Albert Fish

06/10/2014 14:07

Nascido em Washington em 19 de maio de 1870, veio após duas gerações da família que sofriam com problemas mentais, seu pai 43 anos mais velho que sua mãe morreu por ataque cardíaco quando ele tinha cinco anos a partir daí, sem muitas condições de criar o filho sozinha, a mãe de Albert o abandonou em um orfanato. Lá teve início seu gosto pelo sadomasoquismo, a cada surra que levava e a cada agressão que sofria das outras crianças, começou a ter ereções. 

Dois anos depois, após sua mãe conseguir um emprego, Albert foi retirado do orfanato, certa vez em uma queda de uma árvore, bateu a cabeça, o que lhe rendeu muitas dores frequentes e alguns lapsos mentais. 

Albert descobriu sua homossexualidade e com frequência visitava as casas de banho públicas para ficar observando os rapazes que frequentavam ali. Aos 12 anos, teve sua primeira relação homossexual, um rapaz que trabalhava no telégrafo segundo ele, o incentivou a em meio as relações sexuais beber urina e praticar coprofagia, gostava de sofrer humilhações como forma de prazer, uma conduta considerada controversa. Apesar de ser homossexual, aos 28 anos casou-se com uma mulher, com a qual teve dois filhos e mudou-se para Nova York. Sua necessidade sexual voltou a ser uma coisa forte na mente de Albert, foi quando ele novamente se relacionou com outros homens principalmente sadomasoquistas extremos, com culto prazeroso à dor e humilhação, que para ele era uma forma a mais de prazer além do sexual. 

Foi em um museu de cera que Albert Fish ficou mais fascinado pela figura do Pênis e iniciou uma fascinação pela castração, tentando por em prática esses pensamentos iniciou uma relação com um homem com retardo mental e então tentou castrá-lo, mas o homem conseguiu fugir. Ainda assim, Albert continuava a frequentar bordeis onde poderia pagar para que apanhasse e puder matar sua necessidade de sentir dor. 

Albert Fish foi abandonado pela esposa, que fugiu com um amante. Cada vez mais sua necessidade sadomasoquista saía de seu controle, ele já chegou a solicitar que seus próprios filhos o espancassem assim como outros homens os quais ele tratava como amigos, além disso, muitas vezes ele mesmo se batia com chicotes, fazia também pequenas bolas de algodão que eram embebidas em álcool e colocava em seu ânus para então queimá-las, enfiava agulhas entre o saco escrotal e seu reto, chegando a colocá-las tão profundamente que não conseguia mais retirá-las sentindo dor sempre que iria se sentar. 

Albert sempre procurava trabalhar em lares para deficientes mentais e orfanatos, mas, sempre era demitido sem se fixar durante muito tempo em um emprego, pois as crianças sempre comentavam a outros funcionários que sofriam abusos sexuais por Albert. Nessa mesma época alguns desaparecimentos de crianças aconteceram na cidade, como ninguém conseguia explicar quem poderia estar raptando essas crianças, falava-se de um lobisomem, um vampiro e até de um bicho papão, em sua maioria eram crianças com problemas mentais ou negros, aqueles que poucas pessoas iriam realmente investigar o desaparecimento. 

Em 11 de fevereiro de 1927 ocorreria o desaparecimento de um garoto de um garoto chamado Billy Gaffney, uma outra criança que viu o rapto de Bill disse aos pais que ele havia sido levado pelo bicho papão. Na verdade Billy havia sido levado e morto por Albert Fish, que em sua casa havia asfixiado o garoto até a morte, abusado sexualmente dele, então com um cutelo desmembrou o garoto, drenou seu sangue e bebeu, com uma faca abriu o garoto e retirou suas entranhas, com uma faca menor cortou-o em pedaços, cozinhou sua carne com cebolas e cenouras, os órgãos genitais incluindo as nádegas foram assados no forno, como se fosse um pernil, após a refeição, não havia sobrado nada. 

Albert Fish continuava a ter alguns amantes mas o que realmente chamou sua atenção foi um anúncio de um jovem no jornal, oferecendo-se para trabalhar em 1928. Ele estava em viajem pelo país e decidiu responder ao anúncio oferecendo uma vaga de emprego com ose fosse um homem rico e tivesse muitas posses, a família do jovem Edward Budd ficou feliz em saber que ele finalmente poderia ajudar a família trabalhando. Albert foi até a casa dos Budd, sua aparência o ajudava bastante, pois, grisalho desde jovem, era sempre tomado por um senhor de certa idade, incapaz de alguma maldade. Engano que todos cometiam. Sua intenção era na verdade levar o rapaz para sua casa e finalmente realizar seu desejo de castrar alguém, mas ao chegar lá mudou seus planos. 

