Conheça quais são as origens de seus maiores pesadelos

20/12/2015 11:28

 

 

 

Você já deve ter acordado durante a noite em meio a um pesadelo bizarro: estava sendo atacado por zumbis, caindo de um precipício ou  sendo arrastado por um dilúvio. Você não está sozinho. Esses são temas recorrentes nas noites de pessoas em todo o mundo, independentemente da cultura, religião ou classe social. 

Para entender o que ocorre em nossa mente enquanto temos pesadelos, o psicólogo e pesquisador do sono Zadra Antonio, da Universidade de Montreal, no Canadá, coordenou uma pesquisa com 331 voluntários adultos. Por cinco semanas consecutivas, eles registraram todos os sonhos e pesadelos dos quais se lembravam. Os resultados são bastante interessantes. Antes de tudo, Zandra Antonio explica que pesadelos são relativamente comuns e podem ser experiências saudáveis do ponto de vista psicológico. Ocorrem durante o chamado sono R.E.M ou Rapid Eye Movement (movimento rápido dos olhos). Essa fase é chamada assim porque mesmo com os olhos fechados, eles se movimentam rapidamente e nossa atividade cerebral é intensa, levando aos sonhos e pesadelos. 
 
 
Confira cinco conclusões científicas sobre os pesadelos que poderão ajudá-lo a desmistificar seus sonhos mais aterrorizantes: 
 
Pesadelos podem fazer bem para o cérebro: os pesadelos podem ser uma forma de relaxar sua mente, de liberar a ansiedade do dia-a-dia e mesmo treiná-la para momentos difíceis e reais. O cérebro faz isso criando um medo abstrato e formando uma história a partir dele. Essa história torna-se uma memória em sua mente que pode ser acessada, mesmo que inconscientemente, para sanar problemas reais no futuro. Além disso, é importante que sua mente saiba processar sentimentos como medo, impotência, desespero, culpa e raiva. Quando acordar ofegante no meio da noite após um pesadelo, lembre-se: é só sua mente treinando as reações para um ataque zumbi. 
 
 
Seus pesadelos não são exclusivos: um dos resultados da pesquisa mostra que nossos pesadelos refletem medos universais. Os temas mais recorrentes são insetos, vermes, quedas, perseguição, conflitos interpessoais, violência, morte de familiares ou amigos, sensação de uma presença maligna e problemas relacionados à saúde. 
 
 
Tentar interpretar seus sonhos não ajuda muito: apesar de Freud ter passado boa parte da vida fascinado pela interpretação dos sonhos, atualmente, os pesquisadores recomendam abandonar essa prática.  Portanto, esqueça aquele livro de consulta sobre significados dos sonhos ou troque-o no sebo. “Não quer dizer que os pesadelos não significam nada. Eles certamente terão algum significado metafórico, mas isso varia muito de pessoa para pessoa”, explica o coordenador da pesquisa de Montreal.
 
 
Homens sonham sobre desastres e mulheres, sobre problemas na relação: pode não ser 100% das vezes exatamente assim, mas, estatisticamente, é quase isso. Pesadelos apocalípticos sobre desastres naturais ou asteroides exterminando a população terráquea são mais comuns entre os homens, assim como guerras e terrorismo. Já entre as mulheres, os temas mais recorrentes são conflitos interpessoais e brigas com familiares ou amigos. 
 
 
Pesadelos também podem significar distúrbios do sono: como vimos o maior problema dos pesadelos é mesmo só uma noite mal dormida. Entretanto, em alguns casos, mais raros, os pesadelos podem estar relacionados a alguns distúrbios. Quando são constantes, podem indicar doenças. Uma dessas doenças é a parasomnia, uma forma de sonambulismo caracterizada por caminhar, falar e urinar durante o sono. A maioria não se recorda de nada ao acordar. Outra forma de parasomnia inclui pesadelos terríveis que fazem com que o indivíduo comece a chorar ou tente fugir do quarto enquanto está dormindo. Há também casos de alucinações do sono, na qual a pessoa experimenta imagens vividas enquanto dorme e que resultam em sentimentos de medo e pavor.
 

Fonte/Fonte/Fonte