Há alguns anos houve uma verdadeira febre na internet em relação a supostas fotos de arqueólogos que teriam descoberto esqueletos de gigantes no Oriente Médio

28/09/2014 23:09

Há alguns anos houve uma verdadeira febre na internet em relação a supostas fotos de arqueólogos que teriam descoberto esqueletos de gigantes no Oriente Médio. No meio teológico houve fervor maior, uma vez que estaria comprovada a palavra existente na Bíblia de que há um tempo muito distante os homens tinham tamanho inimaginável.

Já de cara podemos dizer que as fotos são falsas. Foram criadas por membros do site Worth 1000, que promoveu um concurso de manipulação de fotografias digitais. O objetivo era criar a farsa fotográfica com maior perfeição, e pelo jeito o autor da obra conseguiu. Inclusive muitas das farsas fotográficas que circulam pela web como verdades verdadeiras têm origem neste grupo.

Na realidade, o Worth 1000 não tem culpa nestas farsas. Ele apenas promove o concurso de manipulação digital, e é daí que espertinhos retiram de lá as montagens e espalham pela internet como testemunhas de casos inexplicáveis e sobrenaturais. No caso dos esqueletos de gigantes houve sucesso instantâneo em todo o planeta.

De acordo com os sites, a primeira história publicada sobre tal “descoberta” teria acontecido em abril de 2004 pelo jornal “New Nation”, de Bangladesh. Diz o primeiro parágrafo da notícia: “Uma exploração de gás no meio do deserto a sudeste da Arábia Saudita, na região de Rabul Khaalee, descobriu corpos esqueléticos de gigantes. Isso provaria o que Alá diz no Alcorão sobre os povos gigantescos que poderiam arrancar árvores com as mãos. Com a descoberta, o exército árabe fechou a área de pesquisas e ninguém é autorizado a chegar ao local. Até o momento não há notas oficiais do governo sobre tal descoberta”.

Rapidamente tal notícia se espalhou pelas correntes de e-mails na Ásia, Europa e chegou às Américas. Como diz o folclore, “quem conta um conto sempre aumenta um ponto”, a notícia sobre os esqueletos de gigantes foi sendo incrementada a cada lugar que chegava. Assim, a cada hora os corpos eram encontrados em lugares diferentes: Egito, Marrocos, Jordânia, Iraque etc.

É desta forma que surgem os boatos. Há muita indefinição e poucas certezas. Sempre acontecem em lugares muito distantes e inacessíveis, com testemunhas que não querem ser indentificadas, em tempos muito remotos ou em descobertas envoltas em teorias da conspiração, pois os governos jamais iriam falar abertamente sobre elas. Assim é a história destes esqueletos gigantes.

Em 2006, quando o grupo Worth 1000 já havia dito que as fotos eram falsas, parte do concurso de manipulação digital, uma revista evangélica norte-americana apelou para a religiosidade ao mostrar tais imagens em uma matéria sensacionalista intitulada “Aos poucos o mundo descobre que o que está na Bíblia é a mais pura verdade”. O texto reproduz quase fielmente o que foi publicado em 2004 em Bangladesh, mas diz que a descoberta se deu no sul do Irão, e ainda coloca mais pontos: “Veja o que está escrito na Bíblia – Gênesis 6,4; Números 13,23-33; Samuel 21,22 – e você estará convencido da veracidade da palavra de Deus. Percebemos pelas fotos os gigantes filhos de Anaque”. Além disso, a matéria da referida revista chega a entrevistar um dos exploradores que teria participado da tal descoberta; dizem que o homem ficou maravilhado e se convertido ao cristianismo.

Agora já sabemos que é tudo mentira. E o autor dessa façanha não ganhou o prêmio do grupo Worth 1000, mas com certeza se divertiu assistindo ao seu trabalho informal se espalhar pelo mundo como um fato novo da ciência.



Veja mais em: http://climatologiageografica.com/biblia-estava-certa-arqueologia-achou-evidencias-para-comprovar/#ixzz3EfOOElcl