A família Budd tinha também uma menina de 10 anos de idade, Grace Budd, ninguém reparou o olhar fascinado que Albert depositou sob a garotinha. Ele criou uma nova história, dizendo que antes de levar o rapaz para trabalhar em sua fazenda, precisaria ir até o aniversário de uma sobrinha e após isso voltaria para buscar o rapaz, questionou também ao senhor Budd se ele poderia levar a pequena Grace nessa festa, já que lá ela se divertiria bastante. Entusiasmado com o bom senhor que oferecera emprego ao filho, o sr Budd permitiu e todos viram Albert Fish ir embora de mãos dadas com a pequena Grace. 

Horas mais tarde, a família Budd começou a ficar desesperada com o sumiço da menina principalmente ao saber que o endereço deixado por Albert, era falso. A menina já havia viajado de trem com o homem e longe dali seguiram em direção à uma casa praticamente vazia, onde Albert pediu que Grace colhesse algumas flores o jardim enquanto ele se arrumaria para a festa, dentro da casa, Albert Fish despiu-se, apareceu na janela, chamou a garota e escondeu-se no guarda roupa, quando ela entrou no quarto, foi atacada. Tentou gritar, arranhar o homem, fugir, mas foi em vão, Albert a asfixiou até a morte, arrancou suas roupas, com uma faca cortou a carne, músculos e todo corpo da menina em pedaços pequenos, cozinhou e comeu como uma suculenta refeição, como se fosse um lombo ao forno. Todos essas informações foram detalhadas em uma carta que a família da menina recebeu seis anos após ter sido raptada. 

A princípio ninguém queria acreditar que tais informações eram verdadeiras, ainda mais que a carta continha até a receita do prato utilizado no canibalismo, porém um detetive através de alguns detalhes conseguiu determinar que a carta era realmente verdadeira, detalhes como o fato de ele ter levado queijo e morangos em sua visita aos Budd, a caligrafia batia exatamente com a resposta do anúncio que Edward Budd havia recebido. Porém, no envelope havia uma pista crucial, um emblema de uma associação de motoristas de Nova York, local onde a caligrafia de cada integrante foi examinada, o assassino não estaria entre os membros, porém após saber do caso, um deles assumiu que havia levado dois envelopes da associação pra pensão onde morava, foi para lá que o detetive logo focou as investigações. 

Na pensão, a senhoria ficou completamente perturbada ao saber da história e ainda mais ao saber a descrição do homem que havia cometido tal ato, ela o conhecia, porém era um hóspede que havia deixado a pensão dois dias atrás, tratava-se de Albert Fish. Desta vez a polícia quase perdeu a pista de onde poderia estar o canibal, mas uma outra carta seria o motivo de sua prisão. Albert recebia regularmente dinheiro de uns de seus filhos assim como cartas e dias depois a polícia recebeu uma ligação da pensão dizendo que Albert estava lá para receber essas cartas, enquanto tomava uma xícara de chá Albert Fish foi preso. A notícia saiu nos jornais e com sua foto estampada, novos crimes cometidos por ele começaram a aparecer. Albert foi reconhecido como o velho que havia levado o pequeno Francis McDonnell de 8 anos para um matagal onde o corpo foi encontrado sem roupas e enforcado com os suspensórios que usava, foi reconhecido ainda por uma mãe que quase teve sua filha raptada e ainda houve um último reconhecimento como sendo o homem visto com uma menina de 15 anos Mary O’Connor momentos antes dela ser encontrada morta. 

sem ter como fugir, Albert Fish resolveu assumir os assassinatos, inclusive sem nenhum ressentimento informou ainda qual receita usou para devorar as crianças, segundo o próprio Albert Fish ele havia molestado e devorado mais de 400 crianças, ele viveu em 23 estados americanos e disse ter matado e devorado crianças em cada local em que morou. 

