Como os cientistas definem a aparência de um dinossauro?

12/11/2016 12:57

 

 

Há cinco fatores envolvidos. Primeiro, os estudos dos fósseis. Observa-se a forma e o tamanho dos ossos e como eles se conectam, além das marcas deixadas pelos músculos que estariam associados a eles. Segundo, a comparação com outras espécies que tenham ossos semelhantes. O paleontólogo junta esse quebra-cabeça usando, muitas vezes, partes “pré-montadas” de animais potencialmente semelhantes, a fim de preencher as lacunas. 
 
Terceiro, os estudos de reconstituição de outros tecidos, como a tomografia, que permite reconstituir o cérebro dos bichos e compará-lo ao de animais atuais. Quarto, quando se encontra um fóssil muito bem preservado, chamado “fóssil perfeito”, é possível determinar detalhes. Um exemplo: ao usar técnicas de microscopia em penas de fósseis chineses, cientistas viram onde os melanossomos (estruturas celulares responsáveis pela pigmentação) se acumulavam. Assim, descobriram padrões nas penas, como listras e cores diferentes. Por fim, ainda há muita especulação. O bom e velho “chute”.

 

Como a ciência determina as principais características dos dinos

 

Formato

 
Por meio de observação de cicatrizes nos ossos, dá para saber como os músculos e a pele se acomodavam no corpo. Estudos anatômicos comparativos também ajudam o paleontólogo a entender os movimentos que o animal fazia
 
 

Cor

 
Compara-se com padrões de animais atuais. Se o esqueleto (especialmente os dentes) mostra que ele era um predador bípede e veloz e os fósseis de plantas relacionadas indicam que o bicho vivia em ambiente aberto, provavelmente ele tinha uma cor que o ajudava a se camuflar, como acontece hoje com os leões na savana
 
 

Ambiente

 
Fósseis de plantas ajudam a mostrar como era o ambiente. Análise de microfósseis (fósseis que não podem ser estudados a olho nu, como pólens, sementes, conchas de invertebrados e escamas isoladas) também dá informações importantes
 
 

Dimensões

 
O tamanho dos ossos é crucial. Quando se tem trilhas de pegadas, é possível definir o espaço entre uma perna e outra, medir a altura delas e calcular a velocidade do dinossauro
 
 
 

Cérebro

 
Estudos de tomografia de crânios bem preservados permitiram reconstituir o tamanho e o formato dos cérebros. Graças a isso, sabemos que os cérebros dos dinos eram mais parecidos com os das aves do que com os dos répteis. Logo, o comportamento deles também era mais semelhante ao das aves
 
 
 

Olhos

 
Baseia-se nos padrões de cor de olhos de animais atuais. Na natureza, não há muita variedade. A maioria é castanho, verde e azul, pois são os tons que funcionam melhor
 
 

Postura

 
Além das trilhas de pegadas, o arranjo dos ossos dá a dica. Se a bacia for robusta e os membros anteriores pequenos, então ele era bípede. Se os membros anteriores e os posteriores forem robustos, é mais provável que fosse quadrúpede
 
 
 

Pele

 
Os pequenos são cada vez mais representados com penas, pela semelhança com as aves. Já os maiores não têm a necessidade de ter proteção contra perda de calor (quanto maior o animal, mais lenta é a perda de calor). Então eles provavelmente eram pelados, como os elefantes
 
-Na época do primeiro Jurassic Park (1993), não se falava nisso. Mas hoje é consenso que o velociraptor era um dinossauro emplumado (na imagem acima, vemos um Velociraptor mongoliensis)
 
 
O Carnotaurus vivia na atual América do Sul no final do período Cretáceo. Com 9 m de comprimento, ele tinha chifres característicos

 

Fonte