Mais provas de que gigantes existiram foram encontradas no Antigo Egito: Até a pessoa mais alta do Antigo Egito foi considerada bem pequena perto desse gigante

09/08/2017 10:17

A altura de Sa-Nakht era diferente de qualquer coisa vista anteriormente. Estava totalmente fora do padrão comum da época, até a pessoa mais alta do Antigo Egito foi considerada pequena perto de Sa-Nakht

 
 
Um novo estudo sugere que os restos de um antigo egípcio, o qual acredita-se ser o faraó da Terceira Dinastia Sa-Nakht, poderiam pertencer ao primeiro e mais antigo gigante humano conhecido. Os especialistas agora estão se perguntando: Afinal, os gigantes são mais do que apenas um mito?
 
 

Os gigantes existiram?

 
Na busca pela prova de que gigantes existiam, as pessoas tradicionalmente exageravam histórias e contos infundados. No entanto, as descobertas controversas de esqueletos com mais de 2,75 metros de altura, juntamente com outros artefatos, sugeriram a alguns que a verdade havia inspirado essas lendas.
 
 

Não é o tipo de gigante que você pode imaginar

 
Live Science informa que, como parte de um estudo em andamento sobre múmias, os cientistas estudaram atentamente um esqueleto encontrado em 1901 em uma tumba perto de Beit Khallaf, no Egito. Pesquisas anteriores estimaram que os ossos datam da Terceira Dinastia do Egito, cerca de 2700 a.C. A análise inicial do esqueleto indicou que pertencia a Sa-Nakht, um faraó da Terceira Dinastia. As únicas duas evidências sobre sua existência são encontradas em dois fragmentos, que foram escavados em Wadi Maghareh, localizado na região da Península do Sinai. O site especialista em viagens no Egito, Ask Aladdin, informou que os restos esqueletais “de um homem de tamanho muito grande” que se acredita ser Sa-Nakht, foram encontrados no túmulo K2 de Mastaba em Beit Khallaf, uma pequena vila de Mille.
 
Mastaba – túmulo para a nobreza
 
 
Sa-Nakht era um homem notavelmente alto para sua época, pois ele tinha cerca de 1.87m de altura. Estudos anteriores sobre múmias egípcias antigas mostraram que a altura média para os homens na época era de cerca de  1,68 m, de acordo com o co-autor do estudo, Michael Habicht, um egiptólogo do Instituto de Medicina Evolutiva da Universidade de Zurique.
 
É claro que a maioria da realeza do antigo Egito era melhor alimentada e em melhor estado de saúde do que os egípcios comuns, então eles normalmente cresceriam mais e viviam mais do que os plebeus egípcios. No entanto, os restos mortais de 1,87 metros de Sa-Nakht, que os cientistas novamente examinaram recentemente, são 12 centímetros mais longos do que os restos de Ramsés II, o faraó egípcio antigo mais alto então registrado.