5 Piores casos da deep web.

19/01/2015 15:14

5. Pornografia Grotesca

imagem
 
 
 
Todo tipo de pornografia rola na Deep. É uma bizarrice pior que à outra, tão bestial e repugnante que faria até o Marquês de Sade parecer um amador! O pior entre elas, sem dúvida, é as Child Porn, famosa pedofilia, que tem aos montes e revoltam – nota: eu queria ganhar na Mega da Virada para poder comprar uma armadura e uma katana e sair pelo mundo caçando esses lixos pedófilos!  Sério, acho que um policial federal tem que ter muito autocontrole quando encontra com gente assim.
As imagens as quais você se depara na Deep são de vomitar. Certa vez, em um desses fóruns de discussões gerais que frequento, um membro abriu um tópico chamado “Challenge”. Dentro tinha apenas um link. O link leva para um site, sem qualquer estrutura, apenas uma lista de diretórios. Em 5 minutos o tópico tinha mais de 200 comentários com xingamentos e ameaças ao usuário. Tinha gente que disse que iria descobrir aonde o usuário morava, mesmo que isso custasse todas as economias dele. Tinha cracker que falou que passaria noites e dias em cima do computador para rastrear a origem do site e que mandaria direto para o governo. E tudo isso porque, segundo o que falaram, dentro de um diretório chamado “Yellow Pumpkin” havia centenas de imagens de Child Porn da pior espécie, tanto que alguns usuários queriam juntar forças para encontrar o autor do site.  Por sorte, não vi, todavia, quem viu disse que eram imagens que você não esquece nem se perder a memória. Foi tão chocante para maioria das pessoas que algumas disseram que precisariam de tratamento psicológico depois de ver aquilo. Esses é um dos meus receios da Deep: você está lá na boa, curtindo um papo cabeça com membros de um fórum aparentemente inocente, de repente, do nada, aparece um infeliz e publica algo assim. Se você não estiver atento, clica e termina traumatizado. Por isso fica a dica: deepeiro de primeira viagem, não busque o que não deve e não clique em nada duvidoso e se clicar em um link com redirecionador, saia rapidamente do site, se não conseguir, desligue o computador antes que você possa ver qualquer coisa!

4. Experimentos “Científicos” com Humanos

Tempos atrás, o diretor doente mental Tom Six, lançou o filme Centopeia Humana. O filme conta a história de um médico alemão que sequestra três turistas e os une cirurgicamente, boca ligada ao ânus, formando uma centopeia humana. Com o sucesso da operação, o médico começa a treinar a centopeia, enquanto tenta escondê-la do resto do mundo. Para muitos, um dos filmes mais perturbadores já inventado.
Apesar dos pesares, é só um filme. Ninguém seria capaz de fazer algo assim, seria? Sim, seria! A DeepWeb vem provar que “Centopeia Humana” comparado aos experimentos feitos na realidade por um grupos de lunáticos é um especial do Telettubies dos dias da criança. Nos becos escuros das camadas mais pesadas, existem fóruns de compartilhamento de documentos e imagens sobre experimentos realizados com humanos, dos mais variados tipos. A maioria deles sem qualquer sentido, como emparedar humanos com besouros-tigres e constatar quantos dias ele resiste ou substituir as pernas dos humanos por patas de cabras.
The-Human-Centipede-First-Sequence-2
A maioria desses sites descobertos – geralmente por hackers do bem que tentam acabar, ainda que ineficientemente, com essa escória que infesta a DW – alegavam que “somente utilizavam mendigos” como cobaias, como se isso diminuísse a culpa ou a atrocidade cometida. Os responsáveis são grupos ou mesmo pessoas ligadas à Ciência – como médicos, químicos, biólogos – que agem separadamente e se reúnem nesses fóruns secretos. Segundo os crackers mais determinados em localizar esses “lixos humanos”, grande parte desses sites são do Leste Europeu e atuam sempre sob gigantesca vigilância, sendo que tudo é automaticamente apagado quando o menor indício de que alguém de fora descobriu, demonstrando uma rede muito bem estruturada e um grande investimento por detrás dessas ações hediondas. Provavelmente são pessoas com muita grana que estão envolvidas nesses crimes.

3. Fóruns de Canibalismo

Em 2003 um caso chocou a Alemanha e foi noticia no mundo todo. Um canibal confessou em um tribunal ter matado e comido uma pessoa a pedido da própria vítima. O “Canibal de Rotenburg”, como ficou conhecido, diz ter conhecido a vítima e combinado como tudo seria feito através da internet. Uma investigação da policia levou a uma rede de fóruns de canibalismo escondidos na DeepWeb. “Cannibal Cafe”, “Guy Cannibals” e “Torturenet” eram páginas usadas pelos canibais para marcar encontros e selecionar vítimas para a prática de canibalismo.
Nesses fóruns rolava de tudo, desde fotos e testemunhos de canibais até receitas para o bom preparo da carne humana. Mas o pior, certamente, eram os voluntários. Isso mesmo, tinha gente que se inscrevia para ser “comida” literalmente. Alguns, não por inteiro, apenas certas partes do corpo. Outros, todavia, viravam o prato do dia. Não, não tente entender, a idiotice humana desconhece limites. Quando você pensa que já viu de tudo, eis que aparece a DeepWeb.

