatos são os descendentes de nossos animais de estimação, que sobreviveram caçando ratos e pássaros. No topo desse ecossistema vertical, eles teriam alimentos de sobra e não precisariam descer até a rua. Eles estão no topo da cadeia alimentar. Eles podem até evoluir, aprendendo a planar entre um edifício e outro. Já os cachorros voltaram a agir como seus antepassados. Começam a andar em bando para caçar animais maiores
 
- Oceanos cheios de vida: Pesquisas mostram que até o sec. XVIII os oceanos tinham grande quantidade de vida animal. Depois começou a exploração em massa e fudeu com tudo. O oceano agradeceu muito a nossa ausência. Nós hoje estamos usando o oceano basicamente com estes dois propósitos: Obter comida e depósito de lixo. Estamos cada vez mais nos aperfeiçoando nisso e destruindo a vida marítima. A vida oceânica tem um grande potencial reprodutivo, o que o faria se vivido novamente rapidamente. Haveriam milhares de baleias, bandos de atuns pelas correntezas, inúmeras tartarugas e muito mais.
 
 
200 Anos sem Ninguém
 
- Monumentos de Ferro e Aço Desmoronam: O período entre 100 e 300 anos de nosso desaparecimento será marcado como sendo dos grandes desmoronamentos. A Torre Eifel era pintada a cada 7 anos para evitar a corrosão, desaba. O famoso Space Needle em Seatle também colapsa. A mesma coisa acontece com o Empire State Building em Nova York e a Torre Sears em Chicago
 
500 Anos sem Ninguém
 
- Estruturas de concreto desaparecem. Elas são as mais resistentes. Os romanos inventaram o primeiro tipo de concreto e algumas de suas estruturas permaneceram intacta por mais de 2000 anos. Só que o concreto moderno não é tão duradouro, porque tem mais água e é mais fluido, o que causa mais bolhas de ar e rachaduras. Além disso, as estruturas modernas de concreto tem outra falha fatal: as barras de aço em seu interior. Elas ficam protegidas pelo concreto, mas quando ele rachar o aço vai começar a corroer, aumentando em 3x seu diâmetro, estourando o concreto e fazendo ele desmoronar
 
1.000 Anos sem Ninguém
 
- Cidades Irreconhecíveis: haveriam poucos resquícios de prédios, poucos sinais de atividade humana. Havia só uma grande floresta. Muitas ruas foram construídos sobre riachos, e eles vão voltar a ativa. Os locais voltariam a ser como eram antes da chegada do homem.
 
10.000 Anos sem Ninguém
 
Será que em 10.000 mil anos todos os rastros da civilização humana serão totalmente apagados?
 
- Onde de rádio de TV pelo Universo No passado, os cientistas disseram que nossa cultura continuaria vivendo através de transmissões de rádio e TV que navegariam pela Universo  podendo ser capturados por espécies inteligentes. Mas o SETI fez um estudo que mostram que estas transmissões se dissipam a partir de 1 a 2 anos luz em barulho. Caso esteja correto, nossos sinais não alcançariam nem mesmo a estrela mais próxima de nós depois do Sol.
 
- Colapsa a barragem Hover
 
 
O que sobreviveria depois de 10.000 anos? 
 
As grandes construções de pedra feita pela humanidade, como a Muralha da China, seria engolida pela montanha depois de muito tempo, e as Pirâmides de Gizé, que seriam encobertas pela areia do deserto. Vão desaparecer.
 
Então o que vai sobrar? O Monte Rushmore, em Keystone, na Dakota do Sul, Estados Unidos. Esculpido em granito sólido em local estável. Os inimigos são o vento e gotas de chuva. Ele pode sobreviver 100, 200 mil anos, talvez estarem lá até serem descobertos por nossos substitutos, os chimpanzés quem sabe .
 

Conclusão
 
Em 10.000 anos quase todos os vestígios de nossa civilização desapareceram. Construções de aço, madeira, concreto, ferro, registros em papel, películas ou digital, carros, casas cidades, tudo, tudo desapareceu dando lugar a selvas e florestas.
 
Se condensarmos em 24 horas os 4.5 bilhões de anos de nosso planeta, nosso tempo de vida na Terra corresponde a meio minuto.
 
Existiu civilizações antes de nós. Existirão outras depois.