Creepypasta : O dementador

28/09/2015 21:36
 
Havia uma lenda sobre um silo abandonado que foi construido no meio da floresta do outro lado da cidade.  Varias madeiras foram localizados no meio de um campo ao lado do também abandonado trilhos de trem...nunca tive medo dessas lendas urbanas. Confesso que a visão daquele lugar é assustador, mas são apenas silos abandonados e  enferrujados. De qualquer modo alguns rumores se espalharam pelas redondezas de que aquele lugar é assombrado por um velho agricultor que se enforcou no silo e mata qualquer um que entrar lá. 
 
Acho isso uma enorme besteira, deve ser apenas um lenda para manter crianças estúpidas e curiosos e longe do silo, apesar de abandonado, o dono deve ter algum plano para reabrir ou vender os equipamentos e o terreno. Mesmo assim dizem que o silo as vezes é um ponto de encontro onde jovens vão para usar drogas, ouvir um bom e velho rock’n roll, beber e até fazer sexo. Assim, com os comentários positivos e negativos meu grupo de amigos e eu decidimos dar uma olhada. Decidimos aumentar a bizarrice, optando por visitar o silo em um dia sombrio e nublado. Então chegou o dia e meus amigos , Daniel , Ana, e Paulo,marcamos de nos encontrar na minha casa, pois era ao lado da ferrovia. Caminhamos pelo longos trilhos da ferrovia, conversando e rindo, nos divertimos no caminho ... até que vi ... O silo parecia, normal, apenas localizado ali,iminente sobre as altas árvores. Curiosos, caminhamos em direção a ele com sorriso no rosto, conforme nos aproximávamos nós diminuíamos o som da nossas conversas. Chegamos ainda mais perto e começamos a sentir frio... como se houvesse algum 
tipo refrigerador no local, o frio provocou
 
arrepios em nossas espinha ... Inferno!
 
 
Paulo ainda deixou escapar um pequeno gritinho. Nós andamos ao redor das circunferências daqueles silos procurando uma entrada ou algo do tipo. Acabamos encontrando uma escada que conduz para dentro do silo. Os degraus da escada levavam para um pequeno tipo de porta de confinamento... Todas estavam firmimentes trancadas, exceto por uma...
 
 
 
Apesar de ja ter sido preso por isso Daniel sabia abrir escotilhas desse tipo,então poucos minutos estávamos dentro do silo de pé sobre o feno deixado lá dentro. No centro havia um grande buraco, que dava acesso a algum tipo de esgoto. Estava escuro, mas podíamos sentir um fluxo constante de ar que vinha do fundo.
 
 
Curiosamente, havia uma corda que possibilitava qualquer um descer. Sendo a única pessoa que estava realmente preparado para uma aventura fui o único inteligente que trouxe lanterna na mochila. Segurando a lanterna na minha boca,comecei a descer. Desci até o fundo, até chegar ao fim. Tudo parecia seguro enquanto eu olhava para o feno que estava espalhado, a sujeira e também outra escotilha peculiar. Eu acenei com a lanterna para os outros a descerem.
 
 
Enquanto desciam ... Percebi que a corda estava coberta com algo, algo da cor era vermelha. Eu não demonstrei meu medo e mostrei aos outros a escotilha que eu encontrei. Daniel abriu, revelando um um túnel  escuro... Agora estávamos fodidos, aquela escotilha tinha um cheiro insuportável de ... morte. Os outros tinham percebido isso também e,  é claro, Paulo choramingou como uma putinha.
 
Ana acabou criando coragem tomou a lanterna de minha mão e foi caminhando na frente em direção aquela escotilha.
 
 
Nós a seguimos e nós andamos através deste túnel escuro por cerca de 10 a 15minutos, até que chegamos a outra escotilha e abrimos. Uma luz brilhante encheu o túnel e ouvimos algo. Um rugido agudo seguido pelos sons de algo correndo em nossa direção. Em uma tentativa desesperada para evitar a criatura que tinha feito esse som assustador, nós corremos. Uma vez que já estávamos fora do túnel, fechamos a escotilha, na tentativa de bloqueá-lo.
 
