Bases subterrâneas e a presença extraterrestre

14/11/2014 22:56

No extremo norte do estado do Novo México (EUA) está o pequeno vilarejo de Dulce.  Dulce está localizado na Platô Archuleta, fronteira do estado do Novo México e Colorado.  O vilarejo é o lar para 3.000 habitantes e é a capital da Nação Apache Jicarilla.  Por menor e mais insignificante que este remoto local possa parecer, ele se tornou o centro de controvérsia no início da década de 1980.

O físico e inventor, Paul Bennewitz, alegou ter descoberto uma base subterrânea ocupada por extraterrestres, próxima de Dulce. Sua história rapidamente se espalhou através da comunidade que estuda o fenômeno dos OVNIs.  Alegações ao redor da base incluíam as abduções de humanos por estes seres extraterrestres.  Ele também alegou que os extraterrestres estavam engajados no desenvolvimento de tecnologia avançada, inclusive a manipulação genética.  Seus planos seriam o de controlar o governo e ganhar o controle final da Terra, por intermédio da Nova Ordem Mundial.  Histórias surgiram a respeito de uma oculta aliança entre humanos e os habitantes da base de Dulce, a qual inclui alianças com os ‘governos sombra’, por intermédio de sociedades secretas, tais como os Iluminati, os Maçons, o Grupo Bilderberg e o Skull and Bones.

Dulce não é o único local na Terra onde acredita-se que há bases subterrâneas, mas é o que recebeu a maior notoriedade nos últimos tempos.  Alegadamente, bases subterrâneas podem ser encontradas ao redor do mundo, com locais de grande atividade por todos os Estados Unidos, Austrália, Antártica e América do Sul.  Estas bases estão interconectadas por intermédio de uma série de canais.  Também há alegações de que um desses túneis leva à uma base ativa sob o Vaticano, o qual tem exercido controle sobre a civilização ocidental por séculos.

Uma gama de informações a respeito do assunto surgiu, que parece ir a vastos extremos.  E, por mais estranho que essas informações possam parecer, poderia qualquer coisa do que é alegado ser verdade?

Em busca de respostas, referenciamos então à mitologia.  Antes e continuarmos, devemos declarar que a mitologia, como muitas das alegações vindas das comunidades que estudam os OVNIs, é tratada mais como ficção científica do que fato.  Os mitologistas tradicionais alegam que os deuses encontrados na mitologia representam as forças da natureza, ou são a criação da imaginação vívida de alguém.  Isto posto, fica a pergunta: a mitologia dá suporte à estas aparentes alegações estranhas?

A Mitologia por Detrás

Histórias de reinos subterrâneos ocupados pelos “deuses” estão por toda a mitologia.  Dependendo da cultura, estes reinos têm sido chamados de Hades, Tartarus, Xibalba, Duat, Patala e Inferno.  Estas “casas dos deuses” nem sempre são encontradas nas profundezas da Terra, mas são algumas vezes descritas como estando localizadas dentro de uma montanha, ou nas profundezas das águas da Terra.  O acesso a estes reinos, irrelevantemente de sua localização, é muitas vezes descrito como sendo a boca de uma caverna.  A entrada pode parecer aberta a um dado momento e então desaparecer de vista completamente e instantaneamente.  Os habitantes destes reinos subterrâneos não desejam ser visitados, porém a visita é concedida a seletos indivíduos.

De acordo com textos antigos, a entrada para o submundo é dificílima. O Popul Vuh Maia, por exemplo, descreve a rota tomada pelos irmãos heróis Hunhum-Ahpu e Vukub-Hunapu.  Ele descreve a respeito de uma descida íngreme até a casa dos Senhores de Xibalba e os muitos desafios que eles tiveram que superar.  Similarmente, textos como o do Livro Egípcio dos Mortos descrevem o caminho pelo qual o deus-rei morto deve viajar para entrar no Duat.  Tal como o Popul Vuh, o caminho é repleto de desafios, pelos quais um indivíduo deve passar para entrar no reino dos mortos, o submundo.  O Vishnu Purana declara que os níveis mais profundos do submundo, Patala, podem ser encontrados a 70.000 yojanas abaixo da superfície da Terra.  Gilgamesh, no épico que carrega seu próprio nome, é descrito como tendo que viajar vinte léguas em profunda escuridão, até conseguir chegar numa câmara repleta de luz no submundo.

