AS PERSPECTIVAS AUMENTARAM. UM NOVO ESTUDO SUGERE QUE O NÚMERO DE CIVILIZAÇÕES EXTRATERRESTRES NO UNIVERSO PODEM CHEGAR A TRILHÕES

22/05/2016 11:31
 
 
 
 
"Nós realmente sabemos que praticamente de todas as estrelas no céu, teremos pelo menos um planeta com anfitriões ..." - astrônomo Adam Frank, co-autor do estudo.
 
Alegrem-se os caçadores de extraterrestres, a possibilidade de que a Terra não é o único planeta habitado por uma civilização inteligente ganhou mais credibilidade graças a um estudo novo que coincide com as recentes descobertas planetárias da NASA. O novo estudo, publicado no Jornal Astrobiology propõe que mais planetas em nossa galáxia abriguem civilizações avançadas do que qualquer um imaginava anteriormente.
 
Woodruff Sullivan e Adam Frank olharam para as recentes descobertas de mundos potencialmente habitáveis da NASA e consideraram maior as chances de que civilizações sofisticadas poderiam ter habitado-os ou ainda o fazem.
 
"O que mostramos foi o primeiro passo sobre a probabilidade de uma civilização se formar em algum planeta recentemente descoberto" Diz Frank, professor de física e astronomia da Universidade de Rochester, ao The Huffington Post em um email.
 
"Se nós não somos a única civilização na história cósmica, o que nós calculamos é a natureza real de probabilidades. Mas, se a probabilidade real é maior do que o esperado, então civilizações teriam acontecido até bem antes. "
 
De acordo com Frank, o número potencial de planetas que orbitam sua estrela a uma distância habitável é impressionante.
 
Isto levanta esperanças de que um desses planetas pode abrigar vida extraterrestre, e com um pouco de sorte, poderemos chegar até a descobrir uma civilização alienígena avançada habitando um desses planetas.
 

A Equação de Drake;

 
Uma das equações mais famosas que lidam com a possibilidade de vida alienígena existente no universo é a Equação de Drake. Foi criada pelo astrônomo Frank Drake em 1961, e estima o número de planetas que podem ser o lar de civilizações alienígenas avançadas com a capacidade de se comunicar com outras civilizações no cosmos.
 
No entanto, Frank modificou a equação de Drake a partir da implementação de novos dados nela. Como a equação de Drake analisa a possibilidade de civilizações avançadas existentes na Via Láctea, a equação proposta por Frank e Sullivan podem ir além, e calcular o número possível de civilizações alienígenas avançadas que existem em nossa galáxia ao longo de toda a história "conhecida" do universo.
 
As chances de que ninguém esteja lá fora, são muito, muito pequenas
 
Com todo os recursos adequados que vemos lá fora, se somos o único lugar com vida inteligente, então nós realmente ganhamos a maior de todas as loterias. "-Seth Shostak, astrônomo - SETI.
 
Cientistas consideraram o seguinte na Equação de Drake :
 
N
 
O número de civilizações na galáxia cujas emissões eletromagnéticas são detectáveis.
 
R *
 
A taxa de formação de estrelas adequadas para o desenvolvimento de vida inteligente, em estrelas por ano.
 
fp
 
A fração dessas estrelas com sistemas planetários.
 
ne
 
O número de planetas, por sistema solar, com um ambiente adequado para a vida.
 
fl
 
A fração de planetas adequados em que a vida realmente aparece.
 
fi
 
A fração de planetas com vida em que a vida inteligente emergiria.
 
fc
 
A fração de civilizações que desenvolvem uma tecnologia que liberariam sinais detectáveis de sua existência no espaço.
 
l
 
O período de tempo em que tais civilizações liberariam sinais detectáveis para o espaço, em anos.
 
Escrevendo ao Astrobiology, Frank e Sullivan completam:
 
"Recentes avanços em estudos de exoplanetas fornecem fortes restrições sobre todos os termos astrofísicos na equação de Drake. Usando estes e modificando-se a formula e intenção da equação, montamos um novo limite na probabilidade de que uma ou mais espécies tecnológicas evoluíram em qualquer lugar e em qualquer momento na história do Universo observável. "
 
Os dois pesquisadores escreveram sobre o que eles chamam de: ". Frequência cósmica de espécies tecnológicas"
 
"Para nós, há muita chance de encontrarmos uma outra civilização tecnológica ativa 'contemporânea', e elas devem estar por aqui a muito mais tempo do que nós", disse Sullivan.
 
Temos procurado vestígios de civilizações alienígenas avançadas, na esperança de descobrir que não estamos sozinhos.
 
"Com tantas estrelas e planetas enchendo o cosmos, nos confunde a mente pensar que somos a única vida inteligente a ter surgido," Alega o astrônomo Seth Shostak do SETI ao HuffPost em um email.
 
No entanto, Shostak nos diz para não sermos excessivamente otimistas ou pessimistas sobre a pesquisas do SETI sobre sinais inteligentes de nossos vizinhos cósmicos.
 
"As chances de que ninguém esteja lá fora, são muito, muito pequenas. É um pouco parecido como se olhássemos para uma formiga do lado de fora de seu formigueiro, vendo a enorme quantidade de terra que se estende em todas as direções e pensar que em sua casa (formigueiro, e terras a sua volta) é o única formiga que existe, em seguida, acreditar que a sua própria existência é meramente um milagre ", disse Shostak ao HuffPost.