As universidades mal assombradas ao redor do mundo

31/08/2015 15:47

07104421729391

Gritos, vozes, vultos, barulhos, coisas que se mexem sem explicação aparente. Se juntarmos a uma construção antiga e uma (ou mais) história macabra com morte inexplicável ou violenta, temos belos ingredientes para formar, ou tornar, um local mal-assombrado. São casas, teatros, mercados, edifícios, castelos, igrejas, cidades inteiras e locais naturais. A ciência pode até ter outra versão e explicar o que são as assombrações, mas o fato é que nenhum lugar do mundo está livre de ser considerado mal-assombrado. Basta colocar um pouco daqueles ingredientes citados no início. Nem mesmo as universidades e instituições educacionais estão isentas do rótulo.

 

  1 – Universidade de Fordham
 
O Dormitório da Rainha, na Universidade de Fordham
 
Com 174 anos de existência, a Universidade de Fordham fica em Nova York, nos Estados Unidos, e coleciona várias histórias de assombrações em suas diferentes edificações.
 
A mais sinistra das histórias contadas na universidade é a do Dormitório da Rainha. No passado, vários estudantes do dormitório teriam relatado que alguns colchões amanheciam jogados contra as paredes do recinto. Tudo era reorganizado, mas no dia seguinte novamente os colchões apareciam fora das camas. Bem, julgando ser uma brincadeira dos alunos, a direção da universidade decidiu trancar o quarto e impedir que algum estudante continuasse dormindo por ali ou que qualquer pessoa pudesse entrar no local. A situação continuou ocorrendo, mesmo com os quartos trancados e com ninguém dentro.
 
Foi aí que um padre jesuíta apareceu na universidade afirmando que seria capaz de acabar com tudo aquilo que estava acontecendo e assim ele fez. Logo, um estudante que ficava no dormitório decidiu procurar o padre para agradecer e o reconheceu numa fotografia antiga da instituição. Ele então foi informado que aquele padre da foto havia morrido muito anos antes.
 
Além dessa história dos colchões e do padre, há vários relatos de estudantes que presenciaram um homem que subia pelas paredes dos corredores e sumia no Dormitório dos Mártires. Há também histórias de meninas que, em um dos banheiros do prédio, viram uma garota estudante aparecer em um dos chuveiros sem olhar e falar com ninguém. Outras ainda afirmaram que os chuveiros ligavam sozinhos quando não havia mais ninguém com elas no local.
 
 2 – Universidade de Heidelberg
 
A Universidade de Heidelberg, na Alemanha
 
Localizada na Alemanha, essa universidade tem histórias de assombrações da época do nazismo, quando homens e mulheres eram levados ao local para serem esterilizados contra as suas vontades. Pessoas alegaram ouvir vozes e sons de mulheres chorando na clínica médica da instituição.
 
Também provenientes do nazismo, há relatos de acontecimentos macabros em algumas salas que eram de professores que morreram nos campos de concentração durante o período. Segundo as histórias ouvidas, mesmo com os recintos trancados durante a noite, os quadros-negros dessas salas se apagavam sozinhos ou apareciam com escritas sem sentido.
 
Outra história de assombração da universidade alemã conta que alunos sentem um forte cheiro de fumaça em uma das principais áreas do campus, sem haver qualquer indício de incêndio. Coincidência ou não, sabe-se que antes da Segunda Guerra Mundial houve uma grande incineração de livros proibidos no local.
 
 3 – Universidade de Oxford
 
Colégio universitário St. John em Oxford: biblioteca ainda abriga o fantasmas do arcebispo William Laud
 
A data de fundação desconhecida, estimada que seja na segunda metade do século XI, faz de Oxford a universidade de língua inglesa mais antiga do mundo. E uma instituição com quase dez séculos de existência certamente conta com um acervo incontável de histórias que a cercam. Logo, sem dúvida, terror ou assombração estão presentes em grande parte delas.
 
Pois bem, um dos contos que envolvem a Universidade de Oxford é sobre o Coronel Francis Windebank, cujo fantasma foi visto a primeira vez em meados do século XVII. De acordo com depoimentos, o militar foi executado no local da universidade durante o protetorado de Oliver Cromwell.
 
Outro fantasma que assombra Oxford é o do Arcebispo William Laud, do século XVI. Segundo contam os relatos, de vez em quando, o homem da igreja ainda aparece pela biblioteca do colégio universitário St. John.  Alguns estudantes afirmam ser possível encontrar o fantasma de Laud andando pelos corredores do edifício e chutando a própria cabeça decepada.
 
 4 – Universidade Estadual da Pensilvânia
 
Fantasma da mula Old Coaly ainda habita a Universidade Estadual da Pennsylvania
 
O conto de assombração mais antigo dessa universidade americana diz que estudantes ouvem zurros e barulho de cascos de mula no edifício da escola de agricultura da instituição. A lenda é sobre uma mula chamada Old Coaly, que vivia no local e faleceu no primeiro dia do ano de 1893. Os restos do animal ainda estão preservados na escola de agricultura da universidade.
 
É claro que essa não é a única história macabra que envolve a instituição fundada em 1885. Algumas pessoas dizem que, na biblioteca, é possível ver o fantasma de uma estudante chamada Betsy Aardsma. Ela foi assassinada no local em 28 de novembro de 1969 e nunca ninguém foi acusado pelo crime, que é considerado um caso sem solução.
 
Também há um conto que diz que Charles Schwab faz aparições no auditório que carrega seu sobrenome. Ele foi supervisor da construção do local e há diversas histórias sobre manifestações de assombração no edifício desde que foi construído. Entre elas estão o barulho de passos, objetos se movendo sozinhos e vultos no interior das salas.
 
 5 – Universidade de Notre Dame
 
A universidade de Notre Dame está localizada no estado de Indiana, nos Estados Unidos, e possui várias lendas sobre fantasmas de índios da tribo Patawatami, mas que não são tão fortes quanto a história de George Gipp, renomado jogador de futebol americano. Gipp foi atleta da universidade e a história de seu time virou filme, sendo que o atleta foi interpretado por Ronald Reagan em “Criador de Campeões”, de 1940.
 
De acordo com diversos relatos de estudante e funcionários, o fantasma de Gipp assombra o salão Washington da universidade. As misteriosas aparições do falecido atleta incluem portas rangendo, passos não rastreáveis, zumbidos musicais que ocorrem no ar e diversas aparições.