Carlos Tajedor, Argentina: Objetos e luzes estranhas aparecem em um campo

16/04/2015 11:19
 
Segundo a publicação online Diario de Noticias Pehuajo, um casal conhecido que trabalha em uma oficina mecânica naquela cidade, relatou uma estranha aparição de um objeto brilhante sobre uma casa de campo, na zona de Colonia El Toro. Como pode ser visto ao lado, objeto foi capturado em foto.
Eles alegam que nas noites pode-se ver luzes vermelhas, verdes e azuis, de cores muito brilhantes, parecidas como bolas de fogo.
A mulher sofreu de tremores e febre, que passaram com o transcorrer do tempo.  Há algum tempo atrás, ela e seus dois filhos chegaram a desmaiar, sem que tenha tido qualquer explicação médica.  Ela suspeita que o fenômeno poderia ser a razão.
Outros moradores da região também observaram estranhas luzes e bolas de fogo.
Pedro Parera e María Rosa Velázquez e seus filhos constituem uma família de trabalhadores em Carlos Tejedor.  Ambos trabalham diariamente em sua oficina mecânica, e nos finais de semana vão para o campo, a uns 25 km da cidade, na zona de Colonia El Toro.  O trabalho não para no final de semana, pois eles têm que pintar, cortar a grama, e tudo isto é divertimento para esta família.  Porém, no final de semana passado, algo mudou para eles.
 
 
Maria Rosa,que é amante da fotografia, não vê a hora de tirar fotos, e está sempre com sua pequena câmera fotográfica digital em mãos para tirar fotos.  Foi uma destas fotos que tirou da plantação de soja, tendo ao fundo  a casa, que viu algo estranho sobre a mesma.  Quanto utilizou-se do zoom em seu PC, comprovou que um objeto brilhante apareceu ali, que era dourado, semelhante a um sino e de substancial tamanho.
Este fato estranho ficou mais misterioso quando começaram a revisar as outras fotos, constatando que praticamente todas captaram o objeto.  Então Maria Rosa decidiu analisar todas as fotos tomadas no último ano e, para sua surpresa, o objeto estava sempre presente.
Segundo relatou ao Diário de Notícias Pehuajo na terça à noite, ela diz: “Havia luzes de cores verdes, vermelhas, azuis muito brilhantes.  Tirei as fotos, porém com muito medo.  Até que se transformou em uma verdadeira bola de fogo e se foi…”
Maria Rosa disse que estavam para jantar, mas ao retornar à mesa após a seção de fotos, começou a sentir um frio muito intenso, “uma sensação muito estranha, não sei como explicar.  Eu tremia.  Regressamos e tive que me cobrir com vários cobertores.  Eu tinha febre.  No outro dia, amanheci bem…“, disse Maria, procurando uma explicação.
Ela relaciona este caso com outro que ocorreu no ano passado a ela e seus filhos, quando numa noite se sentiu mal, e logo os meninos levantaram gritando muito assustados e logo desmaiaram.  Devido a isto, o casal resolveu voltar à cidade com urgência, indo a família até o hospital.  Alí não foi constatado nenhuma anormalidade no estado de saúde deles.
“Agora, como que aconteceu na última noite, penso se não haveria sido a mesma causa que nos fez passar mal.  Queria voltar para comprovar“, disse ainda Maria.
Enquanto Pedro olha e escuta com parcimônia, mostrando contenção e calma, Maria Rosa indica que “gostaria de ter uma máquina fotográfica melhor e poder tirar as fotos com maior definição, para que alguém pudesse nos dizer o que é isso, o que faz, e por que está ali“.
Maria continua, “é evidente que lá vivem, pois estão por lá sempre e aparecem em quase todas as fotos.  É pena que não chegam mais perto e vêm nos ajudar a trabalhar.  No final de semana cortamos a grama, pintamos, consertamos, trabalhamos o dia todo, mas não nos oferecem ajuda…“