Arqueólogos encontraram uma cidade perdida com mais de 7000 anos no Egito

24/11/2016 11:12

Imagem Ilustrativa

 

Os arqueólogos descobriram uma cidade antiga que se acredita ter mais de 7.000 anos de idade perto do Templo de Seti I, no sul do Egito. Já é considerada uma das descobertas mais importantes feitas no Egito antigo nos últimos dois anos.
 
 
 
 
Especialistas do Egito se depararam com uma cidade que se acredita ter mais de 7.000 anos de idade - provavelmente remontando a primeira dinastia do antigo Egito - na província de Sohag, no sul do país.
 
A descoberta foi anunciada pelo chefe do Setor de Antiguidades Egípcias, Mahmoud Afify, que disse que a cidade foi construida por volta de 5.316 aC.
 
 
Mahmoud Afify elogiou o fato de que a descoberta foi feita por uma missão arqueológica que pertence ao Ministério de Antiguidades, e não a uma missão estrangeira.
 
É sem dúvida uma das descobertas mais importantes da última década e poderia impulsionar a indústria do turismo do Egito, que sofreu grandes contratempos desde 2011.
 
Os relatórios indicam que esta cidade antiga há muito tempo perdida era provavelmente a casa de funcionários do alto escalão e construtores de túmulos.
 
Além disso, especialistas acreditam que a descoberta pode ajudar a fornecer mais pistas sobre Abydos, uma das cidades mais antigas erguidas no Egito Antigo.
 
Os estudiosos afirmam que Abydos era a capital do Antigo Egito no final do período pré-dinástico e durante o reinado das primeiras quatro dinastias egípcias antigas.
 
 
Esta descoberta "sem precedentes" foi feita a 400 metros do templo de Seti I.
 
Até agora, os arqueólogos descobriram cabanas, fragmentos de cerâmica e ferramentas de ferro, incluindo dez enormes sepulturas.
 
Em um relatório, o ministério de antiguidades egípcias disse: "O tamanho das sepulturas descobertas no cemitério é maior em alguns casos do que as sepulturas reais em Abydos que remontam à primeira dinastia, o que prova a importância do povo enterrado lá e seu alto nivel social (...)"