 
O som parou e respiramos um suspiro de alívio observado o local que fomos parar.Nós estávamos em um bloco de concreto que parecia ser uma fossa séptica antiga,mas com uma abertura na parte superior e através dessa abertura pudemos ver a floresta acima. Começamos a subir para sair e então aconteceu. Novamente o ouvimos aquele som maldito de novo! Paulo era o único que ainda não tinha subido ...Pobre, pobre Paulo. A criatura afundou suas garras na escotilha aquelas garras afiadas estenderam e agarrou a perna Paulo, apertado, ele para dentro do túnel.Nós ouvimos seus gritos aterrorizados e, de repente ... parou.
 
 
Ouvimos o estalar agudo de ossos e o som de sua carne sendo arrancada. Nós ficamos paralisados de medo, o som do Paulo sendo morto foi revoltante... Ana acabou vomitando. Depois começamos a correr através das moitas. Nós procuramos uma maneira de sair de lá por pelo menos uma hora, mas percebemos que aquela parte da floresta era fechada em um grande perímetro com cerca de arame farpado.
 
 
Entrámos em pânico por não saber pra onde ir e saber que a criatura estava se aproximando cada vez mais. A noite foi chegando rápida, Ana subiu no alto de uma árvore esperando que a criatura não o alcançasse. Daniel se enfiou em um pequeno buraco no chão para se esconder, péssima ideia. Mais uma vez , ouvimos o rugido daquela coisa saindo de sua "toca". Desesperadamente eu também subi em uma árvore alta e de lá vi Daniel escondido no buraco.
 
 
Eu também, consegui ver a criatura que estava nos perseguindo. Foi a coisa mais grotesca que eu já vi. Seu rosto estava com uma máscara, branca pálido, contra a sua pele escura. O rosto parecia ter apenas dois buracos para os olhos escuros e um grande sorriso estendeu por todo seu rosto. Depois de alguns instantes observando, eu percebi o que era a máscara, era uma máscara feita a partir de rosto esfolado Paulo. Eu estava assustado vendo a coisa se aproximando do local onde o Daniel estava escondido.
 
 
Me sentei na árvore enquanto eu observava Daniel correndo de medo, mas não demorou muito até que a criatura o alcançou. Ele colocou suas duas garras no peito do Daniel e o rasgou em pedaços com facilidade incrível. Sim ... Oh Deus!... Aquilo começou a arrancar a pele do rosto do Daniel.
 
A pele do rosto do Paulo havia se desintegrado e rapidamente substituído por uma máscara feita a partir do rosto do Daniel com os mesmos olhos ocos e aquele enorme sorriso.Em seguida, aquela coisa com o rosto do Daniel olhou diretamente para mim falou com uma voz suave e rouca : "Eu sou um dementador". Então ele começou a rastejar de volta para sua toca. De outra árvore ouvi Ana chorar, eu acenei para ela descer assim como eu desci e disse a ela que sabia como sair daquele lugar vivo.
 
Hesitante, ela desceu e eu fui até a cerca de arame farpado e agarrei o fio cortante abrindo de tamanho suficiente para que possamos passar. Minhas mãos sangravam, mas eu ignorei a dor. Novamente, aquela coisa que se denominava“dementador” começou a gritar. Nós já estávamos do lado de fora. Sangrando,corri com Ana e ignorei a dor, correndo, até que finalmente chegamos em nossas casas.
 
 
Dez anos se passaram, Ana e eu estávamos casados e estávamos felizes. Digo que estávamos por uma razão... a mesma razão pela qual eu estou contando essa história hoje... Ana está morta. Ela teve uma morte horrível, muito horrível .A polícia foi chamada ao local depois de um casal saio para um passeio pela floresta. Encontraram o corpo dela mutilada sem rosto. Quando digo “sem rosto”quero dizer que a pele de seu rosto foi arrancado.
 
 
Isso só pode significar que o dementador está livre! Esta livre e está vindo diretamente para mim! Eu sei que é isso! Isto é horrível! Agora ... eu estou olhando para a nossa foto de casamento tentando me acalmar com as lembranças felizes.
 
 
Não ajudou em nada ... Porque no reflexo do vidro vi um rosto lentamente vindo em minha direção, o rosto de Ana, só que não tinha os olhos dela e tinha aquele sorriso aterrorizante. O dementador,  ele está aqui, ele veio para me levar! Sinto suas mãos perfurar meu peito. Neste momento... eu percebi o motivo dele fazer isto. Ele mata... para libertar as pessoas do inferno que agora existe neste mundo... e eu ganhei o privilégio de ser liberado. E sei que daqui a pouco, irei sorrir.