Cientistas estudam ondas de rádio do espaço, que ninguém sabe de onde vêm

10/12/2015 08:26

Na recente publicação do jornal científico britânico Nature, os cientistas descreveram os resultados das recentes pesquisas sobre o fenômeno de ondas de rádio, mas sem uma única referência ao fato que este ter sido provado por colegas russos quase 10 anos atrás.

 

radio-burst

 

 

No recente artigo, os autores nem sequer mencionaram o fato de que os seus colegas russos foram os primeiros a registrar o fenômeno, segundo informou o site analítico What They Say About the USA (O que dizem sobre os EUA).
 
​Embora o fenômeno, que também pode ser chamado de “explosões rápidas de rádio” ou, na sigla em inglês, FRB (fast radio burst) tivesse sido descoberto ainda nos meados do século XX, os seus primeiros sinais reais só foram registrados em 2007. Neste ano, o astrofísico oriundo da União Soviética Evgeny Mazets com coautores descreveu o primeiro caso de captação destes sinais.
 
O principal mistério é que ninguém sabe a causa da origem das explosões rápidas de rádio.
 
​Outro problema é que é muito difícil detetar as ondas, não só porque duram um milionésimo de segundo, mas também porque sempre existe um tipo de ruído espacial de fundo.
 
O primeiro caso registrado do fenômeno mostrou que as ondas tinham origem não em qualquer local da galáxia, mas eram emitidos da direção da Grande Nuvem de Magalhães, segundo foi descoberto por cientistas russos. No mesmo ano (2007), dois investigadores do Instituto Estatal de Astronomia Sternberg da Universidade Estatal de Moscou, Sergey Popov e Konstantin Postnov, publicaram um artigo na qual explicaram as suas teorias de origem das ondas. Além disso, eles sugeriram um mecanismo, que mostra como essas explosões podem ter origem em magnetares — estrelas de nêutrons magnetizadas.
 
“A situação era parecida à erupção de raios gama, descoberta nos anos 1960: alguma coisa explode nos céus, mas não vemos onde acontece”, disse à publicação russa Gazeta.ru Sergei Popov.
 
No artigo publicado na última edição da revista Nature, pesquisadores liderados por Kiyoshi Masui, da Universidade de British Columbia (Canadá) concluíram que, qualquer que seja a fonte das misteriosas explosões, em torno dela deve existir uma grande quantidade de substância por onde os sinais passam.
 
Este fato prevê a existência de chamado efeito de Faraday que mostra a íntima relação existente entre as ondas de luz e o eletromagnetismo.
 
“Isso reduz muito as restrições sobre as condições da origem e tipo de eventos que levam à explosão. Os eventos preveem que a fonte do impulso pode estar dentro de uma região de formação de estrelas ou restos de supernova”, diz Masui.
 
Segundo ele, a hipótese de ser uma estrela magnética, proposta pela primeira vez por cientistas russos (que, no entanto, os autores não citam) é mais plausível do que as explicações ligadas à fusão de estrelas de nêutrons, porque tais fusões ocorrem em áreas com menor densidade de matéria nas galáxias.
 
Cabe lembrar que após o primeiro caso de FRB ter sido registrado, durante um tempo houve silêncio e o seguinte só foi registrado em 2012 no plano galáctico, e depois – em 2013 foram registrados outras quatro explosões de ondas de rádio.
 
Mas o interesse pelo mistério das FRB é bastante alto e os cientistas continuam publicando cerca de dois artigos semanalmente sobre este tema.