2. Bonecas Sexuais Humanas

Essa idéia é, no mínimo, perturbadora ao extremo! Se o tráfico humano para realizar trabalho escravo ou sexual já é repugnante, o que dizer da idéia de transformar seres humanos em bonecas sexuais? Pois é, isso é mais uma das coisas grotescas que você pode encontrar na DeepWeb se for navegar por lá com más intenções.
Nenhum órgão governamental conseguiu localizar a origem dos Dolls Makers. As informações são escassas e toda transações monetárias são via Bitcoins, tudo muito sigiloso, não deixando qualquer rastro. Sabe-se porém que não são um ou dois grupos e sim, dezenas deles oferecendo o serviço na DeepWeb.
As bonecas sexuais humanas são geralmente crianças entre 8 à 10 anos, compradas de famílias miseráveis ( tal como você verá no primeiro item dessa lista) em países aonde a pobreza extrema atinge a maioria da população. Por centenas de dólares  essas crianças são adquiridas pelos “Dolls Makers”. Em seguida, acreditá-se que são levadas à centros cirúrgicos clandestinos e transformadas em bonecas vivas que não apresentem resistência às perversões sexuais dos seus donos. Seus membros, braços e pernas, são amputados e substituídos por próteses de silicone. As cordas vocais são retiradas e os dentes arrancados e trocados por imitações de borracha. Todo procedimento dura de duas à três semanas e só é iniciado após a “boneca” ter sido encomendada. O preço varia entre 40 mil dólares à 700 mil dólares, dependendo das exigências feitas. A boneca ainda viria com uma espécie de manual de instruções, dizendo como alimentá-la e realizar as demais necessidades básicas humanas para a sobrevivência, já que dependeria do dono para tudo a partir daí. A estimativa de vida seria reduzida há um ano após o inicio dos procedimentos cirúrgicos.
O caso que ficou famoso na Surface das bonecas sexuais foi o da “Lolita Slave Toys”. Um membro anônimo do 4chan, que se auto intitulava hacker,  publicou no fórum o printscreen, o endereço da Onion e a forma de entrar nele. O site era apenas uma imagem, com um texto explicando o que era e como adquirir a sua “boneca”. Com o aumento significativo do número de visitas, o Dolls Maker chamado de Pussymonster, provavelmente notou que foi descoberto e limpou tudo que era rastro antes que qualquer detetive virtual chegasse ao seu paradeiro.
Outros Dolls Makers já foram descobertos por hackers. Aparentemente, todos eles escaparam, mas ficamos na torcida para que eles sejam encontrados … e depois jogados entre os presos mais temidos da história, explicando à cada presidiário, o que tal meliante fazia com criancinhas! Aí eu queria ver quem seria a bonequinha!

1. Tortura por encomenda

Você já assistiu “O Albergue” (The Hostel, 2005)?  Se sim, deve ter percebido o quão asquerosa é a idéia que o filme apresenta. São seres humanos que são sequestrados e posteriormente vendidos para riquinhos que querem satisfazer seus desejos de torturarem até a morte outros humanos.
Na ficção, como um filme de terror, isso pode ser muito legal perante os fãs do gênero, entretanto, o que você diria de casos reais? Poucas pessoas sabem que Eli Roth, o diretor e roteirista de The Hostel baseou o filme em casos reais identificados pela polícia de Nova Dehli, India. Depois de intensa investigação a polícia descobriu o que se acredita tratar de um clube secreto, aonde ricos e poderosos vinham de todas as partes do mundo com o intuito doentio de realizar seus prazeres demoníacos. Crianças e adolescentes, descendentes de famílias miseráveis que viviam abaixo da linha da extrema pobreza eram vendidos por seus pais e condenados ao terrível destino.
Em países da Asia, Africa e Europa Oriental, aonde a pobreza impera e as leis e vigilância são poucas, esse tipo de crime é facilitado. Assim como no caso de Nova Dehli, na Tailândia foram descobertos casos semelhantes. E adivinha como é que essas informações chegavam aos seus clientes? Sim, por ela: A DeepWeb! Mas não da maneira que suponho que você esteja imaginando. Os responsáveis tinham um forte esquema montado. Você, eu, ou seja lá quem for, mesmo acessando a Deep, não consegue ter acesso à essas páginas. Somente convidados recebiam a senha. E essas pessoas só recebiam a senha depois que começavam a procurar por esses atos imundos na Internet. Então, os mafiosos detectavam o cliente em potencial e investigavam a vida do sujeito. Se ele tinha mesmo dinheiro para arcar com as despesas (acredita-se que fosse na casa dos milhões por pessoa ), os criminosos entravam em contato com o sádico e ofereciam o serviço. Após a confirmação de compra, o riquinho recebia uma senha e um download de um software que permitia a decodificação da page, dando acesso às informações e também, possibilitando que o mesmo escolhesse sua vítima.
Já imaginou quantos desses “estabelecimentos para ricos doentes e filha da putas” devem existir ainda por aí?
Fonte: Ah duvido

 

Leia mais Mistérios / Clique na Imagem