Novos Buracos Gigantes no Norte da Rússia!!!

27/02/2015 01:01

Quatro novas crateras gigantes misteriosas apareceram no permafrost siberiano no norte da Rússia, o que provocou temores de que o aquecimento global possa estar causando gás que entra em erupção no subsolo.

Cientistas avistaram os quatro novos buracos, juntamente com dezenas de outros menores, na mesma área onde três outras crateras enormes foram vistas na Península de Yamal, no ano passado.
Acredita-se que as crateras possam ser causadas por erupções de gás metano do permafrost (pergelissolo) devido ao crescente aumento das temperaturas fazendo com que o solo congelado derreta.
A primeira das novas crateras descobertas, chamada de B1, mostra sinais de uma enorme erupção de gás

Isso provocou temores de que as crateras poderiam tornar-se mais comuns, já que a mudança climática continua a aquecer e levou à advertências de que a área está enfrentando um desastre natural iminente.

Uma das novas crateras, cercada por pelo menos 20 buracos menores, está a menos de 10 quilômetros de uma importante instalação de produção de gás.
Especialistas previram que poderiam haver até 30 mais à espera de serem descobertas. Os cientistas, no entanto, ainda não sabem os processos exatos que causam as crateras.
O professor Vasily Bogoyavlensky, vice-diretor do instituto de pesquisa de óleo e gás baseado em Moscou, que faz parte da Academia de Ciências da Rússia, pediu uma investigação "urgente" do novo fenômeno em meio a temores de segurança.

Explosão? Esta cratera (nomeada de B3) foi descoberta perto de Antipayuta na Península de Yamal após moradores virem um flash de luz nas proximidades

As imagens de satélite, mostram um acúmulo de gelo sob a superfície, conhecido como "pingo", enquanto uma imagem mais recente mostra que um lago se formou em uma cratera que os cientistas chamaram de B2, rodeada por buracos menores.

Até agora, a existência de apenas três crateras da Sibéria haviam sido confirmadas quando grandes buracos na paisagem congelada foram vistos por pilotos de helicóptero que estavam voando pela área.

"Nós sabemos agora de sete crateras na área do Ártico," disse o Professor Bogoyavlensky.
"Cinco estão diretamente na península de Yamal, uma no distrito autonomo de Yamal, e uma está no norte da região de Krasnoyarsk, perto da península de Taimyr. Nós sabemos de apenas 4 locais exatos. Os outros três foram vistos por pastores de renas. Mas estou certo de que há mais crateras em Yamal, só precisamos procurá-las. Gostaria de comparar isso com cogumelos. Quando você encontra um cogumelo, certifique-se pois há mais ao redor. Acho que poderiam haver de 20 a 30 crateras mais."

Duas das grandes crateras recém-descobertas - também conhecida como "funnels" (funis) pelos cientistas - transformaram-se em lagos, revelou o Professor Bogoyavlensky.
"É importante não assustar as pessoas, mas este é um problema muito sério. Devemos pesquisar esse fenômeno com urgência para evitar possíveis desastres.
Nós não podemos descartar novas emissões de gás no Ártico e em alguns casos eles podem incendiar-se."

O mapa mostra a localização das novas crateras, juntamente com os anteriormente descobertos orifícios marcados com pontos pretos.

O professor Bogoyavlensky disse que as paredes das crateras sugerem uma erupção de gás a partir de um reservatório subterrâneo raso.
O primeiro buraco foi descoberto em 2013 por pilotos de helicóptero a 32 quilômetros de uma planta de extração de gás em Bovanenkovo, na Península de Yamal.
Um exame da área utilizando imagens de satélite, comparando paisagens no passado com o presente, tem alertado os especialistas russos para a perspectiva de que o fenômeno é mais generalizado do que se pensava.

Esta cratera, chamada de B1, foi detectada pela primeira vez a 30 km de Bovanenkovo ​​por pilotos de helicóptero.

Os especialistas estão particularmente interessados ​​em uma cratera chamada de B2, que está a menos de 10 quilômetros ao sul do campo de gás Gazprom em Bovanenkovo.
Imagens antigas de satélite não mostram sinal algum de crateras no local, mas as imagens mais recentes mostram que há agora um lago lá medindo cerca de 5.000 metros quadrados.
Acredita-se que o lago possa ter se formado de um buraco de 100 metros por 50 metros de diâmetro e está cercada por 20 buracos menores cheios d'água que têm em torno de 1-2 metros de largura.

O gás metano pode ser visto borbulhando deste lago na região de Yamal e acredita-se que possa ser uma cratera antiga.

Moradores que vivem nas proximidades das outras crateras, perto de Antipayuta na Península de Yamal, relataram ter visto um flash de luz.
Isso levou alguns a concluir que foi o resultado de gás preso explodindo no permafrost.
O professor Bogoyavlensky disse: "Precisamos responder agora as perguntas básicas: que áreas e em que condições, estão os mais perigosos? Estas questões são importantes para o funcionamento seguro das cidades e infra-estrutura de complexos de petróleo e gás do norte."

Nos últimos anos, cientistas deram uma olhada nas crateras mais antigas descendo 54 pés (16.45 metros) por suas paredes congeladas.

Já existe a preocupação científica com o Lago Baikal, o maior lago de água doce e o mais antigo do mundo, mas também fora do Círculo Polar Ártico poderiam haver risco de explosões de gás semelhantes.

Quando esta cratera foi descoberta em 2014, as teorias variavam de uma brincadeira feita pelo homem, a alienígenas ou um meteorito.

Os cientistas já disseram que há evidências crescentes de que o aumento das temperaturas na região poderia, ser o principal catalisador provocando as explosões.
Pensa-se que esses locais no permafrost poderiam ter um milhão de vezes mais hidratos de metano trancados dentro do que gás comum.
Um perito estimou que a potência total das crateras explosivas teriam o equivalente a cerca de 11 toneladas de TNT.

Os cientistas estão tentando visitar todas as crateras, como na imagem, para entender melhor como elas foram formadas.

No inverno, as paredes das crateras congelam, tornando mais fácil para os cientistas recolherem amostras.

"Esta bruma que você vê na superfície mostra gás escoando a partir do fundo do lago para a superfície", disse ele. "Nós chamamos este processo de 'desgaseificação'."
Ele não tem certeza se este lago, também, era anteriormente uma cratera ou se o lago se formou a partir de um outro processo.
"O mais importante é que os gases de dentro estão se infiltrando ativamente através deste lago."

Fonte: Curionautas