Descrições similares dos lares dos deuses do submundo estão espalhadas por toda a mitologia.  Enki, deus da fertilidade, cuja casa é localizada nas águas profundas, é descrita como sendo construída em ouro, prata e lapis lazuli.  Até mesmo os escritores, tais como o filósofo grego Platão, repercute esta noção.  Ele acreditava que a Terra era repleta de cavernas com água, ar, árvores, frutas e flores.

Surpreendemente, Platão confirma ainda outra alegação da ovniologia moderna.  Platão declarou que estas cavernas são conectadas umas às outras pelos canais subterrâneos.  Mas Platão não é o único a falar sobre os túneis abaixo da superfície da Terra.  Lendas incas falam de vastas redes de túneis que vão por todo o planeta, interligando cidades subterrâneas.

Quando Pizarro e os conquistadores espanhóis entraram no Peru, eles raptaram o imperador inca Atahualpha e o detiveram para o recebimento de um resgate.  Eles demandaram que lhes fossem entregue ouro suficiente para encher uma sala, em troca do retorno do imperador.  Os homens de Pizarro escutaram rumores de que o ouro inca estaria sendo armazenado numa vasta rede de túneis subterrâneos.  Os túneis tinham milhares de anos de idade e se estendiam por quilômetros abaixo da capital inca.  Em recentes anos, aventureiros que entraram nas cavernas abaixo de Cuzco nunca mais foram vistos.   Um homem conseguiu sair vivo dos túneis e trouxe consigo duas barras de ouro.  De acordo com as autoridades, ele enlouqueceu.  As entradas para os túneis foram obstruídas em nome da segurança – pelo menos esta é a verão oficial.

Os apaches reportam que seus ancestrais se refugiaram em túneis antigos durante um cataclismo que ocorreu na Terra.  Eles vagaram por imensas passagens por anos, carregando a semente para vida no novo mundo.

 

Presença Extraterrestre

Mas que tal as alegações de muitos ovniólogos sobre estas bases que estariam sendo usadas para a engenharia genética?  De acordo com suas asserções, é no nível mais baixo, no nível 7 da base em Dulce, que os extraterrestres estão engajados neste tipo de experimento.

Novamente, a mitologia dá apoio à esta premissa.  Os nativos americanos por todos os EUA são os que mais falam a respeito deste tópico.  Os Apaches Jicarilla, os Navajos e os Hopis possuem tradições sobre a criação do homem e a sua emergência a partir das profundezas da Terra.  Os índios algonquinos contam: “Assim o mundo subterrâneo mais baixo se tornou repleto de coisas vivas, cheio de criaturas ‘não acabadas’, similares a répteis, rastejando uns sobre os outros na escuridão“.

Neste assunto eles não estão sós.  O sacerdote da Babilônia, Berosus, contou a respeito das criaturas horrorosas que habitam os reinos subterrâneos.  Ele descreve homens com um corpo, mas duas cabeças, alguns com pernas e chifres de bodes e até mesmo com a parte traseira de cavalos e corpo de homem. “Em resumo, havia criaturas nas quais eram combinados membros de todas as espécies animais.

Mas voltandoà base de Dulce, de acordo com relatos de alguns estudiosos do fenômeno dos OVNIs, estes experimentos genéticos estão sendo conduzidos por um grupo de alienígenas reptilianos nos níveis mais baixos da base.  Thomas Castello, um ex-segurança da base, testemunhou que a base de Dulce possui instalações subterrâneas de 7 níveis, com os andares mais baixos descritos como uma série de cavernas naturais.  Castello acreditava que estas cavernas eram usadas por diferentes raças extraterrestres num passado remoto.

Na cosmologia hindu, as Nagas (serpentes) uma vez viveram sobre a Terra, mas o grande deus Brahma as enviou para as profundezas dos mares e para o sétimo nível de seu reino subterrâneo chamado Patata.

Na descida ao Mundo Baixo, da Inana suméria, Inana precisa passar através de sete portões para finalmente alcançar as profundezas do submundo.

