O Mausoléu Real da Mauritânia

27/09/2014 09:33
O Mausoléu Real da Mauritânia é um túmulo localizado na estrada entre as cidades de Cherchell e Argel, na Argélia. É o lugar de descanso final de Berber Juba II e Cleópatra Selene II, que foram os últimos rei e rainha da Mauritânia. Cleópatra Selene II era a única filha da famosa rainha Cleópatra do Egito e seu marido Marco Antônio. O mausoléu foi construído em 3 aC. pelo rei Juba II, com a intenção de não ser destinado apenas a ele e sua esposa, mas como um monumento fúnebre dinástico para seus descendentes reais.
 
O túmulo é conhecido por vários nomes. É por vezes referido como o Mausoléu de Juba e Cleópatra Selene. Os franceses o chamam de Tombeau de la Chretienne ou "o túmulo da mulher cristã", porque há um tipo de forma de cruz nas linhas de divisão da sua porta falsa. Em árabe, o mausoléu é chamado de Kubr-er-Rumia ou Kbor er Roumia, o que significa o túmulo da mulher romana.
 
A obra foi construída de acordo com tumbas antigas encontradas em Numídia e seu projeto arquitetônico é originário de mausoléus encontrados no Egito e Anatólia. O túmulo circular foi construído em pedra e fica em uma base quadrada com uma estrutura em forma de pirâmide ou cone no topo. As medidas da construção ficam entre 60-61 metros de diâmetro e acredita-se que originalmente possuía 40 metros de altura. O tempo e as intempéries reduziram a sua altura para cerca de 30 metros.
 
 
O monumento foi vítima de pilhagem muito cedo. A base do monumento era decorada com 60 colunas jônicas cujos capiteis foram roubados. No centro da tumba estão duas câmaras abobadadas (cujos conteúdos provavelmente também foram saqueados por caçadores de tesouros), que podem ser alcançadas por uma passagem em espiral de quase sete metros de altura e 489 metros de comprimento. As câmaras funerárias estão separadas por uma passagem curta, e são cortadas a partir da galeria por portas de pedra feitas de um único bloco que podem ser movidas para cima e para baixo por meio de alavancas.
 
 
Os primeiros governantes tentaram destruir o monumento. Em 1555, o Paxá de Argel deu ordens para demolir o mausoléu, mas o esforço foi abandonado quando enxames de grandes vespas pretas picaram alguns dos trabalhadores levando-os à morte. No final do século 18, Baba Mahommed tentou em vão destruir o monumento com artilharia. Mais tarde, quando os franceses ocuparam a Argélia, o monumento foi utilizado pela Marinha Francesa para a prática de tiro ao alvo. Finalmente, em 1866, ele foi explorado por ordem do imperador Napoleão III, após o qual, o lugar foi ordenado a ser protegido e preservado.
 
Em 1982, o mausoléu junto com sítios arqueológicos nas proximidades contendo monumentos da época dos bizantinos e fenícios, foram reconhecidos pela UNESCO como Patrimônio Mundial. Embora estes restos arqueológicos estejam protegidos, as ruínas enfrentam ameaças constantes com a construção e expansão urbana, esgotos que correm a céu aberto, a falta de manutenção e o vandalismo constante. Devido a estes problemas em curso, estes vestígios arqueológicos enfrentam um futuro incerto.
 
 
Fonte : www.curionautas.com.br