Creepypastas - Sonic.exe

13/08/2015 00:54

57

 

 

Você provavelmente já jogou algum game do Sonic pelo menos uma vez na vida, não é verdade? Mas tem um jogo do ouriço que você nunca jogou, e provavelmente jamais vai querer jogar: conheça a história de SONIC.EXE, o game demoníaco do mascote da Sega!
 
Tom estava em sua casa jogando tranquilamente o (famigerado) game Sonic Unleashed quando,ao olhar pela janela, reparou que o carteiro havia acabado de deixar as correspondências em sua caixa de correio.
 
Ele então pausou o game e foi apanhar as correspondências. Ao abrir sua caixa de correio, viu que o carteiro havia deixado apenas uma caixinha de CD e uma carta. Pela letra, Tom reconheceu que a carta era de seu amigo Kyle, de quem Tom não tinha notícias há duas semanas.
 
Em letras estranhas, como se estivesse com dificuldades para escrever, Kyle dizia:
 
“Tom,
 
Eu não posso mais ficar com isso, eu tinha que me livrar disso de alguma forma antes que fosse tarde demais, e eu esperava que você pudesse fazer isso por mim. Eu não consigo fazer isso, ele está atrás de mim, e se você não destruir este CD, ele irá atrás de você também, ele é rápido demais para mim…
 
Por favor Tom, destrua este disco antes que ele venha atrás de você também… é tarde demais para mim.
 
Destrua o disco, e você o destruirá, mas faça isso rápido ou ele irá pegar você. E nem mesmo jogue este game, é isso o que ele quer. Apenas destrua-o.
 
Por favor… Kyle.”
 
Tom estranhou a carta de seu melhor amigo, sumido há duas semanas, mas levianamente ignorou os avisos do game. Devia ser algum tipo de pegadinha, afinal. O que um simples game poderia fazer de mal a ele? Era apenas um game e nada mais!
 
O menino “presenteado” teria rodado o game e se deparado com três arquivos de Save no menu principal (aquele macabro já descrito). Abri-los levava o jogador a uma fase de “esconde-esconde”, na qual o garoto tinha que ajudar os personagens a fugir do Sonic demoníaco. A experiência acaba sempre em frustração, o que fez com que Tom deixasse o jogo de lado – mesmo com o jogo ainda tentando puxá-lo para dentro do mundo “virtual”. Não se sabe que fim o rapaz leva na história, e mesmo o jogo é dado como desaparecido.