A lenda azteca diz que Quetzalcoatl, a serpente com penas, foi até Mictlan, o Submundo Azteca, e criou o homem usando seu próprio sangue e os ossos de uma raça anterior.

Através da mitologia o ato da criação humana está sempre associado com um grupo específico de deuses da fertilidade.  Ao redor do mundo, os deuses da fertilidade são tradicionalmente ilustrados como reptilianos ou anfíbios em natureza e aparecem em arte como uma mistura entre um homem e um peixe, ou um homem e uma cobra.

 

A Agenda Alienígena: A Nova Ordem Mundial

Um número de indivíduos também argumenta que a verdadeira agenda reptiliana é a de nos controlar, com o objetivo de dominar o planeta.  Eles citam o desenvolvimento da Nova Ordem Mundial.  Proponentes desta teoria acreditam que os reptilianos, ou o produto de seus experimentos de manipulação genética, pretendem tomar o controle da superfície da Terra.  Esta tomada está sendo orquestrada por um grupo extremamente poderoso e influente, do qual fazem parte muitas das pessoas mais ricas do mundo.  Alguns alegam que os membros desta elite sejam na verdade geneticamente inter relacionados.

Sua meta é a de manter todo o homem, mulher e criança obediente à sua agenda.  Os reptilianos também são acusados de querer reduzir a população da Terra e estar empregando armamentos, tais como as chemtrails, organismos geneticamente modificados, vacinas e vírus artificiais para a redução do nosso número.  Alega-se que é mais fácil controlar 500.000 ou um milhão de indivíduos do que os 7 bilhões que atualmente vivem na Terra.

Uma olhada à mitologia relativa a esta alegação realmente possui algum embasamento de apoio.  A ideia de reduzir a população na Terra não é um conceito novo.  No épico sumério Atrahasis, encontramos uma história onde os deuses fazem exatamente isto.  Mil e duzentos dias após a criação do homem, o número de pessoas que habitava a Terra cresceu.  Seu ‘ruído’ perturbava o sono do deus do céu, Enlil.  Então Enlil decidiu enviar uma praga para destruir a população. Isto funcionou por algum tempo, mas quando outros 1200 anos se passaram, a população havia crescido novamente e Enlil ficou mais uma vez perturbado pelo ruído.  Desta vez, para diminuir o número de pessoas, ele ordena ao deus do trovão, Adad, a segurar as chuvas, e assim o mundo sofreu com uma grande seca onde um vasto número de pessoas morreu.  A população continuou a crescer, e após mais 1200 anos o ruído se tornou novamente muito agressivo para os ouvidos de Enlil.  Querendo aliviar este problema, ele diz aos deuses para segurarem todos os dons da natureza.  Isto continuou por seis anos e, como o texto descreve, as pessoas da Terra foram reduzidas ao canibalismo para poderem sobreviver.  Enki, o deus da fertilidade, tentou salvar as pessoas da fome.  Isto deixou Enlil ainda mais furioso.  Finalmente, Enlil, num ato de vingança, decidiu destruir a raça humana de uma vez por todas.  Ele planejou isto através da inundação do mundo.  Enki, uma vez mais, interferiu e salvou a humanidade da total destruição.  Ele alertou a Atrahasis da iminente enchente, e disse à ele para construir um barco para salvar a ele e a sua família.

Inúmeras teorias têm sido postuladas, à medida que tentamos procurar a verdade sobre o nosso lugar no Universo.  A mitologia apoia algumas destas teorias.  É difícil determinar se os criadores destas teorias basearam suas conjecturas usando o mito como suas fundações, suas próprias experiências ou algo mais.  Porém, o que parece evidente é que muitas das informações que os pesquisadores do fenômeno dos OVNIs estão trazendo à luz são paralelas aos mitos e lendas que foram passadas a nós da antiguidade.

O texto acima não reflete necessariamente o ponto de vista do OVNI Hoje, mas é trazido aqui para a informação e troca de ideias de nossos leitores.



Leia mais / Fonte : http://ovnihoje.com/2014/09/04/mitologia-bases-subterraneas-e-presenca-extraterrestre/#ixzz3J5vXspNj