Preso os advogados de Albert Fish tentaram alegar insanidade para que ele não fosse condenado a morte, com depoimentos inclusive de seus filhos contando as autoflagelações que o pai cometia quando eles ainda eram crianças. Tentaram também alegar que todos seus transtornos seriam causados pelo chumbo que haviam nas tintas que Albert usava quando trabalhava como pintor. A defesa também argumentou que homens que cozinham e comem crianças não podem ser normais. A acusação dizia que todos os crimes eram premeditados, pois Albert comprava novas facas e objetos para cortes sempre que resolvia matar uma criança, trouxeram os poucos restos mortais que sobraram da pequena Grace Budd e colocaram o crânio em uma mesa durante o julgamento. Após um recesso, Albert Fish foi sentenciado a morte e por ainda ser um sadomasoquista extremo acabou gostando de ser condenado a cadeira elétrica, foi eletrocutado na prisão em Nova York, em 16 de janeiro de 1936. 

Foram necessárias duas descargas elétricas para matá-lo, pois as 29 agulhas alojadas em seu corpo ao longo de toda a vida causaram um curto circuito na cadeira elétrica. Sua última frase foi sobre sua eletrocussão: - A emoção suprema, a única que nunca experimentei. 

Albert Fish era pedófilo, torturava, desmembrava, picava bebia o sangue de crianças e ainda cometia canibalismo, Albert Fish era uma das pessoas com mentes diabólicas.... 

 

Aqui a carta real escrita por Alber Fish.

Minha querida sra. Budd:

Em 1884 um amigo meu embarcou como trabalhador braçal de convés no navio Steamer Tacoma, o capitão John Davis. Eles velejaram de San Francisco para Hong Kong, na China. Quando chegaram lá, ele e dois outros foram para terra e ficaram bêbados. Quando voltaram, o navio tinha ido embora. Aqueles eram tempos de fome na China. Carne de qualquer tipo custava de 1 a 3 dólares a libra. Tão grande era o sofrimento entre os muito pobres que todas as crianças com menos de 12 anos foram vendidas como comida, para manter os outros não famintos. Um menino ou menina de menos de 14 anos não estava seguro nas ruas. Você poderia ir a qualquer loja e pedir um bife, cortes de carne ou picadinho. Do corpo nu de um menino ou menina seria trazida exatamente a parte desejada por você, que seria cortada dele.
A parte de trás de meninos ou meninas é a mais doce parte do corpo e era vendida como costela de vitela, no preço mais alto.
John ficou lá tanto tempo que adquiriu gosto por carne humana. Quando voltou para Nova York, ele roubou dois meninos de 7 e 11 anos. Levou-os para sua casa, tirou a roupa dos dois e os amarrou nus no armário. Então queimou tudo deles. Inúmeras vezes, todo dia e noite, ele os espancou e os torturou para fazer com que sua carne ficasse boa e tenra.
Primeiro ele matou o menino de 11 anos, porque ele tinha a bunda mais gorda e, é claro, mais carne nela. Cada parte do corpo foi cozida e comida, exceto a cabeça, os ossos e as tripas. Ele foi assado no forno (todo o seu lombo), fervido, grelhado, frito e refogado. O menino pequeno era o próximo, e tudo aconteceu da mesma maneira. Nessa época, eu estava morando no 409 na 100 Street, perto do lado direito. Ele me falou com tanta frequencia como a carne humana era gostosa, que eu decidi prová-la.
No domingo 3 de junho de 1928 telefonei para vocês no 406 w 15 st. Trouxe-lhes um pote de queijo e morangos. Nós almoçamos. Grace sentou no meu colo e me beijou. Eu me convenci a comê-la (naquele momento), com a desculpa de levá-la a uma festa. Você disse sim, ela poderia ir a festa comigo. Eu a levei a uma casa vazia em Westchester que já tinha escolhido. Quando chegamos lá, disse a ela para ficar no quintal. Grace colheu flores selvagens. Eu subi as escadas e tirei toda a minha roupa. Sabia que, se não o fizesse, ficaria com o sangue dela nas roupas. Quando eu estava pronto, fui até a janela e a chamei. Então me escondi no armário até a menina entrar no quarto. Quando ela me viu completamente nu, começou a chorar e tentou correr escadas abaixo. Eu a agarrei e ela disse que ia contar para a mãe dela.
Tirei a roupa de Grace, deixando-a nua. Como ela chutou, mordeu e arranhou! Eu a asfixiei até a morte, então a cortei em pequenos pedaços para poder levar a carne para meus aposentos. Cozinhei e comi aquilo. Como era doce e tenro seu pequeno lombo assado no forno. Levei nove dias para comer seu corpo inteiro. Eu não fodi a menina, embora pudesse tê-lo feito, se tivesse desejado. Grace morreu uma virgem.

Fonte: Medo B