Inexplicável : Uma pegada humana de 290 milhões de anos de idade, deixou os especialistas perplexos

08/05/2017 09:53

Uma rocha, que pertence ao Período Permiano (299 a 255 milhões de anos atrás) foi descoberta no Novo México e apresenta uma pegada humana. No entanto, não havia nenhum homem na Terra naquela época, então como tal pegada poderia existir com essa datação?

 
Muitos autores concordariam com o fato de que existem inúmeras descobertas que foram feitas nas duas últimas décadas na Terra que sugerem que a história como nos foi ensinada é totalmente incompleta (e talvez manipulada).
 
Imagine se a sociedade finalmente aceitasse o fato de que nosso planeta ja foi habitado por inúmeras civilizações antigas no passado, e que a vida na Terra - a vida avançada - existe há milhões de anos?
 
Hoje, esta é apenas uma teoria que parece ser apoiada por várias descobertas "controversas".
 
Umas dessas descobertas é o chamado  Rastro de Zapata (ou Zapata Track) , descoberto no Novo México.
 
O 'Rastro de Zapata' é caracterizado por uma pegada humana no calcário, analisado pelo paleontologo Jerry MacDonald. Curiosamente nas imediações desta misteriosa pegada existem impressões fossilizadas de aves e outros animais.
 
O rastro enigmático tem sido pesquisada pelo Dr. Don Patton que afirma que a rocha Permiana do Novo México contém uma pegada humana genuína.
 
A parte controversa, naturalmente, é a idade da rocha onde a pegada foi deixada. O Permiano sucedeu o Período Carbonífero e compreende os anos entre 299 milhões a 255 milhões de anos atrás, em um tempo antes das aves, e dos dinossauros, quando o homem não deveria existir. 
 
Após este período surge o Triássico, que faz parte da Era Mesozoica e caracteriza-se pela hegemonia dos répteis na Terra, principalmente com a aparição dos primeiros dinossauros.
 
 
Curiosamente, o Permiano (juntamente com o Paleozóico) terminou com o evento de extinção Permo-Triássica, a maior extinção em massa na história da Terra, na qual quase 90% das espécies marinhas e 70% das espécies terrestres morreram. Em terra, ecossistemas levaram 30 milhões de anos para se recuperar.
 
Enfim, retornando à curiosa pegada, há muitos que estão de acordo com a teoria da idade da pedra e há outros que acreditam que não é real - isso porque exibe várias "características não naturais".
 
 
Conforme observado pelo autor Glen J. Kuban, a controversa pegada mostra algumas características não típicas de impressões humanas genuínas
 
Muitas informações oficias sobre a pegada você pode verificar clicando aqui.
 
O autor Jeff A. Benner declarou que "a comunidade criacionista concorda que a impressão é de origem humana e seja a prova de que os seres humanos existiram durante o tempo dos dinossauros".
 
 

Fonte